Só tem um caminho

"O Brasil chegou em uma encruzilhada que, neste próximo período, será palco das mais tensas e intensas disputas políticas já vividas", afirma o jornalista Fernando Rosa; "Os episódios verificados no roteiro da caravana de Lula pelo Sul, com ataques de milícias armadas, são apenas 'spoilers' do que o futuro breve nos reserva. Aos que ainda trabalhavam com a ideia de uma transição tranquila por meio de um ainda duvidoso processo eleitoral, podem recolher seus punhos de renda", diz Rosa; "O destino da Nação brasileira está sendo decidido a cada momento, de forma irreversível, nos próximos dias, semanas, meses, ou mesmo mais tempo, no caso de uma 'guerra' prolongada"

Só tem um caminho
Só tem um caminho
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O golpe está fazendo água por todos os lados, mantendo-se apenas por força da ação externa, como sempre foi desde o início, e da falência e/ou covardia das instituições nacionais. A economia não mostra sinais de recuperação como imaginavam, o desemprego é brutal, a informalidade compromete o PIB e a falta de qualquer perspectiva se torna visível para a população. O que está em curso é apenas um assalto criminoso e sem precedentes à economia, ao patrimônio e às riquezas naturais de um país.

Por outro lado, é objetiva a dificuldade do consórcio golpista de articular um candidato que tenha, pelo menos, a condição de disputar com um nome indicado por Lula. O que Lula tem dito nos comícios, que ganha a eleições no primeiro turno, é comprovado a cada nova pesquisa realizada por qualquer instituto. O comando externo do golpe, no entanto, também considera defenestrar Temer e, cada vez com maiores dificuldades, implodir as eleições, seja por cancelamento ou adiamento do calendário.

É nesse quadro que as bandas mais podres do golpe ensaiam suas ações fascistas, seja assassinando a vereadora Marielle Franco, atacando as caravanas petistas ou ameaçando as lideranças. À frente do golpe, a Rede Globo tenta impor sua pauta "identitária" para manipular "as ruas" como fez em 2013, transformando-se hipocritamente em defensora nº 1 de direitos humanos, favelados, mulheres e negros. Ao mesmo tempo, o STF negacia em defender a Constituição, dando margem para prender Lula e empurrar o país para a instabilidade definitiva.

O Brasil chegou em uma encruzilhada que, neste próximo período, será palco das mais tensas e intensas disputas políticas já vividas, a exemplo de outros momentos históricos. Os episódios verificados no roteiro da caravana de Lula pelo Sul, com ataques de milícias armadas, são apenas "spoilers" do que o futuro breve nos reserva. Aos que ainda trabalhavam com a ideia de uma transição tranquila por meio de um ainda duvidoso processo eleitoral, podem recolher seus punhos de renda.

O Brasil, no entanto, é maior do que o golpe, seus patrões externos e lacaios internos que traem, vendem e tentam submeter o país à exploração do sistema financeiro internacional. A maior prova disso é a crescente e gigantesca força de Lula, ao mesmo tempo o alvo principal do golpe e símbolo da resistência do povo nas ruas. Lula é o Brasil, é o povo que rejeita o colonialismo, que não aceita traidores, que defende sua terra e acredita na construção de uma Pátria soberana e digna para todos os brasileiros.

Uma boa parte da sociedade, em particular da classe média, está paralisada, sentindo-se traída e envergonhada pelo golpe, enquanto a elite econômica aposta no enfrentamento a qualquer custo, para manter seus privilégios. A experiência histórica do povo nos últimos anos é irreversível e, por mais anestesia midiática que imponham, a revolta contra seus algozes explodirá nas ruas, mais cedo ou mais tarde. As forças políticas nacionais, portanto, precisam estar preparadas, com unidade, projeto de Nação e disposição de confiar e convocar o povo para o enfrentamento, já independente da vontade das partes.

E, como diz a música de Roberto Carlos, de autoria de Getúlio Côrtes, só tem um caminho neste momento a seguir, que é o de estar ao lado do povo, da democracia e da soberania - do Brasil!. É perfilar-se junto a heróis como Tiradentes, que tem seu nome na história nacional, ou corromper-se ao lado dos traidores como Silvério dos Reis. O destino da Nação brasileira está sendo decidido a cada momento, de forma irreversível, nos próximos dias, semanas, meses, ou mesmo mais tempo, no caso de uma "guerra" prolongada.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247