Subserviência assimilada

“A Bolívia seguirá sendo um laboratório e um duro comparativo para o Brasil, que assimilou um golpe atrás do outro e segue sem capacidade de reação soberana”, avalia Carol Proner

Festa da vitória do presidente eleito na Bolívia, Luís Arce, do MAS (partido de Evo Morales); 19/10/2020
Festa da vitória do presidente eleito na Bolívia, Luís Arce, do MAS (partido de Evo Morales); 19/10/2020 (Foto: Twitter)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

As recentes eleições na Bolívia são mais que eleições, como dizem muitos analistas. Precisam ser vistas com calma, pois explicam a superação popular de um duríssimo golpe de Estado, com Supremo, com tudo. E isso apenas um ano depois da ingerência explícita da OEA. 

Bolsonaro somente agora reconheceu a vitória do MAS. O opositor Camacho também demorou, e reconheceu prometendo ferrenha oposição. Será interessante observar como se rearticulam as forças golpistas. 

A Bolívia seguirá sendo um laboratório e um duro comparativo para o Brasil, que assimilou um golpe atrás do outro e segue sem capacidade de reação soberana. Por aqui, tudo é mais importante que defender a soberania: brigar com os aliados para provar que as alianças são impossíveis, seduzir o novo ministro do Supremo a julgar do “nosso lado”, defender vacinas eleitorais, e assim seguimos ladeira abaixo, assimilando nossa subserviência.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247