Soy loco por ti, Colômbia!

"O que aconteceu na Colômbia é um exemplo para o Brasil. A extrema-direita tentou confundir o eleitor. Não deu certo lá, não dá certo aqui", afirma Alex Solnik

www.brasil247.com - Gustavo Petro e Francia Márquez
Gustavo Petro e Francia Márquez (Foto: REUTERS/Santiago Arcos)


Depois de uma campanha polarizada, extremamente agressiva, que opôs a direita à esquerda, as urnas falaram, a esquerda venceu e ninguém chiou.

O candidato derrotado reconheceu a derrota. Não contestou o resultado, embora tenha sido apertado. Não justificou a derrota com narrativas de fraude. 

O atual presidente, que não elegeu sucessor, também reconheceu o presidente eleito e já o convidou para iniciar a transição. O Exército não se manifestou. Os Estados Unidos não deram um pio. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O que aconteceu na Colômbia é um exemplo para o Brasil. Lá, como cá, a extrema-direita tentou confundir o eleitor, vendendo a ideia de que a esquerda é sinônimo de comunismo. Não deu certo lá, não dá certo aqui.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quem estudou um pouco sabe que ninguém impõe o comunismo através de eleições, só por meio de uma revolução, um golpe de estado. Também é público e notório que o proselitismo comunista acabou com o fim da União Soviética. Países comunistas não se empenham na exportação de sua ideologia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os arroubos autoritários de Bolsonaro estão fora de moda. A direita fracassou na América Latina, a economia está na UTI, as pessoas ficaram mais pobres, por isso perde uma eleição atrás de outra. Chegou a vez da esquerda.

Em vez de culpar as pesquisas ou as urnas por sua derrota, em vez de ameaçar o estado de direito, ele deveria ser um devoto da democracia, pois, graças a ela, os derrotados sempre têm uma nova chance de quatro em quatro anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email