Resposta ao artigo de Guga Chacra sobre os judeus e Israel

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação)


Hoje Guga Chacra publicou em O Globo um artigo intitulado “Bolsonaro, Israel e o antissemitismo”, no qual faz afirmações no mínimo equivocadas e irresponsáveis a respeito deste já tão complexo tema. Desta forma, enquanto judeu e ativista social e político, me sinto na obrigação de expô-las e corrigi-las, ao passo que tais inverdades acabam por gerar ainda mais desinformação. E desinformação gera mais esteriótipos, preconceitos e racismo.

Em um breve texto em que Chacra pondera para um lado e para o outro as ações de Bolsonaro em relação aos judeus e Israel, o acusando brandamente de ser “conivente com alguns comportamentos inaceitáveis”, ele comete grandes erros ao afirmar: “O presidente do Brasil tem um bom relacionamento com a comunidade judaica e é genuinamente defensor de Israel.”

Duplamente errado. O primeiro erro: O presidente do Brasil não tem um bom relacionamento com a comunidade judaica, mas sim COM UMA PARTE da comunidade judaica. Aproximadamente metade dela. Com a outra metade, que é completamente contrária ao seu governo, ele tem uma relação terrível, obviamente. Esta parte contrária a Bolsonaro organiza-se em diversos grupos e coletivos, como ‘Resistência Democrática Judaica’, ‘Judeus pela Democracia’, ‘Observatório Judaico dos Direitos Humanos do Brasil’, ‘Judias e Judeus com Lula’, entre outros, e combate diariamente o presidente da república.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O segundo erro: Não, ele não é genuinamente defensor de Israel de maneira alguma. Ele é defensor e – em bom português – um grande puxa-saco do governo direitista de Netanyahu. E isso é completamente diferente de ser “defensor de Israel”. Ser defensor de Israel inclui reconhecer que os 20% da população árabe do país devem ter os mesmos direitos que a maioria judaica tem; inclui reconhecer que a paz e o entendimento com os palestinos da Cisjordânia e de Gaza é essencial para toda a população israelense; e inclui compreender que Israel é uma terra progressista, plural, multicultural e deve continuar assim, e não se tornar o cenário irreal e fundamentalista que os cristãos neopentecostais idealizam e exigem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para concluir, um conselho a mais a Guga Chacra: ele afirma também que Bolsonaro “não pode ser tachado de antissemita” e que “não o considera antissemita”. Sugiro que deixe essas apreciações aos judeus. Afinal, uma pessoa que age como ele age, que reescreve a História dizendo que o Nazismo foi de Esquerda, que o Holocausto “não deve ser esquecido, mas deve ser perdoado”, é para muitas judias e judeus – incluindo eu – um grandíssimo antissemita.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Peço mais atenção e cuidado da próxima vez que for escrever sobre um tema tão importante como este, sobre o qual – ao que tudo indica – não possui grande conhecimento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email