Quem fará a auditoria na auditoria do BNDES?

"O banco contratou por R$ 48 milhões um escritório de advocacia nos Estados Unidos, que subcontratou um escritório brasileiro, para concluir, num relatório de oito páginas, o óbvio: que não houve corrupção na decisão de investir na JBS. Decisão, por sinal, extremamente lucrativa para o BNDES. E agora: Jair Bolsonaro e Gustavo Montezano, o presidente do banco, responderão por isso?", questiona o jornalista Leonardo Attuch, editor do 247

Gustavo Henrique Moreira Montezano e Jair Bolsonaro
Gustavo Henrique Moreira Montezano e Jair Bolsonaro (Foto: Reuters | Marcos Corrêa/PR)

É preciso abrir a caixa-preta do BNDES. Não aquela imaginada por Jair Bolsonaro, mas sim a da atual gestão do banco de fomento, que, sob o comando de Gustavo Montezano, contratou, por nada menos que R$ 48 milhões, um escritório de advocacia nos Estados Unidos para realizar um trabalho absolutamente inútil: investigar corrupção nos negócios realizados com a JBS (aquela empresa que, supostamente, seria do Lulinha)

O valor foi pago a um escritório estrangeiro, o Cleary Gottlieb Steen & Hamilton LLP, que, por não entender absolutamente nada do assunto, subcontratou outro brasileiro, o Levy & Salomão. Ou seja: só por essa intermediação nos Estados Unidos o negócio já seria suspeito. O mais impressionante é que o trabalho teve apenas oito páginas, ou seja, custou R$ 6 milhões por cada lauda produzida. Como diria o ex-presidente Lula, "nunca antes na história do País", tanto dinheiro foi gasto por tão pouco.

O trabalho era inútil porque qualquer pessoa minimamente informada saberia que os investimentos do BNDES na JBS estiveram entre os melhores negócios já realizados pelo banco. O banco investiu R$ 8 bilhões por uma participação acionária que hoje vale mais de R$ 14 bilhões. E antes mesmo de Montezano ter sido colocado no banco, outros dois presidentes, Paulo Rabello de Castro, no governo Temer, e Joaquim Levy, sob Bolsonaro, já haviam atestado que não havia caixa-preta. Muito pelo contrário.

No entanto, Montezano contratou o escritório internacional para tentar atender ao desejo de mistificação do chefe Bolsonaro, que ataca o BNDES justamente porque seu projeto econômico visa destruir todos os instrumentos que podem vir a ser utilizados para um política de desenvolvimento nacional. O resultado foi um monumental desperdício de dinheiro público, que agora coloca o Brasil diante da seguinte questão: quem vai realizar a auditoria da auditoria no BNDES? Quem vai abrir essa verdadeira caixa-preta?

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247