Queiroga e o juramento do hipócrita

Jornalista Eric Nepomuceno resume a atuação do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. "Até agora foram puras palavras ao vento, pois a prática continua a mesma, já que Jair Messias tem uma assessoria pessoal, cuja missão é contribuir para que ele continue cumprindo sua tarefa de Genocida", afirma

www.brasil247.com - Marcelo Queiroga
Marcelo Queiroga (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)


Por Eric Nepomuceno, para o Jornalistas pela Democracia 

Marcelo Queiroga, nascido em 1965 em João Pessoa, é médico cardiologista. Aliás, até virar ministro no dia 15 de março, presidiu a Sociedade Brasileira de Cardiologia. Isso indica que, além de seus méritos como médico, é um bom articulador político no setor.    

Substituiu à frente do ministério da Saúde a aberração ambulante que atende pelo nome de Eduardo Pazuello e é general da ativa do Exército brasileiro. Se com sua chegada à poltrona ministerial alguma coisa mudou no cenário trágico que enfrentamos, foi o discurso.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Porém, até agora foram puras palavras ao vento, pois a prática continua a mesma, já que Jair Messias tem uma assessoria pessoal, integrada por energúmenos, idiotas e curandeiros ralés, criminosos todos, cuja missão é contribuir para que ele continue cumprindo sua tarefa de Genocida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Queiroga estreou anunciando um comitê de coordenação nacional de combate à pandemia, que não passou de engodo. Depois anunciou que estavam em estudos medidas drásticas e urgentes, que nunca saíram do papel. Foi à CPI do Genocídio e deu voltas e reviravoltas para escapar das perguntas concretas e objetivas dirigidas a ele.

Enfim: passados mais de dois meses da sua chegada ao governo de Jair Messias, tudo que demonstrou foi um talento bastante razoável na arte da enrolação. Mas agora, parece ter encontrado o caminho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesta segunda-feira, 24 de maio, Marcelo Queiroga participou, de maneira virtual, da principal reunião anual da Organização Mundial da Saúde, a OMS. Tratou-se da assembleia mundial da entidade, que ocorre no momento em que o mundo inteiro volta as atenções, além do que ocorre dentro de cada país – para o bem e para o mal –, para a ameaça mundial que se chama o Brasil de Jair Messias.

E o que fez o doutor Queiroga? Exagerou no seu domínio da arte da enrolação, e mentiu descaradamente.

Com firme serenidade, ele assegurou que o Brasil recebeu até agora 90 milhões de doses de vacina e imunizou 55 milhões de pessoas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na verdade, foram vacinados muito menos brasileiros: 41 milhões receberam a primeira dose. E só vinte e poucos milhões, a segunda. É esse o número que vale: vinte e poucos milhões. Não chega nem à metade do que disse o ministro Marcelo Queiroga.

Além disso, ele assegurou que o governo de Jair Messias faz a firme recomendação de medidas de distanciamento social, isolamento e o uso fundamental de máscaras.

Será que ele não sabe que tudo que Jair Messias faz tem imediata – e totalmente negativa – repercussão mundo afora? Será possível que ele não tenha visto, ou pelo menos ouvido falar, o que aconteceu no Rio de Janeiro no domingo, um dia antes de seu discurso na OMS?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O vestígio ínfimo de credibilidade que restou ao Brasil é corroído um pouco mais com declarações como as de Queiroga.  

Que, vale repetir, é médico. Fui dar uma espiada no Juramento de Hipócrates, que todo médico faz ao ser diplomado.

É de uma solenidade olímpica e de uma clareza absoluta. Começa assim: “Eu juro, por Apolo médico, por Esculápio, Hígia e Panacea, e tomo por testemunhas todos os deuses e todas as deusas, segundo meu poder e minha razão, a promessa que se segue”. E o que vem a seguir é um veemente compromisso com a vida humana.

Evidentemente, Marcelo Queiroga cometeu um drástico engano de leitura e compreensão do que jurou.

Ele achou que o juramento dava a ele o direito de ser hipócrita e praticar a hipocrisia. Nada mais próprio, aliás, de quem aceita integrar o pior governo da nossa história.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email