Ruínas institucionais e o auto-resgate de Lula

Para resgatar-se definitivamente, Lula não pode repetir a experiência da conciliação e precisa apontar um novo sentido político para o Brasil. Não pode desconectar-se do sentido originário da sua história e da sua liderança política: estar junto com os trabalhadores e com o povo sofrido, pois esta é a única garantia de permanecer nas páginas da história como um líder autenticamente popular

26/08/2017- Lula participa do Ato dos Movimentos Sociais "Por Mais Cidadania, Direitos e pela Democracia" com entrega de t�tulo de cidad�o pessoense Lula visita mata redonda. Foto: Ricardo Stuckert
26/08/2017- Lula participa do Ato dos Movimentos Sociais "Por Mais Cidadania, Direitos e pela Democracia" com entrega de t�tulo de cidad�o pessoense Lula visita mata redonda. Foto: Ricardo Stuckert (Foto: Aldo Fornazieri)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O Brasil se assemelha a uma cidade em ruínas. Ruínas, não produzidas por uma guerra, por lutas bravias, mas causadas por um grupo de bandoleiros que assaltou a cidade diante de uma população perplexa, cabisbaixa, indefesa, sem que ninguém a defendesse. Os bandoleiros não se cansam de promover devastações, de destruir a moral, os códigos de conduta, as leis, os costumes, o bom senso, a dignidade. Aos poucos vão ficando apenas escombros do que era um país minimamente organizado, com uma Constituição funcionando, com um mínimo de respeito entre os poderes e com freios às ambições dos predadores.

Agora tudo ruiu. Depois que o Planalto foi assaltado por Temer e sua quadrilha parece não haver limites em nenhuma instituição, os bens públicos são saqueados à luz do dia e os bandoleiros exibem o produto do saque à população como forma de supremo escárnio. O Supremo Tribunal Federal não está somente acovardado, mas é constituído por covardes que, primeiro, aceitaram a violação da Constituição e, depois, aceitaram ser pisoteados e desmoralizados por Gilmar Mendes que, repita-se, é conselheiro de Temer e concedente ligeiro de habeas corpus a criminosos. Sim, o crime organizado está dentro do que resta das instituições.

Na medida em que o golpe fracassou e que o caráter criminoso do governo foi sendo revelado, os bandoleiros decidiram tirar as máscaras e, despudorados, não se importarem com a continuada e pública prática de crimes. Neste grupo de bandoleiros, sequer existe um código de ética típico de organizações criminosas perduráveis, a exemplo da máfia. Nesse grupo, impera a desconfiança, a traição, a chantagem interna e a ganância pelo botim. Duas coisas os preocupam: o quanto podem ganhar e destruir até o final de 2018 e, encontrar formas para tentar se manterem no poder.

Depois de destruir os direitos, a dignidade e a moralidade, agora estão empenhados em destruir o patrimônio público ante o fracasso do que era considerada uma equipe econômica irretocável. O país corre o risco de caminhar para uma bancarrota. Sabe-se que a venda das empresas e bancos públicos não resolverá o problema do déficit. As privatizações não passam de mais uma forma de destruição do país.

O Brasil virou um território aberto da violência. No campo, fazendeiros, ruralistas, grileiros se sentem autorizados a intimidar e matar camponeses e índios. Mas como poderia ser diferente quando um dos principais ministros é grileiro e criminoso ambiental? Ao investir contra as reservas ambientais, o governo investe não apenas contra o futuro, mas contra a humanidade. Sob a soberania do Brasil, as reservas e florestas amazônicas deveriam ser um bem planetário preservado por todos. Os desmandos e a falta de limites de Gilmar Mendes e de Temer são tão assustadores que deixam perplexos até mesmo pessoas que apoiaram o golpe.

A unidade política que havia se constituído para derrubar Dilma se espatifou. Agora, procuradores e juízes de primeira instância se voltam contra o governo que produziram e contra ministros do STF. O governo se mantém com a entrega de verbas, com o perdão bilionário de dívidas previdenciárias e pelo vale tudo de negociatas criminosas que se instaurou em Brasília.

O PSDB está trincado e desmoralizado. As principais lideranças tucanas - FHC, Aécio Neves, José Serra e Alckmin - junto com Temer e Cunha, amargam as piores rejeições entre políticos, como mostra a pesquisa Ipsos. A sociedade não perdoa os santos de pau oco, a mentira e o cinismo. E muitos desses líderes, que combateram a ditadura, mancharam as suas biografias irremediavelmente. A novidade Dória também está se esfumando, seja porque ele abandonou a cidade de São Paulo, porque é um fascistóide ou ainda porque se revelou um traidor do patrono que o promoveu. O STF, Carmem Lúcia, o juiz Moro, o Ministério Público - tudo vem erodindo, comprovando que o golpe, a destruição da democracia e das instituições não deixa ninguém impune.

O auto-resgate de Lula

Ao perceber os riscos que corre e ao se deparar com a devastadora destruição do Brasil, Lula fez o que deveria ter feito desde o início de 2015, quando as articulações do golpe ficaram evidentes: foi para junto do povo. A História e os livros de filosofia política estão cheios de lições mostrando que não há fortaleza mais segura para um líder popular ameaçado do que o apoio do povo. Mas para que isto se torne resistência, luta, energia, força e mobilização, o líder precisa comandar e dirigir o povo como Lula está fazendo agora com a Caravana da Esperança. Os líderes dos partidos de esquerda deveriam fazer o mesmo movimento: ir para junto do povo, integrar-se com ele, adverti-lo dos perigos que corre e semear esperanças.

Ferozmente perseguido, caluniado todos os dias por grupos fascistas, Lula está condenado a não sair das ruas, das marchas, das caminhadas, das caravanas até que todo esse processo político e jurídico chegue ao fim. Lula só se salvará se conseguir fazer com que seus inimigos e os inimigos do Brasil sintam medo do povo. Queira-se ou não, ele é o único líder, neste momento, capaz de fazer com que perseguidores e bandoleiros sintam medo do povo. Levantar o povo, restituir-lhe o senso de dignidade e dar moral de combate aos ativistas progressistas e de esquerda e aos movimentos sociais devem ser os objetivos principais das caravanas de Lula. Nenhum exército combate se não for estimulado, se não estiver convencido da justeza das causas e se não tiver moral elevada.

Existe uma tarefa prévia às eleições e às discussões programáticas: barrar a destruição do Brasil e dos direitos, bloquear a violência institucional de pessoas tipo Gilmar Mendes e Temer, interditar a continuidade do golpe via distritão, parlamentarismo, semipresidencialismo e outras formas de degradação ainda maior das instituições políticas. Nestas lutas é possível construir a unidade dos progressistas e das esquerdas para 2018.

Lula tem um papel decisivo para liderar esse processo, mas precisa parar de acenar para os Sarneys da vida. Lula tem o dom da palavra e tem a sensibilidade capaz estabelecer uma identidade entre o sofrimento do povo e o seu sofrimento pessoal, a sua história sofrida. Lula, mais do que ninguém, conhece as emoções e os sentimentos das almas populares e consegue comunicar-se com elas, interligar-se a elas. Com suas palavras simples e metáforas toca as angústias das pessoas e sabe dizer o que fazer para melhorar a vida sem usar as fórmulas racionais abstratas que nós professores e intelectuais usamos. Persuadir significa ter a capacidade de convencer pela emoção e sensibilidade e expressar através delas conteúdos fundamentais para a existência.

Para resgatar-se definitivamente, Lula não pode repetir a experiência da conciliação e precisa apontar um novo sentido político para o Brasil. Não pode desconectar-se do sentido originário da sua história e da sua liderança política: estar junto com os trabalhadores e com o povo sofrido, pois esta é a única garantia de permanecer nas páginas da história como um líder autenticamente popular, que emergiu do seio do povo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247