Renovação senil

Os jovens devem participar diretamente das transformações da sociedade a qual pertencem. Sem querer generalizar, infelizmente, no Brasil não tem sido assim

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

“O tempo vence toda a ilusão.” (Aldir Blanc)

Em um país onde realmente se tem um projeto de futuro, uma das prioridades é a preocupação com o destino da juventude. Acredita-se que sem a participação dela, torna-se difícil vislumbrar dias melhores e consequentemente a possibilidade de renovação na maneira de pensar e praticar a política partidária. Os jovens devem participar diretamente das transformações da sociedade a qual pertencem. Sem querer generalizar, infelizmente, no Brasil não tem sido assim.

Fruto de um desgaste que as chamadas raposas da política estão sofrendo em cada pleito, uma das formas de tentar ludibriar o eleitor é o discurso da renovação e para isso procuram nos laboratórios partidários, ou na prole, figuras joviais. Acontece que a renovação da política, não é feita a partir da data de nascimento dos candidatos e sim de suas ideias. Há jovens que representam o atraso e a manutenção das velhas oligarquias que nunca foram extirpadas da política nacional. São representantes dos clãs e não do povo.

O candidato (a) é verdadeiramente jovem, quando apresenta ideias exequíveis dentro da realidade de uma sociedade e para tanto, não precisa ajustar o discurso e a indumentária com o intuito exclusivamente de aparentar algo que não é.

Existem candidatos que embora possuam uma idade avançada, no que tange ao registro de nascimento, mas não significa afirmar que lhes faltem novas ideias e que além de inovadoras, sejam possíveis de praticá-las. Procuram antenar-se com as necessidades da população, pois o tempo de vida fez com que aprendessem ouvir o suspiro dos oprimidos com os quais os candidatos (a) se sentem identificados. As causas populares fazem parte da sua rotina de vida e não de  uma agenda de campanha eleitoral. Aliás, muitas dessas agendas são montadas a partir de pesquisas qualitativas em que o discurso do candidato vai procurando se amoldar ao gosto do eleitor, mas ele sabe que na prática é algo inviável, ou por questões da competência do cargo que disputa, ou por não existir de sua parte nenhum compromisso com tais propostas.

Quem tem ouvidos ouça, assim falava Zaratustra.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247