Sobre militância e juventude

Quando abrimos mão da crítica ao capitalismo, perdemos também a motivação mais profunda da militância dos jovens na política, que é mudar o mundo

Militância política na Avenida Paulista
Militância política na Avenida Paulista (Foto: Ricardo Stuckert)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

A reflexão de Emir Sader a respeito da militância política, publicada no Brasil 247, traz uma série de insights sobre esse instigante tema. Faz um rápido histórico da militância de esquerda no Brasil e, a partir de sua própria experiência, nos recorda da importância filosófica da militância enquanto sentido de vida. Colocar a existência pessoal conectada à ideia de mudar o mundo, transformar a realidade e se constituir em sujeito ativo da história é um tema que já inspirou a literatura, a música e a práxis política ao longo dos últimos dois séculos.

O artigo traz um certo exagero no dimensionamento do papel de Lula em relação ao tema da militância. Emir Sader diz, por exemplo, que a identificação com Lula, seu governo e suas posições, é a referência central para alguém de esquerda. Não que se possa diminuir a importância de Lula na história recente. Contudo, não considero que na questão da militância ele seja a referência central. Mas isso nos levaria a outra discussão.

continua após o anúncio

O que eu desejo aqui é concordar com Sader quando ele afirma que a esquerda está perdendo a juventude. Penso que essa perda dá-se em dois sentidos: nas suas próprias ideias e com menos jovens nos partidos. E o mais grave, muitos dos nossos jovens políticos de esquerda estão optando por excessiva moderação, por propostas sociais paliativas e aderindo docemente a um fazer político muito tradicional. À exceção do PSOL que fez uma opção corporativa e vinculada às demandas identitárias, nenhum outro partido de esquerda tem crescido muito na juventude.

Enquanto isso, cresceu, entre mais velhos e jovens, a participação e a militância política na ultradireita fascista que apesar de ter perdido as eleições presidenciais (por muito pouco) mantém firmemente suas posições ideológicas. Aproveitando-se das deficiências sociais da nossa democracia e de alguns de nossos erros na pratica política, colocou-se (falsamente) como antissistema, como defensora da moral e da liberdade (do capital). Assumiu seu caráter subversivo em relação à democracia formal. Aprendeu, antes de nós, as novas formas de militância na “sociedade em rede” como define Manuel Castells. Objetivando, na verdade, a contrarrevolução, a ultradireita brasileira caracterizou-se como “revolucionária”. .

continua após o anúncio

E aqui gostaria de tentar ir um pouco mais longe no tempo e no fundo mais ideológico da correta preocupação de Sader, quando diz que “não temos um discurso que chegue aos jovens...”. Este não é um problema apenas da esquerda brasileira. Os partidos de esquerda da Itália, da Espanha, de Portugal e do Equador queixam-se da mesma coisa.

Estou cada dia mais convencido que no fundo dessa questão da militância está o sentido perdido da revolução. Ainda que difusa e subjetivamente, a juventude é naturalmente revolucionária. Quer virar o mundo, como dizia o jovem poeta J.C. Capinam “ ainda viro esse mundo em festa, trabalho e pão”.

continua após o anúncio

Entendo que o drama da esquerda mundial em relação ao caráter revolucionário que seria inerente à sua própria existência, está na grande e justa revisão iniciada nos anos 60 pelo Partido Comunista Italiano com o compromisso histórico com a democracia. A democracia como valor universal como a ela se referia o saudoso Carlos Nelson Coutinho. O que já era defendido por alguns partidos socialistas no mundo, inclusive pelo PSB no Brasil, passou a se constituir numa bandeira universal da maioria esmagadora da esquerda mundial.

Apesar disso, não conseguimos até hoje equacionar no terreno da prática política o binômio crucial da Democracia e da Revolução. Inúmeros pensadores de esquerda, marxistas ou não, tem se debruçado sobre este tema. São abundantes as formulações teóricas sobre o caráter revolucionário do aprofundamento da democracia. Inclusive o novo programa do Partido Socialista Brasileiro traz no seu Manifesto a afirmação de que “o PSB defende que a revolução brasileira no século XXI não seja insurrecional ou violenta, mas signifique uma transformação estrutural de longo prazo e por meio do aprofundamento da democracia nos âmbitos político, econômico e social”.

continua após o anúncio

Mas o fato é que chegando ao governo pela via democrática e assumindo o compromisso de defender a democracia formal esquecemos, na maioria das vezes, da necessidade de reformar democraticamente a democracia. E não conseguimos popularizar e mobilizar a juventude e o povo para os eventuais avanços econômicos e sociais mesmo sob o regime capitalista.

Passamos a administrar o capitalismo, tentando demonstrar às classes dominantes que faríamos isso melhor que a direita. E frequentemente fizemos isso ao preço de abrirmos mão da crítica ao sistema. Avançamos na área de programas sociais importantíssimos mas, na maioria das vezes, abrindo mão das reformas estruturais.

continua após o anúncio

E aqui uma questão crucial para a juventude: quando abrimos mão da crítica ao capitalismo perdemos também a motivação mais profunda da participação e de militância dos jovens na política que é mudar o mundo. Perdemos a conexão mais universal, a noção de solidariedade, a beleza da luta pela igualdade, impossível no capitalismo. E aí fica muito difícil ligar cada luta por objetivos concretos e imediatos da própria juventude e do povo a algo mais grandioso, ainda que utópico que seria o próprio sentido da revolução.

Creio que em 2013 a luta da juventude pelo Passe Livre e contra os tostões a mais no transporte de São Paulo que se transformou numa luta política, infelizmente apropriada pela direita, teve esse sentido revolucionário. Ligou uma reivindicação concreta e pontual, a um objetivo político mais amplo.

continua após o anúncio

O texto de Emir Sader fala da necessidade dos nossos partidos e movimentos sociais precisarem de um discurso que “chegue aos jovens, que toque nas suas necessidades e preocupações”. Concordo mais uma vez. E tento completar, dizendo que esse discurso deveria ter o poder de vincular essas necessidades e preocupações a um sentido mais amplo de transformação estrutural. Algo que dê sentido à luta dos jovens e às suas próprias existências: a militância revolucionária.

E vamos discutir, nós velhos e os jovens, a revolução brasileira.

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247