Sobre caminhos e caminhadas

Descobri que meninos de 17 ou 18 anos, com sua pregação cheia de ódio, ignorância intolerância e rancor, arvoram-se, com a cumplicidade ignóbil da grande mídia, a querer mudar a pauta da justiça social com democracia

Woman walking cross country and trail in spring forest
Woman walking cross country and trail in spring forest (Foto: Lula Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Com uma (in)certa dose de humildade e destemor, sempre buscando o equilíbrio possível, frente a tantas mentiras, hipocrisias e esparrelas - mas também em meio a gozos, embriaguezes e alegrias - percorri longo caminho.

Veja bem - quem diria?! - já dobrei o cabo da Boa Esperança: tenho, hoje, 50 anos!

A esperança, portanto, em tese, já teria ficado para trás – e não para a frente. Mas apenas em tese. Pois isso não passa do desejo de alguns: de que percamos a esperança e nos afoguemos no medo, que paralisa. Fruto maldito da chibata da arrogância e da intolerância que deseja, novamente, nos subjugar.

Nessa minha já longa caminhada, vi meus companheiros (muito mais do que eu até) realizarem muitos atos nobres, muitas obras.

Vi meus companheiros lutarem contra a ditadura, para que fosse restabelecida a ordem democrática neste país.

Muitos foram presos. Outros tantos, torturados, cruel e impiedosamente. Outros, “desaparecidos”, que é, você bem sabe, um eufemismo que as elites hipócritas deste país inventaram para ASSASSINADOS, MORTOS. Se você tem um irmão, pai ou mãe, ou mesmo um parente distante, nesta “categoria”, sabe bem do que estou falando.

Vi meus companheiros clamarem pelas “Diretas Já!”!

Vi meus companheiros, de ideias e ideais - essas as nossas "armas" - construírem um novo sindicalismo.

Meninos, eu estava lá.

Vi meus companheiros organizarem a luta dos movimentos sociais: os sem terra, os sem-teto, os catadores de materiais recicláveis, os gays, as lésbicas e os transexuais. Todos estes antes discriminados e abandonados por essa nanica elite conservadora que ora se alevanta e, pretensamente, se agiganta.

Vi meus companheiros realizarem diversas edições do Fórum Social Mundial.

Meninos, eu vi; eu estava lá.

Agora eu vejo, entre a incredulidade e o desalento, os bichos escrotos, que antes se escondiam no subterrâneo dos esgotos ou que rastejavam na sombra das sarjetas, virem à luz do dia, gritar suas infâmias e expor, com inacreditável despudor, as suas vergonhas.

Descobri que o bem, por si só, por ser "o bem", não é o bastante para sobrepujar o mal.

Que a poesia sobrepuje a mediocridade! Bradava em meus tempos de juventude e ouso repetir, agora em tom de súplica...

Que a poesia sobrepuje a mediocridade.

Mas...

Descobri que as bestas-feras e as bestas quadradas, ao que parece, multiplicam-se silentes e em maior número, como pragas, pestilentas; tal qual ratazanas.

Descobri que meninos de 17 ou 18 anos, com sua pregação cheia de ódio, ignorância intolerância e rancor, arvoram-se, com a cumplicidade ignóbil da grande mídia, a querer mudar a pauta da justiça social com democracia, que tanto nos custou colocar na ordem do dia.

Meninos inconsequentes, que, certamente, nunca leram as obras dos grandes pensadores e autores da literatura universal; que nunca se emocionaram com a 9ª Sinfonia de Beethoven; que nunca se embeveceram ao ver Jorge Donn dançar o Bolero de Ravel; que não gostam de poesia; que nunca tiveram a dor de não velar e enterrar um ente querido “desaparecido”. Gente que nunca tomou uma cassetetada na boca, que lhes partisse todos os dentes; gente que nunca passou pela dor de perder um grande amor.

Enfim, gente que não sabe o que é a vida.

Simplesmente porque ainda não viveu.

São esses meninos que agora se arvoram arautos de uma nova era, de um novo Brasil.

Que me perdoem os ingênuos e os voluntariosos, mas ao lado dessa gente eu não caminho.

Esse não é o meu caminho.

Esses não são os meus companheiros.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247