Quem ameaça a democracia é Bolsonaro, não o STF

"Pode-se criticar a forma com que instauraram o inquérito, cuja instauração deveria ser solicitada à PGR, mas não vejo perigo de a censura ser restabelecida em razão do episódio. Quem está atacando o STF são os aliados de Bolsonaro. É a ele que interessa colocar o mais depressa possível novos ministros no Supremo, à sua imagem e semelhança", avalia o jornalista Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia 

Quem ameaça a democracia é Bolsonaro, não o STF
Quem ameaça a democracia é Bolsonaro, não o STF (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Está havendo um grande equívoco. Vejo articulistas em jornais preocupados com a decisão do ministro do STF Alexandre de Moraes de retirar matéria que enquadrou dentro dos critérios de fake-news ou calúnia ou difamação de ministros do STF de um site de direita. Preocupam-se com que isso possa representar a volta da censura. Não vejo assim.

Pode-se criticar a forma com que instauraram o inquérito, cuja instauração deveria ser solicitada à PGR, mas não vejo perigo de a censura ser restabelecida em razão do episódio. Quem está atacando o STF são os aliados de Bolsonaro. É a ele que interessa colocar o mais depressa possível novos ministros no Supremo, à sua imagem e semelhança.

Ou seja, ministros de extrema-direita. Um candidato à espreita de uma cadeira vazia é João Gebran Neto, que aumentou a pena de Lula para 12 anos. Quem ameaça a democracia são os aliados de Bolsonaro, não o STF.  A censura não virá do STF, mas de Bolsonaro, depois que ele trocar os atuais ministros do Supremo por seus.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247