Rainha da libertação feminina contra machismo fascista

"Diante da sua poderosa voz, as mulheres se enxergaram, elevaram sua autoestima, muniram-se das armas psicológicas para lutar contra o machismo negacionista que as oprimem e as matam", escreve o colunista César Fonseca sobre a cantora Marília Mendonça. "Certamente, com Maravilha Mendonça, o bolsonarismo tremeu nas bases"

www.brasil247.com - Cantora Marília Mendonça e um ato contra Jair Bolsonaro
Cantora Marília Mendonça e um ato contra Jair Bolsonaro (Foto: Karina Zambrana/Mídia Ninja | Reprodução)


Como sempre, a mídia, dominada pelos clichês capitalistas e comerciais, avessa à  libertação cultural, especialmente, da mulher, busca enganar, sofismar e mentir para alienar. Ela construiu a imagem distorcida de que a grande Marília Mendonça, que Caetano Veloso, numa sacada feliz, genial, chamou de Maravilha Mendonça, foi a Rainha da Sofrência. Nada a ver. Ao contrário, a maravilhosa Marília, tragicamente, desaparecida aos 26 anos em desastre aéreo em Minas Gerais, em Caratinga, foi a Rainha da Libertação Feminina contra o machismo fascista muito em voga em tempos bolsonaristas.

Diante da sua poderosa voz, as mulheres se enxergaram, elevaram sua autoestima, muniram-se das armas psicológicas para lutar contra o machismo negacionista que as oprimem e as matam, como mostram as estatísticas, sem que os poderes públicos reajam à altura para protegê-las como verdadeiras cidadãs, como se não pudessem usufruir dos direitos humanos institucionalmente consagrados na democracia.

A Rainha da Sofrência nunca existiu. Existiu, sim, uma mulher de luta, determinada, que mobilizou com sua arte multidões impressionantes, incalculáveis pelas ruas e praças, primeiro, do Brasil, em seguida pelo mundo afora. E prometida muito mais, conforme denota sua agenda de shows, programados nos Estados Unidos, na Europa e na América Latina. Logo, logo estaria abafando na China, a nova fronteira econômica e política global, contra qual se mobiliza, inutilmente, a potência norte-americana, sem poder suportar seu ritmo avassalador desenvolvimentista etc.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com sua capacidade admirável de sintetizar o sentimento popular feminino, Maravilha Mendonça atiçou nas mulheres espírito de  resistência e libertação; colegas suas cantoras do gênero Sertanejo, que encontrou nela o manifesto revolucionário anti-machista, criaram o movimento político “Feminejo” que espalhou qual fogo no paiol, produzindo entusiasmo, coragem e decisão para colocar os homens no seu devido lugar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A disposição de luta dela se expressou em “As patroas 35”; chegara a hora delas darem as cartas diante dos seus supostos patrões, os reacionários machistas tupiniquins inveterados, incapazes de suportar sua libertação sexual, política e econômica, indispostas a nunca mais levar desaforo para casa, como na música sensacional “Saudade do meu ex”.

Ganhou extraordinária força o brado político-musical de guerra contra o feminicídio dado por Marília, com seu lindo sorriso, solto, extrovertido, típico de quem enxerga e executa a alvorada de uma vida mais feliz, ao mesmo tempo simples, ao tocar nos problemas concretos de sua existência em uma sociedade marcada pela ultraconcentração neoliberal de renda e absurda desigualdade social, fomentadora do machismo inseguro e assassino.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bolsonarismo treme

Certamente, com Maravilha Mendonça, o bolsonarismo tremeu nas bases. Mas, na hora da sua morte, sentindo o peso da sua força de transformação revolucionária, o presidente fascista que envergonha o mundo soltou uma nota fake de lamento pela morte daquela que encabeça o movimento contra o qual não se alinha politicamente, mas, ao contrário, combate encarniçadamente. Sem dúvida, a negação política que representa Bolsonaro buscou  ficar bem diante do fenômeno cultural feminista que sua política anticultural combate.

A nota presidencial de lamento pelo trágico desaparecimento da artista soa mera esperteza oportunista; visou a aparência, não a essência. A aparência foi a de tentar sensibilizar o público sertanejo que domina o Oeste brasileiro, com destaque para Goiás, terra de Maravilha Mendonça, onde está a maioria do eleitorado de Bolsonaro. Na terra do agronegócio, onde reina o bolsonarismo, ancorado no machismo feminicida, Marília foi expressão máxima da luta contra o que Bolsonaro representa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele tentou pegar carona no fenômeno cultural contra o qual ataca, mas o recado da artista revela o oposto bolsonarista. Muito provavelmente, Bolsonaro estará hoje em Goiânia para participar do velório dela, vendendo gato por lebre, visando, apenas, sua campanha eleitoral de 2022. Afinal, acabou de falecer, também, Nelson Freire, um ás mundial do piano clássico, nascido em Minas Gerais, sem que o presidente soltasse uma linha sequer de louvor ao artista genial que se foi, deixando a sensibilidade global em prantos. O mesmo já havia acontecido com João Gilberto, o papa da Bossa Nova, internacionalmente consagrado, sem que ele também reconhecesse o valor da arte nacional expresso no baiano, igualmente, gênio. Claro, sensível às massas, que, invariavelmente, manipula com suas fakenews, Bolsonaro sentiu a barra e a necessidade de soltar longa nota de pesar; pensou que o JN a destacaria, o que não fez, o que, evidentemente, deixou-o, completamente, puto.

Mulher porreta unifica país

O Brasil perde uma grande mulher, porreta, no auge do sucesso e criatividade, fenômeno de massas. A tragédia abala e unifica o povo pela dor do desaparecimento do artista popular. Em 24 de junho de 1935, a Argentina entrou em trauma com a morte, aos 35 anos, de Carlos Gardel, o Rei do Tango, em desastre aéreo nas montanhas de Medellín, Colômbia; em 27 de setembro de 1952, aos 44 anos, era a vez de Francisco Alves, o Rei da Voz, se espatifar num desastre automobilístico, em Pindamonhangaba; e em 2 de março de 1996, o país era sacudido pelas mortes dos Mamonas Assassinas, 9 rapazes na faixa dos 25 anos, representantes do chamado Rock Cômico, desaparecidos na Serra da Cantareira, igualmente, em desastre aéreo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Hoje Goiânia e o Brasil choram e estremecem na despedida do talento de Maravilha Mendonça,  autora de sucessos que entusiasmaram seu fabuloso público, algo como o dos Beatles: “Alô Porteiro”, “Bebaça”, “Amante não tem lar”, “Ciumeira”, “Como faz com ela”, “Estranho”, “Festa das Patroas”, “Infiel”(sensacional), “Esqueça se for capaz”, “Vai embora que ele vem atrás”, “Sem sal”, “Supera”(grito de guerra), “Vira homem”...São mais de 320 gravações, um ritmo semelhante ao de Noel Rosa, Chico e poucos outros.

Promessa precoce que se cumpriu em matéria de arte popular, Maravilha Mendonça tocou no nervo solto da agressividade machista nacional contra a mulher que ela cantou mobilizando milhões. Pode se dizer que a luta feminina tem um marco: antes e depois de Marilia, na era da internet e das redes sociais. A política tenta se apropriar dela: presidente da República, presidente do Senado, da Câmara, do Tribunal Superior Eleitoral se pontificaram no Jornal Nacional. Pela sua luta em favor do feminismo contra o machismo, Maravilha Mendonça se alinha à vanguarda que a esquerda, historicamente, representa contra a direita, que tem caso histórico de repulsão à liberdade da mulher na luta pelos direitos humanos.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email