Que país é este?



Francelino Pereira (1921-2017), mineiro piauiense, cuja vida pública teve início em 1951, eleito vereador em Belo Horizonte, passa pela Câmara Federal, pelo Governo de Minas, até o mandato de senador, conquistado nas urnas em 1994, ficou célebre apenas pela pergunta: "que País é este?".

Em 1976, quando o governo Geisel propõe a agenda de abertura política, enunciou: "Que país é este, no qual as pessoas não confiam na firme vontade política do presidente da República de levar adiante a decisão amadurecida e consistente de dar continuidade à plena redemocratização?".

Muitas respostas cabem nesta interrogação. Mas se a pergunta fosse: quem é o poder no Brasil, apenas uma resposta seria verdadeira: o colonizador, os poderes estrangeiros, o exemplo e a vontade de ideologias criadas para outros contextos, para outras realidades, para outros povos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma nação se constitui de território e povo que estruturam o Estado Nacional com sua cultura, com seu passado e sua projeção de futuro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Contraponho a de Francelino, outra questão: onde encontramos um território tão rico e um povo quase integralmente mestiço e integrado como no Brasil?

Mas vimos em nossa história até um governante, o segundo Imperador, importando estrangeiros para o "embranquecimento do povo brasileiro". Teria vergonha de se apresentar nas cortes europeias como Imperador de mestiços, índios e negros?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dos primeiros livros de nossa história, de 1627, a "História do Brazil" (com z), de frei Vicente do Salvador (1564-1638), discorre sobre os reis de Portugal:

"pelo pouco caso que haviam feito deste tão grande estado, que nem o título quiseram dele, pois intitulando-se senhores da Guiné, do Brazil não se quiseram intitular, nem depois da morte de el-rei D. João III, que o mandou povoar e soube estimá-lo, houve outro que dele curasse, senão para colher suas rendas e direitos".

"E deste mesmo modo se haviam os povoadores, os quais por mais arraigados que na terra estivessem, e mais ricos que fossem, tudo pretendiam levar a Portugal, e se as fazendas e bens que possuíam soubessem falar também, lhes haveriam de ensinar a dizer como os papagaios, aos quais a primeira coisa que ensinam é: papagaio real para Portugal, porque tudo querem para lá".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"E isto não tem só os que de lá vieram, mas ainda os que cá nasceram, que uns e outros usam da terra, não como senhores, mas como usufrutuários, só para a desfrutarem e a deixarem destruída" (Frei Vicente do Salvador, História do Brazil, com revisão e apresentação de Capistrano de Abreu (1918), Juruá Editora, Curitiba, 2011, 3ª reimpressão).

Frei Salvador analisava o pensamento colonizador de Sir Walter Raleigh (1552-1613), de "quem domina o comércio mundial domina a riqueza do mundo" e para isso era primordial possuir colônias.

O embate europeu pelas colônias colocou em luta a Espanha, vinda de seu Século de Ouro (1521-1643), a Inglaterra, de suas Revoluções - Puritana (1641-1649), República de Cromwell (1649-1658), Restauração dos Stuart (1660), Gloriosa (1688-1689), a Holanda, libertando-se da Espanha, sob a liderança de Guilherme de Orange, constituindo a República das Sete Províncias Unidas dos Países Baixos (1579), e a França, com o absolutismo dos Bourbon, inaugurado por Henrique IV (1553-1610). E Portugal?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

António Manuel Hespanha (As vésperas do Leviathan, Almedina, Coimbra, 1994) discorre sobre a ideologia liberal que toma conta do Estado português. E ela vinha atender a "defesa do interesse patriótico", conter as "forças egoístas da nobreza" e promover o apoio da nascente burguesia. E seria este Estado o executor da "função de instância arbitral dos conflitos sociais e políticos e realizando, com auxílio dos legistas, uma progressiva tarefa de racionalização social". O rei passa a ser gestor de uma ideologia que nem lusitana era. Podemos entender que o Tratado de Methuen (1703), com a Inglaterra, vem apenas confirmar o papel de capataz, não de senhor, que as potências da época destinavam a Portugal. E que Portugal se acomoda numa burocracia judiciária, pouco ou nada promotora do desenvolvimento econômico e social.

Mas não era uma desdita de colônia. Vejamos o que ocorria nas treze colônias inglesas na América do Norte.

A Inglaterra passava por dificuldades desde a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648), que envolveu a França, Países Baixos, Dinamarca e Espanha, e que de guerra religiosa se transforma em disputa colonial. E por se terem fechados vários mercados para produtos ingleses, causam depressão econômica pelos anos 1620. Logo se acentua a exploração das colônias. Também ocorre, nas já referidas Revoluções, o avanço da produção industrial ao qual se opunha a burguesia comercial aliada da nobreza fundiária. Muitas divergências naquela ilha da Mancha.

As colônias, para soberanos ingleses e europeus, eram consideradas áreas para exploração, modo de aumentar seus poderes. E os colonos, servidores, funcionários, lacaios dos colonizadores, a quem deviam servir e enriquecer.

"O termo "sistema colonial" não tem significado preciso e é vagamente usado em várias conotações por diferentes escritores. É sinônimo daquele sistema complexo de regulamentos por meio do qual, embora em grau diferente, as estruturas econômicas da metrópole e da colônia foram moldadas para se conformarem ao ideal do império autossuficiente. Para compreender este sistema, será necessário analisar os princípios subjacentes à política colonial inglesa, especialmente nas leis de comércio e navegação".

"Pode ser avaliada a vida econômica das colônias, pelas suas atividades comerciais e manufatureiras, além dos efeitos causados pelo sistema que a controla. Há um corpo legislativo inglês sobre as colônias que exige a nomeação de funcionários para o executar, além da máquina administrativa para verificar em que medida as leis são cumpridas. E como os sistemas econômicos e político estão inseparavelmente ligados, para elucidar um será necessário discutir suas relações com o outro" (George Louis Beer, The Origins of the British Colonial System 1578-1660, Macmillan, NY, 1908, em tradução livre).

O historiador da Universidade de Columbia (NY), Herbert Aptheker (1915-2003) (Uma nova história dos Estados Unidos: a era colonial, tradução de Maurício Pedreira para Civilização Brasileira, RJ, 1967) cita um Marquês de Carmathen, falando na Câmara dos Lordes:

"Para que fim se permitiu que os colonos fossem para aquela terra, a não ser que os lucros do seu trabalho retornem a seus senhores, aqui? Penso que a política de colonização é altamente culpável se a vantagem não redundar em benefício dos interesses da Grã-Bretanha".

Porém, o historiador estadunidense também observa que: "a maioria - proprietários e não proprietários - via a colônia como lar (mesmo que durante décadas muitos falassem da Inglaterra e de outras partes da Europa como sendo Pátria). Tinham arriscado a vida atravessando o Atlântico com a ideia de melhorar a vida". E adiante: "o objetivo dos colonizadores era o de explorar as colônias; isso significava um conflito de interesse fundamental entre colonizadores e colonos". Conflito que não encontramos na descrição de Frei Vicente.

O já citado George Beer não via, nos confrontos colonizador versus colonizado, naqueles anos dos séculos XVI - XVII, qualquer questionamento teórico, como outros analistas descreverão muito depois. Era, nas palavras de Aptheker, "parte orgânica dos interesses contraditórios dos colonizadores e colonos". Prossigo nas considerações do professor de Columbia: "suas sementes foram nutridas pela distância entre colonos e soberanos; pela mistura de povos que produziu um novo povo, com a passagem das décadas; pelas experiências isoladas dos colonos que os uniram entre si e cada vez os separavam mais da Pátria; pelas economias distintas das colônias que, apesar das obstruções e restrições, vieram a se desenvolver; pelo sentimento comum de insatisfação e exploração e separatismo, que, somando a tudo mais, fez deles outro povo".

Por que isto não ocorreu no Brasil? Na verdade, ocorreu, mas a pedagogia colonial, sempre forte e presente na colonização portuguesa, que abria mão das produções mas não das almas, jamais descuidou. Querem um exemplo? A educação que só entra na estrutura do Estado com Getúlio Vargas, chefe do Governo Provisório, em 14 de novembro de 1930. Quatrocentos e trinta anos após a chegada de Cabral.

Porém há igualmente uma condição muito grave e degradante para os que no Brasil tinham a responsabilidade de governar, e os que representavam a parte do poder estrangeiro que nos dirigiu desde sempre: a escravidão racial, que se transforma em escravidão econômica, ampliando seu alcance desumano.

De autor anônimo, escrito provavelmente em 1618, Diálogos das Grandezas do Brasil (Edições Melhoramentos, SP, s/data) tem na Introdução de Capistrano de Abreu, para a edição de 1930, da Academia Brasileira de Letras, o seguinte texto:

"Em 1618 os estabelecimentos fundados por portugueses começavam no Pará, sob o Equador, terminavam adiante de S. Vicente, além do Trópico. Entre uma e outra capitania havia grandes espaços devolutos de dezenas de léguas. Para as bandas do sertão na facha da floresta, apontava quase o mar a natureza intemerata. A população total cabia folgadamente em cinco algarismos".

Os Diálogos são travados entre Brandônio e Alviano. Diz Brandônio:

"Neste Brasil, se há criado um novo Guiné com a grande multidão de escravos vindos de lá que nele se acham, em tanto que em algumas capitanias há mais deles que dos naturais da terra, e de todos os homens que neles vivem tem metida quase toda a sua fortuna em semelhante mercadoria. Todos fazem sua granjearia com escravos de Guiné, que para esse efeito compram por subido preço ......... e vivem somente do que granjeiam com tais escravos".

Eduardo Chivambo Mondlane (1920-assassinado em 1969), líder da independência de Moçambique, deixou várias análises e narrativas sobre a luta para libertação. Destas retiramos o texto que segue, com título: Resistência, a procura de um movimento nacional (in Manuela Ribeiro Sanches (organizadora), Malhas que os Impérios Tecem, Edições 70, Lisboa, 2012):
"O movimento nacionalista não surgiu numa comunidade estável historicamente com uma unidade linguística, territorial, econômica e cultural. Em Moçambique, foi a dominação colonial que deu origem à comunidade territorial e criou as bases para uma coerência psicológica, fundada na experiência da discriminação, exploração, trabalho forçado e outros aspectos da dominação colonial".

Nosso Brasil, de todos os rincões, cores e sempre solidário, ainda está por se construir como Estado Nacional, soberano e cidadão. Tivemos no nacional-trabalhismo, uma ideologia nacional brasileira, com Getúlio Vargas, nosso melhor momento de amplo e integral desenvolvimento: cultural, econômico, social, tecnológico, que vem sendo destruído por sucessivos golpes, sendo o último com a eleição de 2018. Não são somente os golpes militares, mas os midiáticos, parlamentares, jurídicos e vemos de modo ameaçador os marginais-policiais, os milicianos, batendo à nossa porta. Como no título de Mondlane, é preciso resistir e construir um movimento nacional, independente de tutelas, criativo e efetivo para construção do Brasil.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email