Quando se nega a política, resta a violência

O governo Bolsonaro sempre foi o governo da antipolítica. O bolsonarismo trocou a negociação política por uma política de confronto

www.brasil247.com - Marcelo Arruda, petista assassinado em Foz do Iguaçu
Marcelo Arruda, petista assassinado em Foz do Iguaçu (Foto: Arquivo pessoal)


Josué de Souza

O atual governo foi eleito na onda da antipolítica. Surfou na onda que iniciou em 2013.  A antipolítica, antes, serviu de plataforma para o golpe jurídico-parlamentar de 2016 e para as antirreformas neoliberais colocadas em curso nos governos Temer e Bolsonaro.  No seu caminho, condenou os partidos políticos, os movimentos sociais e tudo que representava o diálogo e o diferente. Somos contra tudo que está aí, diziam eles.

Aliás, o governo Bolsonaro sempre foi o governo da antipolítica.  O bolsonarismo trocou a negociação política por uma política de confronto, não só com a oposição, mas também, com o legislativo e o judiciário e a imprensa.  Gostemos ou não, política é a arte do diálogo. É nela, que numa sociedade civilizada que inimigos abrem mão das armas debatem em torno dos seus interesses e dificuldades. Bolsonaro é a negação disto tudo. Seu governo é o governo da violência. Não é por acaso a adoração por armas. 

   Nas últimas semanas parece que este fenômeno transbordou. Do funcionário público e do jornalista que tombaram lutando contra a devastação da floresta, ao pai de família assassinado em frente da esposa e dos filhos em sua festa de aniversário. Todo dia recebemos notícia de mais um crime político no país. Ao lermos as notícias, o sangue escorre pelas palmas das nossas mãos respingados pelas manchetes de política. Sem tarja e sem verniz. Quando se nega a política, resta a guerra.

Um governo em que o presidente da república fez carreira política elogiando a ditadura e torturadores, que foi eleito foi eleito na onda da antipolítica, que não é censurado quando diz em um palanque que vai metralhar os militantes do partido de oposição ao seu, e que defende que todo cidadão tem que ter um fuzil, não podemos esperar a paz. Porém é inocente a leitura de que a violência política é neófita por aqui.

Na frágil democracia nacional, a violência política sempre foi a agenda do dia.  Sobretudo contra aqueles que decidiram desafiar os poderosos. Foi assim com os Zumbi de Palmares, Tiradentes e a Inconfidência Mineira, Canudos e Antônio Conselheiro, Contestado e João Maria, Olga, Chico Mendes, Dorothy Stang, Marielle Franco, só para citar alguns.

A violência política que tem sim dois lados. Um busca a justiça, a democracia e o diálogo. O outro, apesar de posar de bom moço e de novidade, nega a política, defendem as armas, a violência e os donos do poder. A bestialidade que vivemos é herdeira da nova política. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247