Que faz o PT no "bloco do Maia"?

"A decisão na minha opinião é um grave erro. Participaremos de maneira subalterna no bloco de um setor do golpismo, contra outro setor do golpismo", analisa o colunista Valter Pomar

www.brasil247.com -
(Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados)


Acabo de ler um tweet do deputado José Guimarães, anunciando que a bancada do PT acaba de decidir integrar o "bloco do Maia".

A posição não foi unânime, mas parece ter sido amplamente majoritária.

Quem se posicionou contra? 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sei que parlamentares vinculados à tendência petista Articulação de Esquerda foram contra. Não sei de outros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A decisão na minha opinião é um grave erro.

Erro, em primeiro lugar, porque deveria caber ao Partido e não a bancada decidir a respeito. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas ao que sei, o DN remeteu o assunto para a CEN que remeteu o assunto para a bancada.

Erro, em segundo lugar, devido ao mérito. 

Na prática, participaremos de maneira subalterna no bloco de um setor do golpismo, contra outro setor do golpismo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como diz o tweet de Guimarães, é o PT que passa a integrar o "bloco do Maia". 

Maia é aquele que, segundo disse recente e corretamente o vice-presidente nacional do PT, Washingon Quaquá, é um dos integrantes da turma do imperialismo, do grande capital, do latifúndio, da Globo.

Havia alternativa?

Havia, sempre há. 

No caso, ter um bloco de oposição e uma candidatura de oposição.

Mas numa bancada dividida em três partes (os pró-Maia, os pró-Lira e os pró-candidatura de esquerda), prevaleceu o que me parece ser uma "síntese" capenga: participar do bloco do Maia e prometer uma candidatura presidencial do PT ou similar.

O bloco é para já. A candidatura é promessa.

Infelizmente, a nota da bancada não fala as coisas claramente.

O argumento usado para justificar a posição adotada é impedir que Bolsonaro controle a "Casa". 

Diria eu: controle ainda mais; afinal, entre outras coisas, o "bloco do Maia" sentou em mais de 50 pedidos de impeachment.

Mas é óbvio que, numa eleição em dois turnos, este objetivo de derrotar a candidatura mais bolsonarista poderia ser alcançado no segundo turno.

Portanto, a decisão de participar do "bloco do Maia" tem como motivação real e principal buscar garantir espaços na Mesa diretora da Câmara, Comissões e relatorias.

A nota da bancada não deixa isto claro e não explica por quais motivos estes espaços não poderiam ser conquistados apresentando um terceiro bloco, da oposição de esquerda.

Seja como for, é um caso clássico de subordinação da tática geral do Partido, a critérios estritamente parlamentares (e, no caso, equivocados). 

Aquilo que em época muito recente alguns petistas chamaram de "cretinismo parlamentar" e "oportunismo".

De conjunto, a tática da bancada e outras cositas mais sinalizam que 2021 e 2022 podem virar um biênio terrível para quem é de esquerda.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email