CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Altamiro Borges avatar

Altamiro Borges

Altamiro Borges é responsável pelo Blog do Miro - Uma trincheira na luta contra a ditadura midiática

519 artigos

blog

Refinaria privatizada vende gás mais caro

Duas pesquisas recentes confirmaram os prejuízos e riscos causados pela privatização de setores da economia

gas de cozinha (Foto: Reuters/Caetano Barreira)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Duas pesquisas recentes confirmaram os prejuízos e riscos causados pela privatização de setores da economia. Infelizmente, elas não tiveram qualquer repercussão na mídia privatista e neoliberal. Não foram capa dos jornalões e revistonas e nem destaque nos telejornais e nas rádios. Os tais “analistas de mercado” das TVs – que mais se parecem como porta-vozes das corporações capitalistas – abafaram totalmente os levantamentos.

Estudo do Observatório Social do Petróleo divulgado nesta semana demonstrou que a Refinaria da Amazônia (Ream), privatizada em dezembro de 2022 – nos estertores do covil de Jair Bolsonaro – hoje pratica o preço mais alto do país na venda do botijão de gás de 13 kg. Ele custa R$ 54, enquanto nas unidades da Petrobras o vasilhame sai por R$ 31. A diferença atual é a maior desde que a refinaria foi desestatizada.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Segundo a pesquisa, entre 1º de julho e 18 de outubro o preço do botijão da Ream ultrapassava em 44% o da Petrobras e já registrava diferença recorde. No dia 19 de outubro, a refinaria amazonense aumentou em 19% o preço do gás de cozinha, ampliando ainda mais sua margem de lucro. Os dados mostram ainda que a Ream foi responsável por 24% da oferta de GLP no Norte do país em 2023 e a Petrobras por 75,8%.

Outras unidades privatizadas por governos neoliberais também cobram mais caro do que a estatal. A Refinaria de Mataripe, na Bahia, vende o vasilhame de GLP a R$ 39,14. Já a Refinaria Potiguar Clara Camarão (RPCC), no Rio Grande do Norte, vende a R$ 43. Como aponta o economista Eric Gil Dantas, do Observatório e do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (Ibeps), de todas as refinarias da Petrobras que foram privatizadas, a venda da Ream foi a mais trágica para a população local.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

“Todos os produtos hoje vendidos por ela são mais caros do que os da concorrência e até do Preço de Paridade de Importação, o PPI. Isso contrasta com o período anterior à privatização, quando os preços dessa refinaria eram inferiores aos das outras unidades da Petrobras. Atualmente, vemos uma diferença exagerada no preço do GLP. Como o botijão pode ser 72% mais caro? É difícil encontrar uma justificativa”, alerta o economista.

Outra pesquisa foi relembrada pela Folha nesta quinta-feira (2), Dia de Finados. Publicada em setembro último, ela mostrou a reprovação dos paulistanos à concessão dos cemitérios e crematórios ao setor privado. Segundo o Datafolha, somente 9% dos entrevistados perceberam melhorias nos serviços, enquanto 32% criticaram a privatização – 26% garantiram que nada mudou e 33% disseram que não tinham opinião formada. O efeito mais sentido da privatização, iniciada em março deste ano, foi o aumento dos preços dos serviços funerários.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Mesmo assim, a Folha privatista – que está em plena campanha pela venda da estratégica companhia de água e esgoto de São Paulo, a Sabesp – preferiu elogiar a iniciativa do prefeito da capital, o lobista Ricardo Nunes (MDB). Em editorial, o jornalão decadente insistiu que “a concessão pode melhorar o serviço” e voltou a atacar as estatais: “O Estado brasileiro não tem um bom histórico como administrador, e monopólios não costumam promover a qualidade nos serviços. A privatização, portanto, tem potencial para revelar-se uma boa solução”.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO