Quem são os “filhos pródigos” do Brasil

A parábola parece ter se tornado realidade no Brasil, só que superabundou quanto aos filhos pródigos, eles se multiplicaram

A parábola parece ter se tornado realidade no Brasil, só que superabundou quanto aos filhos pródigos, eles se multiplicaram
A parábola parece ter se tornado realidade no Brasil, só que superabundou quanto aos filhos pródigos, eles se multiplicaram (Foto: Fátima Miranda)

O Filho Pródigo é talvez, a mais conhecida das parábolas de Jesus. Essa parábola narra a história de um filho que tinha tudo, nada lhe faltava, mas não estava contente com a vida que levava. Queria sua parte na herança do pai para sair no mundo, esbanjar, viver a vida que ele nunca tivera, a vida segundo suas fantasias, vida incerta, que em seus devaneios imaginava ser bem melhor do que aquela vida prática e comprovadamente confortável e suficiente que tinha.

 

"Um homem tinha dois filhos".

O mais novo disse ao seu pai: ‘Pai, quero a minha parte da herança’. Assim, ele repartiu sua propriedade entre eles. "Não muito tempo depois, o filho mais novo reuniu tudo o que tinha, e foi para uma região distante; e lá desperdiçou os seus bens vivendo irresponsavelmente. Depois de ter gasto tudo, houve uma grande fome em toda aquela região, e ele começou a passar necessidade. Por isso foi empregar-se com um dos cidadãos daquela região, que o mandou para o seu campo a fim de cuidar de porcos. Ele desejava encher o estômago com as vagens de alfarrobeira que os porcos comiam, mas ninguém lhe dava nada. "Caindo em si, ele disse: ‘Quantos empregados de meu pai têm comida de sobra, e eu aqui, morrendo de fome! Eu me porei a caminho e voltarei para meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados’. A seguir, levantou-se e foi para seu pai. "Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou. "O filho lhe disse: ‘Pai, pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filho’. "Mas o pai disse aos seus servos: ‘Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Coloquem um anel em seu dedo e calçados em seus pés. Tragam o novilho gordo e matem-no. Vamos fazer uma festa e comemorar. Pois este meu filho estava morto e voltou à vida; estava perdido e foi achado’. E começaram a festejar. Lucas 15:11-24

 

A parábola parece ter se tornado realidade no Brasil, só que superabundou quanto aos filhos pródigos, eles se multiplicaram.

É inconcebível para qualquer indivíduo em posse da razão, querer voltar a um tempo no Brasil em que a fome matava 300 crianças por dia, tempo esse, do governo Fernando Henrique Cardoso, tucano do PSDB, tempo também em que haviam pessoas que comiam e viviam muito bem, porém, sequer queriam saber da massa pobre e faminta, a final, desde que o mundo é mundo, sempre foi assim, uns poucos tem muito e muitos nada tem. O egocentrismo e a gana pelo status de ser o maior e o melhor, a ausência de humanidade. Egoísmo desenfreado.

Ainda em 2001, a Rede Globo noticiou esse fato triste, conforme você pode assistir no vídeo da reportagem abaixo, se segure para não chorar, vai doer. VEJA O VÍDEO:


Existem pessoas que fazem parte dessa triste e verídica história da fome e miséria, que conseguiram sobrevivê-la após um governo que se preocupou com o social, desenvolveu e implantou projetos de combate a fome e a miséria, mudou a realidade do país gerando emprego e renda, possibilitando ao pobre a oportunidade de usufruir de uma vida melhor, que se esqueceram da sua própria história, da história de seus familiares e quererem experimentá-la, afinal, não sentiram na pele, não sabem como é passar fome – Isso é mais inconcebível ainda!

Lembro-me do tempo “bate, torce, sacode e veste” era assim que de forma sarcástica faziam piada da sua própria miséria; era lastimável, pessoas que não tinham nem mesmo roupas para vestir ou calçados para calçar. Alguns tinham apenas uma roupinha melhor que era também chamada de “domingueira”; as pessoas não trocavam tanto de roupas e sapatos como agora, não podiam optar pelo alimento que queriam comer, não usufruía das novidades tecnológicas, não tinham automóveis, não faziam faculdades, o “andar de cima” e o “andar de baixo” era claríssimo, eram ricos e pobres, ser de classe média era um privilégio para poucos. Quem não lembra desse capítulo da nossa história?

Pasmem leitores, por falta de emprego, anúncio de vaga para gari atraia até universitários concorrendo pela vaga. Mais de 130 mil disputam vaga de gari no Rio. VEJA O VÍDEO:

Concurso De Gari Atrai 15 Mil PM Teve De Usar Bombas De Efeito Moral Para Organizar Fila No Sambódromo

Depois do governo Lula essa triste realidade mudou. O pobre, aos poucos foi começando a experimentar o que outrora era apenas um sonho impossível de se realizar. Programas sociais passaram a ser imprimidos e praticados, créditos foram abertos, novos empregos, novas formas de geração de renda, mais investimento e oportunidade na educação, enfim, o pobre deixava aquele estigma de miserável para trás e adentrava a um mundo novo, uma realidade nova, onde podia experimentar de privilégios que antes somente os ricos e os de classe média experimentara. A transformação social era visível a olhos nus. 

Mas uma coisa muito importante não foi resolvida: o complexo de vira-lata! Mesmo com toda evolução e crescimento, todas as mudanças para melhor, muitos ainda viam o outro e aspirava ser o outro. A Europa e EUA ainda era o céu de muitos. Continuavam a falar mal do Brasil, nada estava bom, “somos um país de terceiro mundo”, os americanos e europeus são “melhores”!

Passaram-se doze anos e começaram a surgir os filhos pródigos do Brasil. De barriga cheia, totalmente salvos e protegidos da era e forma FHC de governar, onde a fome e a miséria era o que mais abundava, começam a cuspirem no prato em que comeram, desprezarem os governos que lhes deram alguma dignidade social, pedem a cabeça daquele que desbravou a “libertação” do Brasil das “teias” da dívida externa e o emancipou aos olhos do mundo; aquele que foi o único a demonstrar uma preocupação prática com as camadas mais pobres e necessitadas, possibilitando às mesmas a inserção na prática da cidadania, e vão às ruas vestidos de verde amarelo, camisas da CBF, panelas e gritos de “Fora Dilma”, “Fora PT”!

Como o filho pródigo da parábola, estavam cheios da certeza de que tinham o suficiente, apesar de que havia muito por melhorar ainda. Queriam agora experimentar o imaginário, o incerto, o fantasioso. Queriam trocar o que deu certo pelo que sempre deu errado, enfim, queriam experimentar o que ainda não haviam experimentado.

Foram atraídos pela neurolinguística da Globo e assemelhados, a Globo pediu para que eles repetissem várias vezes: “Branco, branco, branco... e depois pergunta: A vaca bebe? E eles respondem: Leite!!”

Foram induzidos a atacar o único partido que através de seus governos, transformou este país em um país minimamente respeitável; a expulsá-lo, a incriminá-lo, a crucificá-lo, a atribuir a ele a culpa pela centenária corrupção, a ficarem cegos para o que estava por detrás de tudo isso e a destituir do poder uma presidenta legitimamente eleita pelo voto direto de mais de cinquenta e quatro milhões de brasileiros, colocando em seu lugar um traidor da nação, entreguista do Brasil, uma quadrilha, que estava tão somente assustada com a operação Lava Jato e preocupada em “estancar a sangria” ou seja, protegerem a si mesmos, uma vez que chafurdados estão na lama da corrupção.

Muito bem, os “porcos” tiveram acesso e liberdade total aos "cochos" da "ração pública" e fazem dela o que bem querem agora, deixando o povo a ver navios, quebrando empresas, promovendo o desemprego, destruindo direitos, desmontando o Estado levando ao mínimo, levando o Brasil à precariedade do retrocessos sem precedentes.

Enfim, uma vez que os filhos pródigos do Brasil começaram a se dar conta de que esbanjou com as “prostitutas” toda a sua “herança” e agora comem “alfarrobeiras”, sentem saudades da “casa do pai” do tempo dos governos PTistas, aqueles em que por mais difíceis que fossem, não retrocedíamos, apenas avançávamos.

Te acusaram Lula, te perseguiram, te chamaram de tudo que não gostariam der serem chamados, te desacataram, ofenderam a tua honra, só uma coisa não fizeram: NÃO PROVARAM as inúmeras acusações caluniosas e carregadas de ódio! Não macularam a tua honra, pois a mesma é limpa!

Volta Lula! As cortinas do engano já caíram por terra, se rasgaram e agora quase todos já sabem que o Brasil precisa de você! O Brasil precisa da sua capacidade de governar, do seu carisma, da sua experiência e prestígio e da sua visão social. O bom filho a casa torna, o Brasil te espera de braços abertos! 

Comparando o Brasil de 2002 ao de 2013, segundo a OMS, a ONU, o Banco Mundial, o IBGE, o Unicef etc...

1. Produto Interno Bruto:

 

2002 – R$ 1,48 trilhões

2013 – R$ 4,84 trilhões

 

2. PIB per capita:

2002 – R$ 7,6 mil

2013 – R$ 24,1 mil

 

3. Dívida líquida do setor público:

2002 – 60% do PIB

2013 – 34% do PIB

 

4. Lucro do BNDES:

 

2002 – R$ 550 milhões

2013 – R$ 8,15 bilhões

 

5. Lucro do Banco do Brasil:

2002 – R$ 2 bilhões

2013 – R$ 15,8 bilhões

 

6. Lucro da Caixa Econômica Federal:

2002 – R$ 1,1 bilhões

2013 – R$ 6,7 bilhões

 

7. Produção de veículos:

2002 – 1,8 milhões

2013 – 3,7 milhões

 

8. Safra Agrícola:

2002 – 97 milhões de toneladas

2013 – 188 milhões de toneladas

 

9. Investimento Estrangeiro Direto:

2002 – 16,6 bilhões de dólares

2013 – 64 bilhões de dólares

 

10. Reservas Internacionais:

2002 – 37 bilhões de dólares

2013 – 375,8 bilhões de dólares

 

11. Índice Bovespa:

2002 – 11.268 pontos

2013 – 51.507 pontos

 

12. Empregos Gerados:

Governo FHC – 627 mil/ano

Governos Lula e Dilma – 1,79 milhões/ano

 

13. Taxa de Desemprego:

2002 – 12,2%

2013 – 5,4%

 

14. Valor de Mercado da Petrobras:

2002 – R$ 15,5 bilhões

2014 – R$ 104,9 bilhões

 

15. Lucro médio da Petrobras:

Governo FHC – R$ 4,2 bilhões/ano

Governos Lula e Dilma – R$ 25,6 bilhões/ano

 

16. Falências Requeridas em Média/ano:

Governo FHC – 25.587

Governos Lula e Dilma – 5.795

 

17. Salário Mínimo:

2002 – R$ 200 (1,42 cestas básicas)

2014 – R$ 724 (2,24 cestas básicas)

 

18. Dívida Externa em Relação às Reservas:

2002 – 557%

2014 – 81%

 

19. Posição entre as Economias do Mundo:

2002 – 13ª

2014 – 7ª

 

20. PROUNI – 1,2 milhões de bolsas

 

21. Salário Mínimo Convertido em Dólares:

2002 – 86,21

2014 – 305,00

 

22. Passagens Aéreas Vendidas:

2002 – 33 milhões

2013 – 100 milhões

 

23. Exportações:

2002 – 60,3 bilhões de dólares

2013 – 242 bilhões de dólares

 

24. Inflação Anual Média:

Governo FHC – 9,1%

Governos Lula e Dilma – 5,8%

 

25. PRONATEC – 6 Milhões de pessoas

 

26. Taxa Selic:

2002 – 18,9%

2012 – 8,5%

 

27. FIES – 1,3 milhões de pessoas com financiamento universitário

 

28. Minha Casa Minha Vida – 1,5 milhões de famílias beneficiadas

 

29. Luz Para Todos – 9,5 milhões de pessoas beneficiadas

 

30. Capacidade Energética:

2001 – 74.800 MW

2013 – 122.900 MW

 

31. Criação de 6.427 creches

 

32. Ciência Sem Fronteiras – 100 mil beneficiados

 

33. Mais Médicos (Aproximadamente 14 mil novos profissionais): 50 milhões de beneficiados

 

34. Brasil Sem Miséria – Retirou 22 milhões da extrema pobreza

 

35. Criação de Universidades Federais:

Governos Lula e Dilma – 18

Governo FHC – zero

 

36. Criação de Escolas Técnicas:

Governos Lula e Dilma – 214

Governo FHC – 0

De 1500 até 1994 – 140

 

37. Desigualdade Social:

Governo FHC – Queda de 2,2%

Governo PT – Queda de 11,4%

 

38. Produtividade:

Governo FHC – Aumento de 0,3%

Governos Lula e Dilma – Aumento de 13,2%

 

39. Taxa de Pobreza:

2002 – 34%

2012 – 15%

 

40. Taxa de Extrema Pobreza:

2003 – 15%

2012 – 5,2%

 

41. Índice de Desenvolvimento Humano:

2000 – 0,669

2005 – 0,699

2012 – 0,730

 

42. Mortalidade Infantil:

2002 – 25,3 em 1000 nascidos vivos

2012 – 12,9 em 1000 nascidos vivos

 

43. Gastos Públicos em Saúde:

2002 – R$ 28 bilhões

2013 – R$ 106 bilhões

 

44. Gastos Públicos em Educação:

2002 – R$ 17 bilhões

2013 – R$ 94 bilhões

 

45. Estudantes no Ensino Superior:

2003 – 583.800

2012 – 1.087.400

 

46. Risco Brasil (IPEA):

2002 – 1.446

2013 – 224

 

47. Operações da Polícia Federal:

Governo FHC – 48

Governo PT – 1.273 (15 mil presos)

 

48. Varas da Justiça Federal:

2003 – 100

2010 – 513

 

49. 38 milhões de pessoas ascenderam à Nova Classe Média (Classe C)

 

50. 42 milhões de pessoas saíram da miséria

 

FONTES:

47/48 – http://www.dpf.gov.br/agencia/estatisticas

39/40 – http://www.washingtonpost.com

42 – OMS, Unicef, Banco Mundial e ONU

37 – índice de GINI: www.ipeadata.gov.br

45 – Ministério da Educação

13 – IBGE

26 – Banco Mundial

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247