STF pode julgar tranquilo: Exército não vai intervir

"Não há risco de o Supremo ser fechado por 'um soldado e um cabo' se votar pela suspeição do ex-juiz Sérgio Moro e anulação do julgamento do ex-presidente Lula", diz Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

www.brasil247.com -


Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

A rejeição do Alto Comando do Exército ao pleito do general Otavio Rego Barros que tencionava receber a quarta estrela é um claro revés não só de Rego Barros, mas do governo Bolsonaro.

Se ele alimentava alguma esperança de contar com o apoio do Exército para alguma aventura do tipo autogolpe, pode tirar seu cavalinho da chuva.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Exército sinaliza que não engoliu a demissão truculenta e imotivada do general Santos Cruz, nem está disposto a seguir a cartilha bolsonarista, ao nomear um general que serviu ao governo Dilma para chefiar o Comando Militar da Região Sudeste em lugar do ex-comandante que foi para o governo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A decisão também dá a entender que as pressões dos generais Eduardo Villas Boas e Augusto Heleno sobre o STF são de suas responsabilidades, não representando alinhamento automático do Alto Comando às suas teses.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não há risco de o Supremo ser fechado por “um soldado e um cabo” se votar pela suspeição do ex-juiz Sérgio Moro e anulação do julgamento do ex-presidente Lula. 

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email