Queiroz tem poucas opções antes de virar estatística

Para Leandro Fortes, do Jornalistas pela Democracia, "é uma questão de tempo até os assassinos de Marielle Franco alcançarem Fabrício Queiroz, como fizeram com o capitão Adriano da Nóbrega". "Caso [Queiroz] decida falar, vai derrubar o presidente da República e, provavelmente, levá-lo ao xilindró com a mulher e os três filhos idiotas", diz ele

Fabrício Queiroz
Fabrício Queiroz (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Leandro Fortes, do Jornalistas pela Democracia

É uma questão de tempo até os assassinos de Marielle Franco alcançarem Fabrício Queiroz, como fizeram com o capitão Adriano da Nóbrega, pelas mãos de policiais militares bolsonaristas, na Bahia.

Queiroz sabe que a milícia carioca, como a máfia siciliana, é profilática e não paga para ver, quando o que está em jogo é a sobrevivência de uma organização criminosa ligada, diretamente, ao poder central do País.

O ex-assessor da família Bolsonaro tem poucas opções, antes de virar estatística.

Caso decida falar, vai derrubar o presidente da República e, provavelmente, levá-lo ao xilindró com a mulher e os três filhos idiotas.

Em silêncio, vai ser condenado sozinho, com o risco de levar a mulher e a filha, a reboque, para uma longa temporada em Bangu.

Nos dois casos, vai estar com os milicianos no encalço.

Pobre Queiroz.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247