Se não formos pelo menos 500 mil na Esplanada eles vão decidir nosso futuro

Quando 513 deputados federais forem votar a PEC 241 em segundo turno não formos pelo menos 500 mil na Esplanada dos Ministério, pelo menos 200 mil na Avenida Paulista e outros tantos milhares no Anhangabaú, na Cinelândia e pelas ruas e praças das cidades brasileiras, eles vão nos enfiar goela baixo aquilo que está na ponta da língua, dito aos quatro ventos, mas apenas da boca pra fora

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O ambiente de indignação do povo brasileiro contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC 241) me soa tão pacífico, que não vejo nenhuma movimentação propositiva de quem quer realmente barrar a proposta no Congresso Nacional. Tanto é que a PEC já foi aprovada em primeiro turno na Câmara dos deputados e o que se vê é um silêncio intimidador.

Tal comportamento, suspeito, está relacionado ao desconhecimento da PEC por parte das pessoas que, no dia a dia, não discutem e não gostam de política, simplesmente porque a nossa cultura é a de não ensinar política nas escolas ou de debater os assuntos com a comunidade. Para muitos, política é o dia da eleição, em que se vota em quem não conhece, para fazer por você aquilo que você não tem a mínima ideia de como se faz.

Para esclarecer, a PEC 241 prevê o limite dos gastos do governo para os próximos 20 anos. O objetivo, em tese, é interessante, já que pretende equilibrar as contas do estado brasileiro.

No entanto, a proposta não cumpre esse objetivo pois a origem do desiquilíbrio fiscal do país não está nos gastos primários que são a saúde, a educação, as pesquisas universitárias, o transporte público, os investimentos em saneamento básico e infraestrutura ou na transferência de renda social – Bolsa Família. Isso representa apenas 1% do déficit da dívida pública, castigada pelo pagamento dos juros.

Mas o governo quer e diante da inércia do povo, vai conseguir congelar os investimentos causando um enorme impacto social. Ao longo dos anos hospitais vão quebrar, vai faltar medicamento, as escolas e universidades ficarão cada vez mais sucateadas, o salário mínimo não será reajustado e perderá seu poder de compra e menos benefícios serão repassados às pessoas mais pobres. E isso vai afetar a grande maioria do povo brasileiro até mesmo aos que estão na célebre classe média e acham que estão livres do tsunami que vem por aí. Dá para entender agora?

Por exemplo, você ganha hoje R$ 5 mil e mora sozinho num apartamento que você financiou pelo programa do governo. Tem o seu carro com quase todas as 60 parcelas quitadas e consegue administrar bem o seu salário. Imagine agora, sua vida pelos próximos 20 anos. Você vai se casar e vai investir para isso. Vai ter um filho e depois de alguns anos, um segundo. Logo as crianças estarão na creche, depois na escolinha e você vai contratar uma van para buscá-los. Com o tempo vão querer se divertir, fazer a viagem de formatura e vão ingressar num cursinho pré-vestibular. Desconsiderando os percalços da vida lá se foram 20 anos e você vai estar recebendo os mesmo R$ 5 mil de hoje. Se não entendeu, é exatamente isso que o governo vai fazer comigo, com você e com a nação brasileira que precisa agir.

A facilidade tecnológica faz com que a toda hora vídeos, textos, memes, posts e twitters sejam compartilhados pelas redes sociais e plataformas digitais. Pelo WhatsApp, aplicativo no qual tenho pelo menos 10 grupos que discutem o assunto, a toda hora um vídeo diferente. Quando recebo em um, logo a mesma pessoa posta no outro, no outro e antes que consiga postar no quarto, uma outra pessoa do primeiro grupo compartilhou e passou para os demais. No final do dia, ao limpar o celular, o mesmo vídeo aparece dezenas de vezes para ser deletado. Comunicação para quem?

Eu escrevo esse artigo e você o lê. Por sorte, compartilha.

Atores declamam textos lindíssimos ao som de "Apesar de você" (música de Chico Buarque de 1978). A Confederação Nacional do Bispos do Brasil (CNBB) emite nota de repúdio. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) analisa embasamento legal da PEC. O Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais de Contas, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e outras entidades de classe se reúne e se manifestam publicamente contra essa maldita PEC.

Professores, sindicatos e suas centrais, movimentos sociais, partidos políticos (uns parecem mais preocupados com as disputas internas), autoridades parlamentares bradando contra a PEC 241, tudo isso parece um vírus voraz, mas apenas no computador.

Está na hora de ir pra rua. Acabar de vez com essa apatia política e de achar que posts, "whats" e artigos vão resolver o problema.

Se na próxima terça-feira, quando 513 deputados federais forem votar a PEC 241 em segundo turno não formos pelo menos 500 mil na Esplanada dos Ministério, pelo menos 200 mil na Avenida Paulista e outros tantos milhares no Anhangabaú, na Cinelândia e pelas ruas e praças das cidades brasileiras, eles vão nos enfiar goela baixo aquilo que está na ponta da língua, dito aos quatro ventos, mas apenas da boca pra fora.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247