Redistribuição de renda não é suficiente, diz PNUD 2019

Para combater as desigualdades que estão surgindo não basta dobrar a aposta no que tem sido tentado até agora. A redistribuição de renda, que é de extrema importância não será suficiente para equilibrar as desigualdades

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

“A onda de manifestações que varre os países é um sinal claro de que, mesmo com todoo nosso progresso, algo em nossa sociedade globalizada não está funcionando.”

Diferentes gatilhos estão levando as pessoas às ruas: o custo de uma passagem de trem,o preço da gasolina, as demandas políticas por independência.

Um fio de conexão, no entanto, é uma profunda e crescente frustração comdesigualdades”, diz Achim Steiner, administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

Embora foquemos mais frequentemente na desigualdade material “alimentada e medidapela noção de que ganhar dinheiro é a coisa mais importante na vida”, o poder ocupa o lugar de protagonista: “o poder de poucos; a impotência de muitos; e poder coletivo do povo para exigir mudanças”, reforça Steiner. “A mudança climática, a desigualdade de gênero e os conflitos violentos continuam a criar e fortalecer novas desigualdades.”

Consideremos duas crianças nascidas no ano 2000, uma em um país de alto e outra emum país de baixo desenvolvimento humano. A primeira tem 55% de chance de cursar uma universidade, a segunda tem 17% de chance de estar morta antes dos 20 anos. A chance da primeira morrer é 1% e a da segunda chegar à universidade é 3%, afirma o Relatório de Desenvolvimento Humano de 2019:

“As circunstâncias, quase inteiramente fora de seu controle, já as colocaram em caminhosdiferentes e desiguais - e provavelmente irreversíveis. As desigualdades também são altas dentro dos países - tanto desenvolvidos quanto em desenvolvimento. Em alguns países desenvolvidos, a expectativa de vida após os 40 anos entre o 1% superior da distribuição de renda e o 1% inferior foi estimada em 15 anos para homens e 10 anos para presságio.”

O relatório aponta cinco mensagens chave.

A primeira reflete a constatação de que o progresso tecnológico tem passado ao largo decontingentes das pessoas mais desassistidas e em condições de maior privação: “Primeiro, ao mesmo tempo em que muitas pessoas estão subindo dos níveis mínimos de conquistas em desenvolvimento humano, ainda existem grandes disparidades.”

A crise climática e a rápida mudança tecnológica está engendrando novos modos dedesigualdade, especialmente, desigualdades de capacidades: “Segundo, está surgindo uma nova geração de graves desigualdades no desenvolvimento humano, mesmo que muitas das desigualdades não resolvidas do século XX estejam em declínio. Sob a sombra da crise climática e das amplas mudanças tecnológicas, as desigualdades no desenvolvimento humano estão assumindo novas formas no século XXI.”

Fatores enraizados nas sociedades, nas suas estruturas econômicas e políticas,reproduzem desigualdades. Esses são os fatores que devem ser atacados, já que as desigualdades começam ao nascer e se acumulam ao longo da vida: “Terceiro, as  desigualdades no desenvolvimento humano podem acumular-se ao longo da vida, frequentemente aumentadas por profundos desequilíbrios de poder.”

Alguns trabalhos inovativos têm revelado que a riqueza e a renda têm se acumulado notopo da pirâmide com maior velocidade e de forma difícil de se captar pelas medições atuais: “Quarto, para avaliar as desigualdades em desenvolvimento humano é necessária uma revolução em suas medidas.”

Para combater as desigualdades que estão surgindo não basta dobrar a aposta no que tem sido tentado até agora. A redistribuição de renda, que é de extrema importância não será suficiente para equilibrar as desigualdades de capacidades que estão emergindo: “Quinto, é possível corrigir as desigualdades no desenvolvimento humano no século XXI - se agirmos agora, antes que os desequilíbrios no poder econômico se transformem em um domínio político arraigado.”

“O futuro das desigualdades no desenvolvimento humano no século XXI está em nossasmãos. Mas não podemos ser complacentes. A crise climática mostra que o preço da inação se acelera com o tempo, à medida que alimenta mais desigualdade, o que por sua vez pode dificultar a ação para conter a mudança climática. A tecnologia já está mudando o mercado de trabalho e a vida, mas ainda não está dado até que ponto as máquinas podem substituir as pessoas. Estamos, no entanto, nos aproximando de um precipício além do qual será difícil recuperar. Nós temos uma escolha, e devemos exercitá-la agora,” conclui a apresentação do relatório.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247