República de bananas?!

República é um termo do latim que traduzido é coisa pública, comum, coletiva, não de padrinhos, seitas, militares ou sociedades secretas e, obviamente, laica.

Brasília (DF)
Brasília (DF) (Foto: José Cruz/Agência Brasil)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Os estudantes se acotovelam em alguma casa entre estranhos, oriundos de cidades do interior para estudar em alguma universidade, longe dos pais e com regras próprias. Uma vida comunitária, ninguém é melhor que ninguém ou rouba a meia ou cueca que se seca atrás da geladeira. Os moradores mais ricos também têm de obedecer a regra da casa. Nesse convívio se estuda, se reza, se grita, se festeja e começam as ideias sobre a realidade coletiva. São as chamadas repúblicas de estudantes.

No âmbito de governo, a iniciar-se no século XIX a forma republicana se opunha à monarquia. No Brasil, foi um meio de destituir o monarca por retaliação – a proclamação da República veio um ano após a Abolição assinada pela filha de D. Pedro. 

continua após o anúncio

Tão rapidamente veio a República que ninguém sabia ao certo o que era. O povo ainda gritava vivas ao Imperador, pois o marechal que chefiou o golpe era monarquista e próximo a D. Pedro. 

República é um termo do latim que traduzido é coisa pública, comum, coletiva, não de padrinhos, seitas, militares ou sociedades secretas e, obviamente, laica.

continua após o anúncio

Com o fortalecimento da província de São Paulo, ora estado, fez-se o terceiro presidente na pessoa de Prudente de Moraes, advogado e vereador reconhecido por Piracicaba.

Era a primeira fase da República, a qual consolidou as oligarquias cafeeiras. Na época, os ribeirinhos de Piracicaba que vivem na região hoje assediada pelo mercado imobiliário, eram “os de baixo” e os da região onde morava o antigo presidente, hoje museu Prudente de Moraes, “os lá de cima”.

continua após o anúncio

O que é ser republicano? O republicanismo diz respeito ao espírito cívico, de quem atua em nome da coletividade, não àqueles que usam de minúcias para privar o povo dos seus direitos – o bem comum é a regra precípua de ser republicano. 

Tem os grupos que atuam politicamente dentro do Congresso, quais sejam os da Indústria, Construtoras, Imobiliárias, Planos de saúde, Agronegócio e muitos outros. São os lobbies que influem nos políticos e pressionam os eleitos, conforme suas pautas. 

continua após o anúncio

Como o povo influi com suas demandas? Ara, como pode! 

Em votações ‘impopulares’ no Congresso, nas pautas contra o cidadão, a quem o político devia defender vacila. A plebe vai às galerias de Brasília e grita muito, esperneia. Nas ruas toma spray de pimenta na cara, apanha de cacetete e seus cartazes passam em segundo plano no noticioso, em flashs rápidos, “mai nói vorta”.

continua após o anúncio

Os movimentos populares fazem a República de fato e levam muitos a confundi-la com democracia no Brasil, mas a luta é longa até fazer valer seus direitos. A abolição não foi benemerência – os donos do poder não conseguiram segurar por mais tempo à vista dos ingleses. Veio de muitas leis arrancadas, por sangue derramado, dor, lágrimas, vexações, dos abolicionistas anônimos ou ilustres. Temos história, não somos República de bananas. 

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247