Sobre o golpe na Bolívia e a renúncia do Evo

"A opção de Evo por renunciar é, do ponto de vista político, um absoluto desastre, um erro terrível, catastrófico", diz o colunista Valter Pomar. "O povo não terá a chance de renunciar, nem a alternativa do exílio

Siga o Brasil 247 no Google News

O golpe na Bolívia confirma, mais uma vez, os limites da chamada democracia liberal e o real estado de ânimo das classes dominantes latino-americanas. 

É preciso denunciar os golpistas e ser solidário às vítimas. É preciso, também, analisar o que ocorreu.  Derrotas são sempre terríveis. Mas as piores derrotas são as desmoralizantes, em que os líderes não apenas contribuem com seus erros para a derrota, como ainda capitulam praticamente sem lutar.   

Neste sentido, a opção de Evo por renunciar é, do ponto de vista político, um absoluto desastre, um erro terrível, catastrófico.  

PUBLICIDADE

Allende não renunciou e não aceitou o salvo-conduto para sair do Chile. Chavez foi preso mas não renunciou. Entre outros motivos, porque renunciar serviria de argumento para “fantasiar” de “procedente” o golpe.  

Erros e derrotas  fazem parte da luta. Derrotas também. Mas a covardia é facultativa e opcional.  O povo não terá a chance de renunciar, nem a alternativa do exílio.   E a renúncia de Evo não vai ser o fim, vai ser o início de uma brutal perseguição contra as pessoas comuns do povo.  

PUBLICIDADE

Toda a nossa solidariedade aos que seguem combatendo!  

Viva o povo boliviano!!!!

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email