Sal-gema, Maceió. Um crime imperfeito

"O oco no subsolo de Maceió deixado com a exploração irresponsável da Braskem, a 'dona' da Sal-gema, sabe-se hoje, é irreparável", diz Gilvandro Filho

Maceió
Maceió (Foto: Reprodução (TV Gazeta))


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Maceió vive hoje um quase adeus. 

A terra de praias lindas e gente de alto astral está afundando na sal-gema, na pasta lamacenta do capitalismo desmedido. 

continua após o anúncio

A exploração criminosa e inconsequente do minério usada como matéria prima para PVC e soda cáustica, entre outros produtos de 100ª utilidade, mas altíssimo lucro, foi legalizada e iniciada entre 1976 e 77. 

Vivíamos - ou sofríamos, em muitos casos morríamos, noutros desaparecíamos - uma ditadura militar. 

continua após o anúncio

O governo estadual era biônico, nomeado pelo ditador de plantão, na época Ernesto Geisel, general do Exército brasileiro. 

O governador ungido de então era Divaldo Suruagy, de parca memória, que, atropelou todos os pareceres de estudiosos e ambientalistas, contrários à escavação de minas de tal porte em ambiente urbano. 

continua após o anúncio

O quanto essa inconsequente empreitada trouxe de volta para o povo alagoano, ninguém sabe. Igualmente desconhecida, é a lista de quem levou vantagens financeiras com esta boquinha.

Se o erro foi de origem, o atentado ao bom senso se dá até hoje. Mais de 1.500 minas foram escavacadas, algumas a apenas dezenas de metros de distância uma da outra. Insanidade ampla, geral e irrestrita.

continua após o anúncio

O oco no subsolo de Maceió deixado com a exploração irresponsável da Braskem, a "dona" da Salgema, sabe-se hoje, é irreparável.

O oco de decência aberto pelo caso na economia e na política das Alagoas, com certeza, é irremediável.

continua após o anúncio

A capital da Terra dos Marechais foi  saqueada, literalmente. Sempre em nome do desenvolvimento, do progresso, do emprego e renda. Resultado: abalos sísmicos não naturais, provocados, dolosos. Um crime praticado por (falsos) líderes empresariais e políticos.

Como tantos e como dantes, ninguém vai pagar por isso. Nem na bela Lagoa Mundaú, que hoje corre o risco de sumir. Muito menos no Quartel de Abrantes.

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247