Resposta a um malabarismo retórico

"Minha opinião é que nosso eixo condutor deve ser a unidade das forças populares. Com Haddad, o eixo dessa operação seria naturalmente o PT. Sem Haddad, tudo indica que será o PSOL, com Boulos e Erundina", avalia o jornalista Breno Altman

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Valter Pomar, com quem tenho normalmente posições em comum sobre quase tudo, replicou minha réplica, intitulada "Sobre as eleições paulistanas".

Seu novo texto pode ser lido através desse link: https://valterpomar.blogspot.com/…/jilmar-tatto-breno-altma…

A essência de sua argumentação está na afirmação de que, em meu suposto ponto de vista, a hipótese de apoio à fórmula Boulos-Erundina estaria apresentada com tanto otimismo que tornaria desnecessária a pressão pela candidatura de Fernando Haddad.

Essa leitura, no entanto, é tão apressada quanto retórica. Fui claro a respeito: "...o sacrifício da candidatura própria em prol da unidade daria alguma chance de bons resultados e elevaria em muitos graus o prestígio e a credibilidade do partido por todo o país."

Defendi uma clara hierarquia de possibilidades. A mais favorável, é evidente, seria a candidatura de Fernando Haddad, com potencial de ir ao segundo turno mesmo sem a unidade dos partidos de esquerda, embora esse objetivo deva ser perseguido em quaisquer circunstâncias.

Inviabilizada essa opção, teríamos a alternativa da unificação ao redor da candidatura mais promissora do campo popular, a do PSOL, que teria "alguma chance de bons resultados".

O pior dos mundos seria a divisão da esquerda sem a candidatura de Haddad, com Tatto, Boulos e talvez Orlando Silva se batendo por fatias da mesma torta, inviabilizando estruturalmente o bloco de esquerda.

Valter defende, como eu, que a prioridade imediata é um apelo coletivo e organizado, liderado pelo ex-presidente Lula, para que Haddad assuma essa tarefa estratégica, encabeçando a chapa petista.

A diferença é que, em caso de insucesso nessa tentativa, ele pula diretamente para a terceira opção, exatamente a que nos empurra para os piores resultados possíveis.

Eu me somo aos que, sem Haddad, se inclinam à segunda possibilidade, da unidade ao redor de Boulos-Erundina, caso as pesquisas dos próximos sessenta dias, antes da inscrição oficial das candidaturas, confirmem seu maior potencial eleitoral.

Ao PT caberia sacrificar a candidatura própria, pela primeira vez desde 1985, em eleições paulistanas, para assumir o papel de fiador da frente popular, melhorando o cenário dos partidos de esquerda na maior cidade do país, com claras repercussões sobre o cenário nacional, presente e futuro.

Para Valter, contudo, o pressuposto inarredável é que o PT tenha a cabeça da fórmula, com Haddad ou Tatto. Não partilho dessa premissa. Estou convencido que atrapalha a construção de uma alternativa à esquerda na enfrentamento contra o bolsonarismo e os neoliberais.

Minha opinião é que nosso eixo condutor deve ser a unidade das forças populares. Com Haddad, o eixo dessa operação seria naturalmente o PT. Sem Haddad, tudo indica que será o PSOL, com Boulos e Erundina.

As próximas semanas esclarecerão muitas dúvidas.

No dia 26 de setembro, com a inscrição das candidaturas, uma decisão terá transitado em julgado. Caberá aos militantes petistas, não importa qual tenha sido sua opinião pessoal, marcharem sob a definitiva orientação eleitoral.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email