Questões estruturais: um programa político para a maioria

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) 2016-2017, divulgada pelo IBGE na última semana, fez um apontamento claro: as questões estruturais a serem solucionadas pelo país seguem sendo a desigualdade, o racismo e o patriarcado

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) 2016-2017, divulgada pelo IBGE na última semana, fez um apontamento claro: as questões estruturais a serem solucionadas pelo país seguem sendo a desigualdade, o racismo e o patriarcado
A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) 2016-2017, divulgada pelo IBGE na última semana, fez um apontamento claro: as questões estruturais a serem solucionadas pelo país seguem sendo a desigualdade, o racismo e o patriarcado (Foto: Debora Medeiros)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) 2016-2017, divulgada pelo IBGE na última semana, fez um apontamento claro: as questões estruturais a serem solucionadas pelo país seguem sendo a desigualdade, o racismo e o patriarcado.
 
Quase a metade da renda domiciliar per capita no país (43,3%) segue concentrada nas mãos dos 10% mais ricos. O 1% da população com rendimentos mais elevados recebia em 2017, em média, 36 vezes mais que os 50% da população com menor rendimento.
 
As mulheres seguem ganhando menos que os homens: seu rendimento médio mensal real, em 2017, era 77,5% do masculino.
 
Da mesma forma, o racismo segue envergonhando o país: as pessoas brancas tinham, em 2017, rendimentos médios mensais 29,2% superiores à média nacional, enquanto pardos e pretos apresentaram rendimentos bastante inferiores (26 e 27%, respectivamente) à média.
 
As prioridades de uma agenda política para a maioria do povo brasileiro, portanto, não se modificaram, apesar da agenda midiática exclusiva e seletivamente  voltada a escândalos de corrupção.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247