Racistas infectantes

www.brasil247.com -
(Foto: Pixabay)


O que fazer diante de um momento de “racismo”? A extrema volúpia que leva um ser humano a sentir-se superior a outro, em função da cor da pele.

Afinal o que somos nós?

Quem somos nós? Um amontoado de células, que foi originado de um coacervado unicelular surgido em um mar primitivo...

Evoluímos?  A senhora que chamou os filhos do ator Bruno Gagliasso de “pretos imundos” não evolui; afinal  sua mente foi forjada pela herança vinda do mercantilismo, sob a tutela da exploração e reinfecção pelo asqueroso racismo. 

 O racismo invasivo e colonialista que se entranhou escandalosamente no sangue de mulheres e homens que se tornaram anômalos e autômatos de um sistema delinquente e soberbo, infectado pela ânsia de poder e pela sanha  maniqueísta.

O racismo tornou-se uma infecção, com milhões de contaminados. Como erradicar este vírus social? Vacinando a população mundial com a vacina da alteridade.  Os direitos humanos e os movimentos sociais  constituem  (apenas) em remédio. E  remediar, nem sempre é curar. A profilaxia também é cura: vide o caso do vírus Sars-Cov 2.

O racismo não é só um fator estrutural grave, ele é patológico. Quem tem a doença precisa da cura; antes que a patologia se torne (também) autoimune. 

#ValReiterjornalismohistórico

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247