Rússia-China dirigem a cena do Talibã

Nem Moscou nem Pequim têm qualquer ilusão quanto a que o Ocidente já esteja empregando táticas de Guerra Híbrida para desacreditar e desestabilizar um governo que nem ainda foi formado e sequer começou a trabalhar

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters)


Por Pepe Escobar, para o The Saker

Tradução de Patricia Zimbres, para o 247

A primeira entrevista coletiva do Talibã após o terremoto geopolítico que foi o momento Saigon deste fim de semana, conduzida pelo porta-voz Zabihullah Mujahid foi, por si só, um ponto de virada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O contraste com aquela entrevista coletiva repleta de jornalistas zangados que teve lugar na embaixada talibã em Islamabad, depois do 11 de setembro e antes do início dos bombardeios americanos, não poderia ser mais gritante, mostrando que temos agora um animal político totalmente novo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas há coisas que não mudam nunca. A tradução para o inglês continua sendo atroz.

Aqui vai um resumo das principais declarações talibãs, e aqui (em russo), um apanhado bastante detalhado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estes são os pontos principais:

  • Não haverá problemas para mulheres que queiram estudar até o nível superior e continuar a trabalhar. Elas apenas terão que aceitar usar o hijab (como em Catar e no Irã). Não será exigido o uso de burkas. O Talibã insiste que "todos os direitos das mulheres serão garantidos dentro dos limites da lei islâmica". 
  • O Emirado Islâmico "não ameaça ninguém" e não tratará ninguém como inimigo. Da máxima importância é que a vingança - um ponto essencial do código Pashtunwali – será abandonada, o que não tem precedentes históricos. Haverá uma anistia geral - inclusive para pessoas que trabalharam para o sistema anterior alinhado à OTAN. Os tradutores, por exemplo, não serão perseguidos e não precisam abandonar o país.
  • A segurança das embaixadas estrangeiras e das organizações internacionais "é uma prioridade". As forças especiais de segurança do Talibã protegerão tanto os que saírem do Afeganistão quanto os que ficarem. 
  • Um governo islâmico forte e inclusivo será formado. "Inclusivo" é linguagem em código para a participação de mulheres e de xiitas. 
  • A mídia estrangeira poderá continuar seu trabalho sem ser perturbada. O governo do Talibã permitirá críticas e debates públicos. Mas "a liberdade de expressão", no Afeganistão, deverá estar alinhada aos valores islâmicos". 
  • O Emirado Islâmico do Talibã deseja o reconhecimento da "comunidade internacional"- linguagem em código para a OTAN. Seja como for, grande parte da Eurásia e do Sul Global irá reconhecê-lo. É importante observar, por exemplo, a integração cada vez maior da Organização de Cooperação de Xangai (OCX) - o Irã está prestes a se tornar membro pleno e o Afeganistão é observador -  com a Organização de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN): a maioria absoluta da Ásia não irá repudiar o Talibã. 

Para que conste oficialmente, eles declararam também que o Talibã tomou a totalidade do território afegão em apenas onze dias, o que é bastante preciso. Eles ressaltaram que têm "relações muito boas com o Paquistão, a Rússia e a China". Mas o Talibã não tem alianças formais e não faz parte de nenhum bloco militar-político.  Eles, terminantemente, "não permitirão que o Afeganistão se converta em santuário para terroristas internacionais". Isso é código para o ISIS/Daesh.

Sobre a importantíssima questão ópio/heroína: o Talibã proibirá sua produção. Então, para todos os fins práticos, o caminho de rato da heroína controlado pela CIA está morto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por mais surpreendentes que sejam essas declarações, o Talibã nem chegou ainda a entrar em detalhes quanto aos acordos de desenvolvimento econômico e de infraestrutura – uma vez que eles irão precisar de uma grande quantidade de novas fábricas, de muitos empregos e de melhores relações comerciais por toda a Eurásia.  Isso será anunciado mais tarde. 

O russo com quem se pode sempre contar 

Nos Estados Unidos, observadores perspicazes vêm comentando, meio que de brincadeira, que o Talibã, em uma única sentada, respondeu a mais perguntas da mídia americana que o Presidente dos Estados Unidos desde janeiro.  

O que essa primeira coletiva revela é o quão rapidamente o Talibã vem aprendendo com Moscou e Pequim a lidar com mídia e relações públicas, dando ênfase à harmonia étnica, ao papel das mulheres, ao papel da diplomacia e desativando com um único movimento a histeria que corre solta por todo o OTANistão.

O próximo e explosivo passo nas guerras de relações públicas será anular a ligação fatal e sem nenhuma prova entre o Talibã e o 11 de setembro. Depois disso, o rótulo de "organização terrorista" irá desaparecer, e o Talibã, como movimento político, será plenamente legitimado.  

Moscou e Pequim vêm tendo uma atuação meticulosa como diretores de cena da reinserção do Talibã na geopolítica regional e global. O que significa que, em última análise, a OCX vem assumindo a direção de cena de todo o processo, aplicando o consenso alcançado após uma série de reuniões ministeriais e de lideranças que levaram à convocação de uma cúpula de máxima importância a ser realizada no próximo mês de setembro em Dushanbe.

O principal ator com quem o Talibã vem conversando é Zamir Kabulov, o envido especial do presidente russo ao Afeganistão. Em um outro desmentido da narrativa do OTANistão, Kabulov confirmou, por exemplo, que "não vemos nenhuma ameaça direta a nossos aliados da Ásia Central. Não há qualquer fato que prove o contrário".

O Beltway vai ficar estarrecido quando souber que Zabulov revelou também que "há muito vimos conversando com o Talibã sobre as perspectivas de desenvolvimento após eles tomarem o poder, e eles confirmaram repetidamente que não têm qualquer ambição extraterritorial, que eles aprenderam a lição de 2000".  Esses contatos foram estabelecidos "ao longo dos últimos sete anos". 

Zabulov enumera diversas pérolas sobre a diplomacia Talibã: "se compararmos a capacidade de negociação de colegas e parceiros, concluímos que há muito o Talibã vem se mostrando muito mais acessível que o governo fantoche de Cabul. Partimos da premissa de que os acordos têm que ser implementados. Até agora, no que diz respeito à segurança da embaixada e à segurança de nossos aliados da Ásia Central, o Talibã vem respeitando todos os acordos".

Fiel à sua adesão ao direito internacional, e não a uma "ordem internacional baseada em regras", Moscou tende sempre a enfatizar a responsabilidade do Conselho de Segurança da ONU: "Temos que assegurar, como condição, que o novo governo esteja disposto a se comportar, como costumamos dizer, de forma civilizada. Quando essa percepção se tornar generalizada, então o processo [de remover a qualificação do Talibã como organização terrorista] irá começar". 

Então, enquanto Estados Unidos-União Europeia-OTAN fogem de Cabul em espasmos de pânico auto-infligido, Moscou pratica - o que mais seria? - diplomacia. Zabulov: "O fato de termos, com antecedência, preparado terreno para conversas com o novo governo do Afeganistão é uma vitória da política externa russa". 

Dmitry Zhirnov, embaixador russo no Afeganistão, vem trabalhando incessantemente com o Talibã. Ontem ele se reuniu com um funcionário graduado da área de segurança do Talibã. O encontro foi "positivo, construtivo... O movimento Talibã tem uma postura muito amigável, a melhor possível com relação à Rússia... Ele chegou sozinho em um único carro, sem guardas". 

Nem Moscou nem Pequim têm qualquer ilusão quanto a que o Ocidente já esteja empregando táticas de Guerra Híbrida para desacreditar e desestabilizar um governo que nem ainda foi formado e sequer começou a trabalhar. Não é de admirar que a mídia chinesa venha descrevendo Washington como um "vilão estratégico".  

O que importa é que Rússia-China estão muito à frente nessa corrida, cultivando  raias paralelas de diálogo diplomático com o Talibã. É sempre importante lembrar que a Rússia abriga 20 milhões de muçulmanos, e a China, pelo menos 35 milhões. Eles serão conclamados a apoiar o gigantesco projeto de reconstrução afegã - e a plena inserção daquele país na Eurásia. 

Os chineses anteviram o que iria acontecer 

O Chanceler chinês Wang Yi anteviu esses acontecimentos com semanas de antecedência. O que explica a reunião de Taijin, em fins de julho, quando ele recebeu uma delegação de talibãs de alto escalão, chefiada pelo Mulá Baradar, conferindo a eles total legitimidade política. Pequim já sabia que o momento Saigon seria inevitável. Daí a declaração ressaltando que a China esperava "desempenhar um papel importante no processo de reconciliação política pacífica e de reconstrução no Afeganistão.

O que isso significa na prática é que a China será parceira do Afeganistão nos investimentos em infraestrutura por intermédio do Paquistão, incorporando o país na ampliação do Corredor Econômico China-Paquistão (CECP), que irá diversificar os canais de conectividade com a Ásia Central. O corredor das Novas Rotas da Seda, indo de Xinjiang ao porto de Gwadar, no Mar Arábico, irá se ramificar: a primeira ilustração concreta é a construção chinesa da ultra-estratégica rodovia Peshawar-Cabul.

Os chineses estão também construindo uma grande rodovia através do geologicamente espetacular e deserto corredor de Wakhan, ligando Xinjiang à província de Badakhshan, que incidentalmente está agora sob total controle talibã. 

O trato é claríssimo: o Talibã não poderá dar santuário ao Movimento Islâmico do Turquestão Oriental (ETIM) nem interferirá em Xinjiang.

O combo comércio/segurança, ao que tudo indica, será vantajoso para todas as partes. E nem começamos ainda a tratar dos futuros acordos que permitirão que a China explore as imensas riquezas minerais do Afeganistão.

Mais uma vez, o Grande Quadro indica que a dupla-hélice Rússia-China, conectada a todos os "istãos"  e também ao Paquistão, vem traçando um plano de jogo/mapa de percurso para o Afeganistão. Em seus muitos contatos com russos e chineses, o Talibã pareceu ter plena compreensão de como se beneficiar de seu novo papel no Novo Grande Jogo.

O Novo Eixo do Mal ampliado 

Táticas imperiais de Guerra Híbrida fatalmente serão usadas para se contrapor a esse cenário. Tome-se a primeira proclamação de uma "resistência", a Aliança do Norte, em tese liderada por Ahmad Masoud, filho do lendário Leão do Panjshir, morto pela al-Qaeda dois dias antes do 11 de setembro. 

Conheci pessoalmente o pai de Masoud – um ícone. Pessoas que conhecem de perto a situação afegã dão informações nada lisonjeiras sobre o filho de Masoud. Mas ele já se converteu no queridinho dos europeus woke, e chegou a posar para uma foto glamorosa para a AFP, receber uma visita de última hora do filósofo e escroque profissional Bernard-Henri Levy, e lançar algo parecido com um manifesto, publicado em diversos jornais europeus, exibindo os chavões "tirania", "escravidão", vendeta", "nação martirizada", "Cabul grita", "nação acorrentada" etc.

O esquema todo cheira ao estratagema "o filho do Xá [do Irã]". Masoud filho e sua mini-milícia estão completamente cercados nas montanhas do Panjshir e não conseguiriam arregimentar os menores de 25 anos, dois-terços da população afegã, cuja principal preocupação é encontrar empregos reais na economia real que vem nascendo. 

As "análises" woke do OTANistão não se qualificam sequer como irrelevantes: elas insistem que o Afeganistão não é estratégico e perdeu até mesmo importância tática para a OTAN. É um triste espetáculo que ilustra o quanto a Europa ficou para trás na corrida, encharcada de neo-colonialismo de marcas do tipo Fardo do Homem Branco quando nega a importância de uma terra dominada por clãs e tribos.

É de se esperar que a China seja uma das primeiras potências a reconhecer formalmente o Emirado Islâmico do Afeganistão, juntamente com a Turquia e, mais adiante, a Rússia. Já aludi ao futuro Novo Eixo do Mal: Paquistão-Talibã-China. O eixo será fatalmente ampliado para abranger a Rússia e o Irã. E daí? Perguntem ao Mulá Baradar: ele não liga a mínima.  

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email