Raquel Dodge faz apelo pela democracia que ajudou a matar

O colunista Jeferson Miola afirma que "o discurso de Raquel Dodge na última sessão do STF em que ela participou como Procuradora-Geral da República seria comovente, se fosse honesto". Ele emenda: "mas seu discurso foi, ao contrário disso, a mais alta expressão da hipocrisia que reina nos estamentos jurídicos."

Dodge: o golpe veste beca e tem olhos azuis
Dodge: o golpe veste beca e tem olhos azuis (Foto: José Cruz - ABR)

O discurso de Raquel Dodge na última sessão do STF em que ela participou como Procuradora-Geral da República seria comovente, se fosse honesto.

Mas seu discurso foi, ao contrário disso, a mais alta expressão da hipocrisia que reina nos estamentos jurídicos.

A preocupação com a democracia não combina com alguém como ela, uma violadora contumaz da Constituição e do Estado de Direito.

É ridículo agora ouvir Raquel Dodge se dizer preocupada com a democracia.

À frente da PGR, Raquel foi uma alavanca do avanço fascista e do projeto da extrema-direita.

Ela arquivou inquéritos do Aécio e de políticos do PSDB e MDB; engavetou inquérito de João Nardes, o inventor da farsa das pedaladas fiscais comprada pelo PSDB para o impeachment fraudulento da Dilma; acobertou crimes do Temer, do Bolsonaro e dos seus bandos; facilitou a vida de Flávio Bolsonaro e do Fabrício Queiroz; foi conivente com o atentado terrorista perpetrado por Sérgio Moro contra a ordem política e social e foi cúmplice dos bandidos da força-tarefa da Lava Jato que jogaram o país no precipício.

Em relação ao habeas corpus do ex-presidente Lula, que seria uma oportunidade singular para ela demonstrar seu efetivo apreço e compromisso com as garantias individuais e constitucionais, com o Estado de Direito e com os valores democráticos, Raquel Dodge não deixou dúvidas: se abraçou ao arbítrio e assassinou a democracia.

Até semanas atrás, a chefe da PGR que bajulava e adulava Bolsonaro na expectativa de ser reconduzida ao cargo desconhecia o significado de decência, probidade, legalidade, dignidade e democracia.

Sua súbita conversão à democracia só surgiu agora, no momento em que se despede  melancolicamente do cargo pelo qual rastejou como um traste sem a mínima moral e sem nenhuma ética.

Raquel Dodge fica deplorável e ainda mais patética fazendo apelo pela democracia que ajudou a matar.

Nesse papel, aliás, ela entra como numa luva na expressão iídiche chutzpah, que significa ousadia descarada; o equivalente à psicopata que, depois de assassinar o pai e a mãe, pede clemência ao juiz por ser órfã.

 

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247