Reaja, Brasil: Petrobras está sendo usurpada à luz do dia

Depois de a Petrobras fazer a descoberta, investir US$ bilhões em novas tecnologias, tudo vai ser entregue para as petroleiras estrangeiras. Quem é brasileiro, digo brasileiro mesmo, não pode concordar com isto

Funcionário pinta tanque da Petrobras em Brasília, no Brasil 30/09/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino/File Photo
Funcionário pinta tanque da Petrobras em Brasília, no Brasil 30/09/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino/File Photo (Foto: Cláudio da Costa Oliveira)
Siga o Brasil 247 no Google News

Julian Assange, fundador do Wikileaks, em entrevista ao jornalista Fernando Morais, do Nocaute, em 27 de dezembro de 2016, informou:

“Uma maneira de trocar favores com os Estados Unidos, é facilitar à Chevron e à Exxon o acesso à parte desse petróleo (pré-sal). Nas mensagens vasadas por Wikileaks, aparece o desejo constante das petroleiras americanas de ter o mesmo acesso que a Petrobras tem”.

O forte interesse das empresas americanas nós já conhecíamos, inclusive pelo vazamento das conversas de José Serra, que prometia entregar o pré-sal para os americanos, caso fosse eleito presidente em 2010.

As petroleiras americanas não queriam a mudança no marco de exploração do petróleo no pré-sal (de concessão para partilha), que o governo aprovou no Congresso em 2010, e uma delas ouviu do então pré-candidato favorito à Presidência, José Serra (PSDB),  a promessa de que a regra seria alterada caso ele vencesse.

PUBLICIDADE

Em telegrama diplomático dos EUA de dezembro de 2009, obtido por Wikileaks, aparece José Serra conversando com Patrícia Padral, diretora de desenvolvimento de Negócios e Relações com o Governo da petroleira norte-americana Chevron, onde ele diz:

“Deixa esses caras (do PT) fazerem o que eles quiserem. As rodadas de negociações não vão acontecer, e aí nós vamos mostrar a todos que o modelo antigo funcionava. E nós mudaremos de volta”. 

Como sabemos, José Serra não se elegeu, e em 21 de outubro de 2013, foi realizada a primeira rodada de negociação no Brasil sob o regime de partilha, sendo que a única área ofertada foi a de Libra, no pré-sal da bacia de Santos. Na época a estimativa era de que Libra na sua capacidade máxima, poderia produzir 1,4 milhões de barris de petróleo por dia.

PUBLICIDADE

As petroleiras americanas boicotaram e não participaram da licitação, diz-se que acreditando que não apareceriam interessados, mas não foi o que aconteceu.

Um consórcio formado por cinco das maiores empresas do planeta, arrematou o negócio. A Petrobras com 40%, as chinesas CNPC e CNOOC com 10% cada, a anglo-holandesa Shell com 20%, e a francesa Total também com 20%.

A frustação das petroleiras americanas (e de José Serra ) foi enorme.

PUBLICIDADE

O mundo gira e as coisas mudam. A Petrobras investiu pesadamente no pré-sal, desenvolvendo novas tecnologias e os resultados logo apareceram.

A Offshore Technology Conference (OTC) é o maior evento de negócios do mundo na área de produção offshore de óleo e gas. O OTC “Distinguished Achievement Award  for Companies, Organizations and Institutions” é o maior reconhecimento tecnológico que uma empresa de petróleo pode receber como operadora offshore.

Em 2015 a Petrobras recebeu o premio OTC  “Pelo conjunto de tecnologias desenvolvidos para produção na camada do pré-sal. 

PUBLICIDADE

O mundo gira e as coisas mudam. Em 2014 José Serra ( PSDB) foi eleito senador pelo Estado de São Paulo. Em 2015 José Serra  apresentou o Projeto de Lei 131, retirando a obrigatoriedade de participação da Petrobras em todos os leilões do pre-sal. O PL foi aprovado em 2016.

Com o golpe parlamentar e a nomeação de Michel Temer como presidente, José Serra passou a defender com unhas e dentes, contra a opinião de muitos de seus companheiros, a participação do PSDB no novo governo.

A estratégia funcionou e José Serra foi nomeado Ministro de Relações Exteriores e ainda emplacou Pedro Parente, ex-ministro de FHC, como presidente da Petrobras.

O circo estava montado. Parente foi nomeado presidente da Petrobras com plenos poderes e total independência, inclusive (coisa inusitada) para estabelecer os preços dos combustíveis no país. O objetivo claro é acabar com a Petrobras, sem o conhecimento, e muito menos o consentimento o povo brasileiro, verdadeiro proprietário da estatal.

Temer, Serra e Parente, não são brasileiros. São colonizadores que só pensam em explorar o país e seu povo. Isto é muito claro. Eles não pensam no desenvolvimento do Brasil, pelo contrário, querem entregar tudo para o capital estrangeiro, o mais rapidamente possível, pois nem eles mesmos sabem até quando este governo ilegítimo vai durar.

Parente criou um plano de negócios para a Petrobras (PNG 2017/2021), que coloca a empresa em rota de auto destruição. O principal objetivo do plano é o atingimento de um índice de alavancagem de 2.5, que não tem nenhum sentido é um absurdo. Repito, não tem nenhum sentido é um absurdo.

O índice é obtido pela divisão da divida pela geração de caixa. Estre indicador só é válido quando os projetos de investimentos da empresa já maturaram e estão em plena geração de receitas e caixa. Nâo é o caso do pré-sal cuja maturação dos projetos leva mais de 10 anos. Por exemplo, o campo de Libra leiloado em 2013 só deve iniciar a produção em 2020. Não sei quando vai atingir plena produção.

Com a justificativa de que precisa atingir o índice de alavancagem de 2,5 (um absurdo) Parente está vendendo ativos valiosos a toque de caixa, sem licitação, sem divulgação, em negociações diretas, totalmente fora da lei.

O TCU mandou paralisar as vendas depois que técnicos do órgão detectaram as falcatruas. Mas o TCU é confiável?

Com a justificativa de que precisa atingir o índice de alavancagem de 2,5 (um absurdo) o plano de negócios não prevê recursos para a Petrobras participar dos leilões do pré-sal. Ou seja, depois de a Petrobras fazer a descoberta, investir US$ bilhões em novas tecnologias, tudo vai ser entregue para as petroleiras estrangeiras.

Quem é brasileiro, digo brasileiro mesmo, não pode concordar com isto.

Mas Parente não parou por aí. Passou a atacar as regras de conteúdo local, dentro de seu plano de entregar tudo para o capital estrangeiro. Em artigo publicado na Folha de São Paulo, no início deste mês de fevereiro (01/02), mostrou suas intenções ao dizer:

“Ideologias, quando levadas ao extremo, tornam as pessoas impermeáveis a argumentos e fatos. Discutir a origem do capital investido no Brasil é um exemplo. Superada pela Constituição que não faz distinção entre capital nacional e estrangeiro, estra discussão tem pouca utilidade na vida real”

A meu ver um comentário deste tipo só pode partir de um colonizador. De um não brasileiro. E podem crer que eu não sou xenófobo. O bom capital, que vem para o desenvolvimento do país deve ser sempre bem vindo. 

O engenheiro Alberto Machado Neto, diretor da Associação Brasileira da Indústria de Maquinas e Equipamentos (ABIMAC), em publicação feita no site do Clube de Engenharia, mostrou os problemas que sofrem as empresas brasileiras nos fornecimentos para a Petrobras:

“A começar pela dupla personalidade da Petrobras na hora de fiscalizar as obras que contrata no Brasil e as que contrata no exterior. No Brasil as empresas precisam construir extensas instalações para dezenas de fiscais da estatal, com critérios de padronização das salas a serem oferecidas aos funcionários, como detalhes específicos para localização das lixeiras, distâncias entre janelas e portas, número de cadeiras e uma infinidade de exigências de QSMS (Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde) que precisam ser somados aos custos. Já no exterior, como em alguns projetos de grande porte enviados para a China, a companhia manda pouquíssimos fiscais para trabalhos do mesmo nível de complexidade, demandando estruturas muito mais enxutas e sem o mesmo rigor de padronização.

Um dos resultados disso é uma atuação esquizofrênica, já ocorrida em alguns casos nesses últimos anos, em que plataformas vem da Ásia, com diversos problemas a serem consertados. As empresas brasileiras com histórico de sucesso, em termos de preço, prazo e qualidade – que são muitas – acabam chamadas para socorrer a Petrobras, revisando e refazendo o que ficou mal feito.

O presidente da Petrobras (Pedro Parente) em alguns momentos usou a licitação da plataforma de Libra como exemplo negativo do que seria a indústria brasileira. Alegou um sobrepreço de 40% para se construir no Brasil. Seria um escárnio defender que a empresa pagasse esse valor a mais para fazer obras no seu próprio quintal. O problema é que os dados que embasam essa afirmação de Parente nunca foram detalhadas para o público e para o mercado nacional, que está ávido por oportunidades e tem se mostrado cada vez mais competitivo, com muitas empresas exportando para outros países – tanto estrangeiras a partir de instalações brasileiras, quanto companhias nacionais que conquistaram espaço no cenário internacional. Mais de uma vez foi feito um convite para que o executivo abrisse esses números e permitisse à indústria avalia-los. Se sua crença é em argumentos, porque não permitir ao mercado nacional que dê os seus próprios. Nessa discussão sem diálogo e abertura, não há avanço. Vira ranço ideológico”

Já escrevi diversos artigos sobre as mentiras de Pedro Parente. Esta dos 40% é apenas mais uma. Ele não pode detalhar os dados pois sabe que estava mentindo.

Em reunião na última quinta-feira (16/02), no anexo IV da Câmara dos Deputados em Brasília, com a presença de deputados ligados à Frente Parlamentar em Defesa da Engenharia e da Indústria, o Presidente do Clube de Engenharia, Pedro Celestino falou:

“A indústria, mesmo aqueles setores que apoiaram o impeachment, despertou para a gravidade do desmonte que está ocorrendo no país e começou a ir atrás do prejuízo “ (...) “Estão querendo trocar um modelo bem sucedido, inspirado pela Noruega, por desastre econômico e social, cujo símbolo entre os estudiosos é a Nigéria”.

O mundo gira e as coisas mudam. Quem iria imaginar que Donald Trump seria eleito presidente dos Estados Unidos? Mas a troca de comando na Casa Branca não mudou o apetite americano pelo pré-sal brasileiro.

Trump nomeou como seu Secretário de Estado Rex Tillerson, que já foi presidente da Exxon. Tillerson não perdeu tempo, e já agendou uma visita ao chanceler José Serra, que terá como tema principal, a abertura do pré-sal a empresas estrangeiras.

Aqui cabe uma pergunta: quem vai nos salvar?

Tudo isto lembra D. João VI que em 29 de janeiro de 1808, através de um decreto (carta régia) promoveu a “Abertura dos portos brasileiros aos povos amigos de Portugal”.

Os ingleses agradeceram e tomaram conta do mercado brasileiro, impedindo o crescimento da indústria local. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email