STF pode julgar tranquilo: Exército não vai intervir

"Não há risco de o Supremo ser fechado por 'um soldado e um cabo' se votar pela suspeição do ex-juiz Sérgio Moro e anulação do julgamento do ex-presidente Lula", diz Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

A rejeição do Alto Comando do Exército ao pleito do general Otavio Rego Barros que tencionava receber a quarta estrela é um claro revés não só de Rego Barros, mas do governo Bolsonaro.

Se ele alimentava alguma esperança de contar com o apoio do Exército para alguma aventura do tipo autogolpe, pode tirar seu cavalinho da chuva.

O Exército sinaliza que não engoliu a demissão truculenta e imotivada do general Santos Cruz, nem está disposto a seguir a cartilha bolsonarista, ao nomear um general que serviu ao governo Dilma para chefiar o Comando Militar da Região Sudeste em lugar do ex-comandante que foi para o governo.

A decisão também dá a entender que as pressões dos generais Eduardo Villas Boas e Augusto Heleno sobre o STF são de suas responsabilidades, não representando alinhamento automático do Alto Comando às suas teses.

Não há risco de o Supremo ser fechado por “um soldado e um cabo” se votar pela suspeição do ex-juiz Sérgio Moro e anulação do julgamento do ex-presidente Lula. 

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email