Réquiem para o Credo Planetário

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Se um templo deve ser erguido, ele também deve desabar, escreveu Nietzsche na Genealogia da Moral.

No Senegal, a expressão que alguém morreu é definida como a sua biblioteca queimou.

O lumpenbourgeoisie agora compreende tristemente que os livros que compraram nos aeroportos sobre como ser um grande líder ou ganhar o primeiro milhão de dólares, agora para ele não têm sentido.As elites neocoloniais que aprenderam a gaguejar o inglês agora não sabem o que fazer com sua presunção de classe, seus senhores estrangeiros não estendem as mãos.

O planeta (antes da pandemia) tinha um caminho de mão única, a modernidade para o credo planetário baseava-se na meritocracia individual e o estado era um obstáculo a esse talento, o protagonista desprezava o populismo estatal que associava ao atraso. Agora vemos burgueses nas filas dos aeroportos, em busca de passagens para um Estado que lhes dê uma vacina paga com dinheiro público.

Curiosamente, aqueles que se juntaram na propagação desse discurso reacionário, para legitimar a evolução da melhor espécie, não eram talentos, mas cretinos oportunistas, carreiristas desonestos que apenas repetiam o discurso de seu patrão.

A pandemia exigiu a presença do Estado e o credo neoliberal ficou sem argumentos, sem literatura, sem comunicadores, e muitos pretensos burgueses ficaram desorientados.

A burguesia emergente viu que os preconceitos das revistas não falavam mais do seu tempo, eram revistas que de um dia para o outro ficaram desatualizadas, revistas que não eram lidas nem nas cabeleireiras.

O risco país tornou-se ridículo como pressão psicológica do agiota, porque o mundo se tornou uma roda de roleta que mata qualquer um por capricho.

O rebanho da direita engordou com preconceitos sociais, mas esse alimento não funciona mais, a menos que a seita seja totalmente brutalizada.

As pessoas alienadas pelo sistema acostumaram-se a dar cheque em branco ao poder colonial, agora tiveram que levantar a bandeira '' Eu autorizo '' como uma seita sem entender bem o que autorizam, por falta de consciência social, dialética e intelectualidade.

Para que as pessoas lúcidas recuperassem a presença do Estado e colocassem a vida como algo imprescindível, ainda temos que lutar.

A humanidade perdeu quarenta anos enchendo a boca com o mercado livre, hoje as vacinas são monopolizadas e os compromissos de vendas são adiados ou negados sem que a organização mundial do comércio seja capaz de fazer nada.

A vacina pôs em prática o nacionalismo e o protecionismo contra o vírus planetário. O surgimento de contradições deixou muitas teses universitárias do capitalismo selvagem no ridículo.Vimos na televisão o presidente dos Estados Unidos defendendo sindicatos, trabalhadores e modelos onde grandes fortunas têm que pagar os custos, vimos o FMI e o Banco Mundial diminuir suas pressões sobre os governos.

O homem devorado pela incerteza quer que o Estado lhe dê a vacina sagrada e nada pode fazer com seus ingressos nessa espera agonizante. As perguntas que atormentam o homem moderno são: morrerei amanhã ? perderei meu emprego? Nunca mais vou viajar para a Europa? Terei que vender minha casa? Serei capaz de ver meus filhos crescerem?

Para piorar a situação, estão as ameaças das novas variantes. É então que percebemos que estamos no meio de uma revolução planetária. Hoje, mobilizar a esperança é a maior batalha cultural, quebrando os alicerces da ordem estabelecida. A velha complacência, as velhas ideias estão entrando em colapso. É uma época em que morreram a apatia de quem acreditava no poder absoluto do dinheiro.

Nosso objetivo é ganhar tempo nessa paralisia planetária, mas primeiro temos que enterrar o credo planetário do super-homem que acreditou na televisão e em sua conta bancária.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email