Sochi examina a Utopia de um mundo multipolar

A primeira sessão de Sochi avançou muito em termos de explicitar nossas dificuldades atuais, a começar pela forma com que o incandescente conflito Estados Unidos-China vem se desenrolando

www.brasil247.com - 18ª reunião de Sochi
18ª reunião de Sochi (Foto: Reprodução)


Por Pepe Escobar, para o Asia Times

Tradução de Patricia Zimbres, para o 247

A reunião anual do Clube Valdai sempre se posicionou como absolutamente essencial para a compreensão do incessante movimento das placas tectônicas geopolíticas de toda a Eurásia. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A atual 18ª reunião de Sochi  mais uma vez faz jus às expectativas. O tema geral foi As Transformações Globais no Século XXI: o Indivíduo, os Valores e o Estado. Nela foi aprofundado o tema do "mundo em desintegração" que Valdai vem analisando desde 2018: como ressaltaram os organizadores, esse tema "deixou de ser uma metáfora, para se transformar em uma realidade palpável frente a nossos olhos".
Norteando as discussões em Sochi, Valdai lançou dois intrigantes relatórios capazes de dar muito o que pensar, em especial para o Sul Global: A Era da Pandemia: Ano Dois. O Futuro Está de Volta e História, Continua no Próximo Episódio: a Utopia de um Mundo Diversificado .

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conceito de o "Futuro Está de Volta" significa essencialmente que, após o choque da covid-19, a ideia de um futuro linear e unilateral, concomitante a um "progresso" definido como uma democracia globalizada sacralizando o "fim da história", está morto e enterrado. 

A globalização, tal como formulada pelo neoliberalismo, mostrou ser finita. A possibilidade de resvalarmos para o totalitarismo médico e para o aparato de uma penitenciária de segurança máxima são evidentes por si só. Como observaram alguns dos participantes, o conceito de "biopoder" de Foucault deixou de ser filosofia abstrata. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A primeira sessão de Sochi avançou muito em termos de explicitar nossas dificuldades atuais, a começar pela forma com que o incandescente conflito Estados Unidos-China vem se desenrolando. 

Thomas Graham, do Conselho de Relações Exteriores - a matriz conceitual do establishment americano – recitou as proverbiais banalidades sobre a "nação indispensável" e como ela está "preparada para defender Taiwan", mesmo tendo admitido que "o governo Biden ainda está articulando sua política".

Coube a Zhou Bo, do Centro de Segurança e Estratégia Internacional da Universidade Tsinghua, colocar as perguntas difíceis: se os Estados Unidos e a China estão em competição, "a que distância estaríamos de um conflito?" Ele enfatizou a necessidade de "cooperação," para que não se descambe para um confronto, afirmando entretanto que a China "irá cooperar a partir de uma posição de força".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Zhou Bo também deixou claro que a China "não está  interessada na bipolaridade", em termos de substituir a União Soviética da era da Guerra Fria": afinal, "a China não está competindo com os Estados Unidos em nenhum outro lugar do mundo". Mas, como o centro de gravidade vem se deslocando irreversivelmente para o Leste", ele admitiu que a situação atual "é mais perigosa que a da Guerra Fria".  

Examinando o tabuleiro global, o ex-chanceler brasileiro Celso Amorim enfatizou "o absurdo de o Conselho de Segurança das Nações Unidas ter poder de decisão até mesmo sobre questões relacionadas à pandemia".  Amorim deu voz a uma das principais reivindicações do Sul Global: "a necessidade de uma nova estrutura institucional. A possibilidade mais próxima a isso seria o G-20 - um pouco mais africano, um pouco menos europeu". Esse G-20 seria investido da autoridade que falta ao atual Conselho de Segurança. 

Amorim, portanto, teve que vincular toda a questão à centralidade da desigualdade: seu gracejo sobre "vir de uma região esquecida", a América Latina, foi direto ao ponto. Ele teve também que ressaltar que "nós não queríamos uma Pax Americana". Um passo real e "concreto em direção à multipolaridade seria "uma grande conferência", que poderia ser conduzida por esse "G-20 modificado". 

Togtbaatar Damdin, membro do Parlamento da Mongólia, ao evocar "meu avô ancestral" Genghis Khan, e como ele construiu aquele "imenso império e o chamou de Pax Mongolica", enfocou o que é importante no aqui e agora: "comércio pacífico e integração econômica na Grande Eurásia".  Damdin enfatizou que, "nós [os mongóis] não acreditamos mais na guerra. É muito mais lucrativo nos engajarmos em comércio". 

Um tema constante dessa e de outras sessões do Clube Valdai foi a Guerra Fria e a Guerra Sombra, os novos instrumentos imperiais empregados contra partes da América Latina, o "Grande Oriente Médio" e a Rússia-China, contrastado a um "sistema transparente, regido pelo estado de direito e defendido pelo direito internacional", como colocado por Oksana Sinyavskaya, do Instituto de Política Social da Alta Escola de Economia.

As discussões de Sochi enfocaram, essencialmente, o crepúsculo do atual sistema socioeconômico hegemônico - basicamente o neoliberalismo; a crise do sistema de alianças - como na deterioração da OTAN; e a confluência tóxica da Guerra Híbrida e da pandemia - que colocou bilhões de pessoas sob forte tensão. A conclusão inevitável: o atual sistema internacional é disfuncional e incapaz de lidar com o gerenciamento de crises.   

Entra em cena Lavrov, o rock star

Na mesa redonda que apresentou o relatório Valdai sobre o Segundo Ano da Pandemia, Thomas Gomart, um diretor do Instituto Francês de Relações Internacionais (IFRI), ressaltou o quanto ainda é difícil analisar dados geopolíticos. O fato de os chineses estarem privilegiando o conceito de "civilização ecológica" faz com que as questões de monitoramento tecnológico - como, por exemplo, a concepção do crédito social - ocupem agora o primeiro plano.

E, enquanto mergulhamos cada vez mais fundo nas "guerras invisíveis" – na terminologia do próprio Gomart – enfrentamos uma convergência tóxica de degradação ambiental e hiperconcentração das plataformas digitais. 

Gomart insistiu também em dois pontos cruciais que tendem a escapar a muitas análises vindas de todo o Sul Global: Washington decidiu permanecer como o primus inter pares, e não irá abdicar dessa posição aconteça o que acontecer. Isso ocorre ao mesmo tempo em que o Capital Global - com seu viés pesadamente pró-EUA - deseja encontrar a nova China.
Essa colocação preparou a cena para Nelson Wong, o vice-presidente do Centro de Xangai para  Estudos Internacionais e Estratégicos sobre a Orla do Pacífico, diplomaticamente destroçar as táticas de Dividir e Dominar e a obsessão dos Estados Unidos com jogos de soma-zero. Wong insistiu que a China "não tem uma atitude hostil contra os Estados Unidos", e que seu objetivo é uma "ascensão pacífica".

Mas o mais importante é que Wong assegurou que "O mundo pós-pandemia são será determinado pelo resultado do confronto entre Estados Unidos e China, nem pela divisão do mundo em dois campos rivais". Essa perspectiva esperançosa implica que o Sul Global acabará por ganhar voz - alinhado à proposta de Amorim de um G-20 aperfeiçoado.     

O Chanceler russo Sergey Lavrov, como não poderia deixar de ser, brilhou como o grande rock star de Valdai na sessão especial de perguntas e respostas.

É significativo que as discussões de Valdai em Sochi ocorram no momento em que Moscou decidiu suspender os trabalhos de sua missão diplomática na OTAN a partir de 1º de novembro  e fechar o escritório informativo da OTAN em Moscou. Lavrov já havia afirmado que a Rússia desistiu de fingir que mudanças nas relações com a OTAN sejam possíveis em um futuro próximo: de agora em diante, se eles quiserem conversar, devem entrar em contato com o embaixador russo na Bélgica.    

Uma das questões colocadas em Sochi gira em torno de Moscou esperar que a OTAN dê o primeiro passo para melhorar as relações. Lavrov, mais uma vez, teve que repetir o óbvio: "Sim, partimos desse princípio. Jamais tomamos a iniciativa de prejudicar nossas relações com a OTAN, com a União Europeia ou com qualquer outro país ocidental ou de qualquer região do mundo. Todos conhecem bem essa história. Quando Saakashvili, em agosto de 2008, deu a ordem criminosa de bombardear a cidade de Tskhinval e as posições das missões de paz (inclusive russas), a Rússia insistiu em reunir o Conselho Rússia-OTAN para examinar a situação. A então Secretária de Estado dos Estados Unidos Condoleeza Rice recusou-se categoricamente, embora o Ato Fundador do Conselho determine que ele deveria agir em quaisquer "circunstâncias", especialmente em situações de crise. Esse é apenas um dos exemplos que marcaram o início do atual estado de coisas entre os Estados Unidos e a OTAN".

A Rússia, portanto, ditou novas regras para o jogo (atlanticista): só conversamos com quem manda, ignoramos os subalternos. Quanto à OTAN, agora posicionada para criar "capacidades" a serem usadas contra a China, o Sul Global pode se preparar para uma boa sessão coletiva de risadas – tendo em vista a recente humilhação sofrida pela OTAN no Afeganistão. 

Uma vez que um entrelaçamento geoeconômico cada vez maior entre a União Europeia e a China é inevitável, a disfuncional OTAN conseguirá, no máximo, continuar rondando como um bando zumbi de cães danados. Bem, esse seria um bom tema-Utopia para Valdai 2022. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email