Superlucros da Petrobras em 2021: preços elevados dos derivados e redução dos custos de extração do petróleo

Segundo o professor do Instituto de Economia da UFRJ, Eduardo Costa Pinto, os dados evidenciam que o superlucro da Petrobras em 2021, em relação as grandes petroleiras do setor, "é fruto da atual política de precificação, estruturada a partir do PPI, e da redução dos custos de extração do petróleo, sobretudo com os ganhos de produtividade por poço no pré-sal"

www.brasil247.com - Bolsonaro com Paulo Guedes e refinaria da Petrobras
Bolsonaro com Paulo Guedes e refinaria da Petrobras (Foto: Reuters)


A Petrobras no 3T2021 (no acumulado de 12 meses) registou enormes lucros líquidos (de US$ 24,8 bi/R$ 135 bi) e geração de caixa operacional (US$ 34,8 bi/R$ 189 bi), que se refletiram em um desempenho extremamente favorável, expressos nos seguintes indicadores: i) margem de lucro (lucro líquido sobre receitas de vendas) de 34%; ii) margem de geração de caixa operacional (caixa sobre a receita de vendas) de 48%; e iii) retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) de 36%.

Esse desempenho financeiro obtido pela Petrobras é no mínimo, três vezes superior à média do desempenho das maiores petroleiras internacionais. O ROE médio das petroleiras internacionais no 3T21 (no acumulado de 12 meses) foi de 5,4%, ao passo que o da Petrobras foi setes vezes superior (36%). Essa enorme diferença também pode ser observada em outros índices de desempenho, conforme Gráfico 1. 

Gráfico 1

Fonte: Economática (Elaboração própria)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esses dados evidenciam que a Petrobras está obtendo superlucros, muito acima das grandes empresas do setor. Mas como isso é possível? Quais são os fatores que explicam esse superlucro? 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Elementos explicativos do superlucro da Petrobras 

Os dois principais fatores explicativos do superlucro da Petrobras são: 1) a política de precificação dos derivados da Petrobras, que utiliza a Paridade de Preço de Importação (PPI) como a premissa para rodar o modelo de maximização da atividade de produção e financeira do refino, dada as restrições técnicas das refinarias; e 2) a redução dos custos de exploração e produção de petróleo, sobretudo com a redução dos custos de extração (lifting cost) do petróleo extraído no pré-sal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com o atual formato de precificação dos derivados, Petrobras passou a exercer o seu poder de mercado por meio da prática de preços monopolistas – que proporcionam as maiores margens de lucro – nas refinarias, buscando maximizar os lucros para os seus acionistas, em detrimento dos consumidores. Com isso, a Petrobras deixou de funcionar como um instrumento da política energética do Estado brasileiro – que deveria ter como objetivos garantir, ao mesmo tempo, a segurança de abastecimento, o crescimento econômico e o acesso energético aos mais vulneráveis – para se tornar uma empresa que está estritamente preocupada com a sua acumulação interna de capital. 

Para isso, a empresa tem maximizado os seus lucros, com a precificação de derivados vendidos ao mercado interno, atrelado a sua principal receita unitária (preços de derivados para o mercado interno) ao preço internacional, sendo que parte dos custos operacionais do refino (e do abastecimento, que incluem as importações de derivados), cerca de 35%, não possuem essa aderência aos preços internacionais.   

A maior parte do custo do refino (cerca de 60%) é originária da utilização de petróleo (carga fresca) para o refino de derivados, sendo que cerca de 90% desse total de petróleo processado foi produzido/extraído pela própria Petrobras, com custos operacionais estimados da ordem de US$ 28 por barril, na média do 3T21, cerca de 39% do preço médio do Brent para o mesmo período (US$ 73 por barril) (Gráfico 2).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Grafico 2

Fonte: dados balanço da Petrobras (elaboração própria)

Ao observarmos a evolução dos principais componentes do custo operacionais da produção e comercialização do petróleo da Petrobras, ao longo de 2020 e 2021, no cotejo com a evolução dos preços do Brent (Gráfico 2), verificasse que apenas a participação governamental tem uma correlação expressiva com a evolução do preço internacional do petróleo (de 92%). O custo de extração (lifiting cost), por exemplo, apresentou uma correlação mais baixa (de 38%) em relação às variações do preço internacional do petróleo, ao passo que Depreciação, depleção e amortização e outros custos apresentou uma correlação bem pequena (menos de 5%) em relação ao preço do Brent (Gráfico 2).            

Chama atenção à continua redução do lifting cost da Petrobras que foi de US$ 6,66 por barril no 3T21, queda de 40% em relação aos custos de 2017 (US$ 11,3 por barril). Sendo que os custos de extração do petróleo no pré-sal, foi de US$ 4,35 por barril no mesmo período, 34% menor na comparação entre o 3T21 e o 2T18. Isso impacta significativamente na redução dos custos operacionais da Petrobras.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após a extração, a Petrobras tem duas opções quanto a destinação dada ao petróleo. Pode refiná-lo transformando-o em derivados (diesel, gasolina, gás liquefeito de petróleo, etc.) ou exportá-lo para o mercado externo. Essa proporção depende da capacidade produtiva e tecnológica das refinarias; dos preços dos derivados e do petróleo exportado e dos custos do E&P e refino. Para cada uma dessas opções, a Petrobras possui custos e preços diferenciados a fim de garantir uma determinada margem tanto o petróleo refinado, como para aquele cujo destino é a exportação. 

Como a Petrobras é uma empresa integrada verticalmente em que a área de E&P repassa o petróleo para a área de refino, em que ela realiza a importação de petróleo e derivados, entre outros processos de integração; estimou aqui o custo operacional do refino (sem impairment e sem venda de ativos e considerando a importações de derivados) levando em conta essa característica da empresa.

Dessa forma integrada, o custo estimado médio operacional (3T2021) do refino (levando em conta a importações de derivados) foi de US$ 45 por barril (Gráfico 3), sendo que os principais gastos incorridos foram: 1) o custo da carga fresca processada foi de US$ 28 por barril; 2) o custo dos derivados importado foi de US$ 8 por barril; 3) o custo de depreciação e amortização do refino foi de US$ 3,2 por barril; e 4) as despesas, incluindo os custos de refino, foi de US$ 6,1 por barril.

Grafico 3

Fonte: dados balanço da Petrobras (elaboração própria)

Com essa estrutura de receitas e custos operacionais do refino e do petróleo exportado, as duas maiores fontes de ganhas, a Petrobras obteve resultados positivos, no 3T21, de US$ 32 por barril e de US$ 45 por barril, respectivamente (Gráfico 2 e 3). Isso proporcionou margens operacionais no refino (e comercialização dos derivados) e na exportação de petróleo de 40% e 48%, respectivamente (sem levar em conta a venda de ativos e os impairments). Após a incorporação dos resultados operacionais das outras atividades, o resultado financeiro e os impostos, a Petrobras obteve uma margem sobre o lucro líquido de 36%, conforme apresentado anteriormente.

Os dados em tela evidenciam que superlucro da Petrobras em 2021, em relação as grandes petroleiras do setor, é fruto da atual política de precificação, estruturada a partir do PPI, e da redução dos custos de extração do petróleo, sobretudo com os ganhos de produtividade por poço no pré-sal. 

Quem ganha com os superlucros

O superlucro da Petrobras, em 2021, tem sido utilizado utilizados para realizar antecipações de pagamento de dívidas (cerca de R$ 100 bilhões; mesmo quando a relação Dívida líquida/EBITDA no acumulado 12 meses da Petrobras já estava abaixo da média das médias das petroleiras estrangeiras desde o 1T2021); e para remunerações extraordinárias para os seus acionistas, que será da ordem de R$ 63 bilhões em 2021.

Desse total da remuneração aos acionistas, R$ 23,2 bilhões irão para o governo federal e para o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social); R$ 25,6 bilhões para os acionistas não brasileiros (NYSE-ADRs, B3, CRGI e Blackrock); e R$ 14,3 bilhões para os acionistas privados brasileiros.

Ganham os credores financeiros e os acionistas no curto prazo. Perdem os consumidores, que passaram a pagar mais caro pelos derivados – sendo que o preço do botijão de gás, já representa cerca de 10% do salário-mínimo –, e a empresa que adota uma estratégia financeira de curto prazo, sem olhar para as perspectivas de longo prazo do setor energético. A renda petrolífera, cada vez maior, em decorrência do pré-sal, está sendo apropriada por poucos e de forma acelerada sem uma preocupação com o futuro do país, muito menos com as questões da segurança de abastecimento, sobretudo para a população mais pobre, e do desenvolvimento nacional.  

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email