Reinaldo Azevedo, o arrependido

Reinaldo virou a direita arrependida. Num contexto de endurecimento do fascismo no Brasil, é importante que ele exista. O homem que criou o termo "petralha" hoje aponta a saída mais sadia para os escândalos de corrupção: o devido processo penal, sem abusos de juízes ou de promotores que querem julgar sem os direitos à defesa


Reinaldo virou a direita arrependida. Num contexto de endurecimento do fascismo no Brasil, é importante que ele exista. O homem que criou o termo "petralha" hoje aponta a saída mais sadia para os escândalos de corrupção: o devido processo penal, sem abusos de juízes ou de promotores que querem julgar sem os direitos à defesa
Reinaldo virou a direita arrependida. Num contexto de endurecimento do fascismo no Brasil, é importante que ele exista. O homem que criou o termo "petralha" hoje aponta a saída mais sadia para os escândalos de corrupção: o devido processo penal, sem abusos de juízes ou de promotores que querem julgar sem os direitos à defesa (Foto: Pedro Zambarda)

Nos últimos tempos tenho pensado muito no Reinaldo Azevedo e suas posturas. Em 2008 ele tinha o maior blog político do Brasil e atacava dois colossos chamados Lula e PT. O ex-presidente caminhava para o seu ápice político no segundo mandato, vencendo as denúncias do Mensalão e saindo do governo com mais de 80% de aprovação.

Reinaldão instituiu o ódio de direita naquele período. Tratou de apelidar os defensores de Lula de "petralhas" e deu base para movimentos como o MBL. Defendeu Sérgio Moro e a Lava Jato. RA alcançou voos que Diogo Mainardi, seu real modelo, só conseguiria no blog O Antagonista.

Depois dos grampos de uma conversa privada dele com Andrea Neves terem sido vazados maldosamente por Rodrigo Janot dentro da Lava Jato, Reinaldo parece ter caído em si e trocou seus padrões (e patrões). Os atropelos jurídicos que botaram Lula atrás das grades e ameaçam o PSDB passaram a ser seu alvo primordial. Como se os seus textos tivessem sido imaginados por Gilmar Mendes, Reinaldão passou a defender o governo Michel Temer muito mais do que fez por José Serra, por Aécio Neves ou pelo PSDB no passado.

E, exceto pelos ímpetos de grosseria, há sim uma validade no que Reinaldo Azevedo fala - o suficiente pra hoje ser repercutido até na esquerda. Num contexto de desmoralização completa das instituições e a ascensão de discursos extremistas como o de Bolsonaro, ele defende o Estado Democrático de Direito. Ou seja, a Justiça e o devido processo penal, que não deveria prender antes de julgados os recursos, vale dizer.

Reinaldo virou a direita arrependida. Num contexto de endurecimento do fascismo no Brasil, é importante que ele exista.

O homem que criou o termo "petralha" hoje aponta a saída mais sadia para os escândalos de corrupção: o devido processo penal, sem abusos de juízes ou de promotores que querem julgar sem os direitos à defesa. No regime de exceção que tivemos em 64, uma das primeiras coisas que a direita fez com apoio dos generais foi anular essas prerrogativas. Reinaldão parece estar arrependido de ir neste caminho, como Carlos Lacerda se arrependeu naquele tempo.

Se eu fosse ele, também me arrependeria de ter criado essa corja bolsonarista.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247