Senado aprova PL das Fake News, uma derrota para a esquerda

Um atentado contra a liberdade de expressão

www.brasil247.com -


O Senado Federal aprovou nesta terça-feira, 30, o texto-base do projeto de lei (PL) contra a disseminação de fake news. A proposta teve 44 votos favoráveis e 32 contrários e será encaminhada para a Câmara de Deputados. O texto exige a rastreabilidade de mensagens enviadas por aplicativos a mais de mil pessoas e sanções a quem descumprir as regras.

Para quem se ilude com o projeto, afirmo: nada de bom pode vir de uma medida que tem como objetivo “rastrear” e limitar a divulgação de determinados conteúdos e mensagens. O projeto vai ao ponto de defender que WhatsApp e Telegram guardem as informações de mensagens enviadas por mais de 5 pessoas em um período de 15 dias, o que é mais um artifício do Estado para espionar os cidadãos, num mundo em que - todo mundo sabe - até presidentes são espionados - como no caso de Dilma (espionada pelos Estados Unidos, no período anterior ao golpe).

Mas enfim… Muitos acharão que trata-se de um duro golpe contra o bolsonarismo, mas não é. Assim como a prisão de Sara Winter e outros blogueiros também não foi. São medidas que pressionam o governo, sim, e mostram uma crise política entre o bloco dos golpistas, não há dúvidas. Mas, como já denunciei aqui por diversas vezes, o objetivo dos golpistas não é derrubar ou atacar o governo de Jair Bolsonaro, mas realizar uma “limpa” - ou melhor, pressionar o governo para que pare de fazer loucura e adote, letra por letra, a posição da burguesia mais tradicional, sem as escatologias. Colocar o governo “na linha”. É por isso a campanha da imprensa burguesa por elementos “técnicos” dentro do governo: querem um ministro que faça as mesmas coisas que os outros, mas não fale tanta besteira quanto Weintraub, Damares, Ernesto Araújo e outros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A política do bolsonarismo e da direita “civilizada”, como se viu no caso da privatização da água pelo Senado, é a mesma. Isso fica claro, por exemplo, com o PSDB, que está em uma campanha - principalmente através de seu representante no STF, Alexandre de Moraes - contra o bolsonarismo, mas se nega em defender o impeachment do fascista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na verdade, o projeto de lei contra as “fake news” será mais prejudicial para a esquerda. Enquanto a direita pode censurar centenas de bolsonaristas e obrigar o governo a se aliar com o grande monopólio das comunicações, que são - eles sim - os maiores divulgadores de mentiras e notícias falsas; a esquerda, que tem a necessidade de se expressar por meio meios alternativos, vai ser brutalmente censurada. Não há dúvidas em relação a isso. Não adianta ser moral e ético, pois no final quem vai decidir se algo é ou não é “fake news” são os juízes golpistas. Sim, os mesmos que condenaram Lula em um processo fajuto, apesar de não haver nenhuma prova contra o ex-presidente, isto é, apesar dele ser “ético e moral”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Finalmente, o projeto contra as “fake news” é, na realidade, um avanço da censura no País, um verdadeira ataque à liberdade de expressão. Devo lembrar que entre a esquerda e Bolsonaro nas eleições de 2018, a direita optou pelo segundo. Ou seja, o grande inimigo não é o bolsonarismo, mas as organizações ligadas ao movimento operário e popular, que serão os mais prejudicados.

Por isso, portais ligados a partidos políticos e portais progressistas de esquerda podem, caso o projeto seja aprovado no Congresso, muito mais facilmente sofrer penas por teoricamente divulgar “fake news”. Devo lembrar que Ciro Gomes, o abutre, qualifica jornais como Brasil 247, Revista Fórum e Diário do Centro do Mundo (DCM) como “o gabinete do ódio da esquerda”, comparando-os à milícia virtual de Carlos Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email