Moraes deu o recado: não faltará destemor para garantir eleições

"Temos finalmente a mensagem aguardada: não faltará destemor. Moraes sabe que o caos pode ser apenas o cachorro louco dos Bolsonaros", escreve Moisés Mendes

www.brasil247.com -
(Foto: STF | Isac Nóbrega/PR)


Por Moisés Mendes, para o 247

Donald Trump apostou no caos sem saber direito o que resultaria da invasão do Capitólio. Se o levante fosse disseminado, Joe Biden seria preso e Trump continuaria no poder?

Se Trump tivesse assumido o volante da limusine dos seus seguranças e se dirigido ao Congresso, naquele 6 de janeiro do ano passado, os Estados Unidos poderiam ser hoje um Afeganistão? Os talibãs de Trump estariam na Casa Branca?

Flávio Bolsonaro, na mais explícita manifestação de sinceridade desde o início do blefe do golpe, avisou que a família considera mesmo a hipótese de uma rebelião contra a eleição. Não que o pai dele queira, mas pode acontecer.

O caos em articulação no Brasil, mesmo que aparentemente sem muito método, tem várias frentes. Todas passam por alguma forma de esculhambação.

Primeiro, a esculhambação da eleição antes de outubro, se a derrota para Lula for inevitável e avassaladora já no primeiro turno.

Depois, a esculhambação da eleição no momento da votação. E por último a esculhambação na hora da apuração.

Todas essas esculhambações podem ser acionadas em combinação e em sequência e, no final, teriam de contar com o aval dos militares.

Trump investiu tudo nos esculhambadores da apuração. Fracassou e incitou a invasão, apostando no que viria após a tomada do Capitólio.

Essa é a dúvida que ninguém mais irá resolver: o que haveria depois da depredação do Congresso, se o homem com as guampas e seu rebanho tivessem contaminado o país com ações violentas por toda parte?

A cena do imponderável, em que um homem aspado põe as botas sobre a mesa da presidente da Câmara, poderia se repetir aqui de que forma?

Bolsonaro faria o que Trump fez, incitando publicamente a invasão? Os filhos de Bolsonaro, que tiram fotos com fuzis e fazem arminha com os dedos, também participariam de alguma ação armada liderada por algum sujeito com ou sem guampas?

Bolsonaro tentaria tomar a direção do jipe, expulsando o cabo e o soldado da viatura e seguindo em direção ao Supremo?

Sabemos que a aposta no alerta da confusão é a prioridade do momento, mesmo que seja mais um blefe, como tentativa de manter as milícias bem acordadas e para atossicar polícias militares e assim fidelizar o engajamento dos generais.

Bolsonaro e os filhos começam a amplificar os recados, num momento em que o contraponto de Alexandre de Moraes também se acentua, com o aviso de que Supremo e TSE não vão se acovardar.

Na palestra em Lisboa, o ministro foi além da retórica protocolar do respeito à Constituição, às instituições e às eleições. Essa é a grande frase desde o início do embate entre Moraes e os milicianos:

“O Brasil sabe como manter a sua democracia. E o poder judiciário vai permanecer independente, corajoso, competente e destemido”.

É um recado forte aos que acham que têm os militares, os milicianos, a população armada, as PMs, um jipe e agregados para criar o caos e esperar o que virá depois.

Temos finalmente a mensagem que era aguardada: não faltará destemor. Moraes e outros poucos destemidos sabem que o caos pode ser apenas o cachorro louco dos Bolsonaros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email