Suprema injustiça

A ministra Cármen Lúcia poderia demonstrar que sua preocupação com as contas públicas também alcança o Poder Judiciário. Para permitir o descumprimento de uma lei federal e autorizar o arrocho o salarial de uma categoria já tão desvalorizada como o magistério, ela não pensou duas vezes

A ministra Cármen Lúcia poderia demonstrar que sua preocupação com as contas públicas também alcança o Poder Judiciário. Para permitir o descumprimento de uma lei federal e autorizar o arrocho o salarial de uma categoria já tão desvalorizada como o magistério, ela não pensou duas vezes
A ministra Cármen Lúcia poderia demonstrar que sua preocupação com as contas públicas também alcança o Poder Judiciário. Para permitir o descumprimento de uma lei federal e autorizar o arrocho o salarial de uma categoria já tão desvalorizada como o magistério, ela não pensou duas vezes (Foto: Carlos Giannazi)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

No último dia 7, foi publicada uma decisão da presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, que atingiu em cheio os professores da rede estadual paulista. A magistrada, acolhendo pedido da Procuradoria-Geral do Estado, suspendeu o reajuste linear de 10,15% para toda a categoria, que já havia sido determinado em primeira instância pela 7ª Vara da Fazenda Pública e confirmado pela Segunda Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo.

A ação civil pública ajuizada pela Apeoesp tem um argumento muito forte, uma vez que exige apenas o cumprimento do Piso Nacional do Magistério instituído pela Lei federal 11.738/2008. O salário-base de R$ 2.455,35 para a jornada de 40 horas é pago sem maiores dificuldades por Estados como Maranhão e Piauí, mas o governo de São Paulo alega que não poderia arcar com o aumento na folha de pagamento, que seria de R$ 1,6 bilhão. Não aceitamos essa desculpa, porque somente em desonerações fiscais concedidas a grandes grupos econômicos o tesouro deixa de arrecadar R$ 15 bilhões por ano.

Outro ponto que nem chegou a ser mencionado na ação da Apeoesp é a questão da Jornada do Piso, instituída também pela Lei 11.738/2008. Segundo a regra, deve ser respeitado o limite de dois terços da carga horária no desempenho de atividades com os alunos. Ou seja, atividades como preparação de aulas e correção de provas têm de ser computadas como parte da jornada, e não como uma obrigação extra, não remunerada, que o professor realiza em seu tempo livre.

O não cumprimento do Piso Nacional do Magistério tem pouca sustentação sob o aspecto fiscal. A ministra aponta que a manutenção da decisão da Justiça estadual importaria grave risco de lesão à ordem e à economia públicas. Isso porque nos dados apresentados pela PGE está o cálculo do impacto do aumento nas despesas com pessoal, que chegariam a R$ 72 bilhões, o equivalente a 46,73% da receita corrente líquida, ultrapassando o limite prudencial de 46,55% da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Em primeiro lugar, temos que considerar que a aplicação do índice de 10,15% para o magistério não é um aumento de salário. É o cumprimento de lei federal que não repõe minimamente as perdas que a categoria tem acumulado durante os anos que tem sido vítima da política tucana de ódio e de ataque aos servidores, com violações sistemáticas à lei da data-base salarial. Em segundo, o Estado ficaria ainda longe do limite máximo da LRF, que é de 49% da receita em gastos com folha. Existe sim espaço para a valorização do servidor.

Por fim, seria muito mais honesto que a PGE se empenhasse em cobrar as empresas com valores inscritos na Dívida Ativa do Estado, sobretudo aquelas que se beneficiam com desonerações tributárias. Só entre os frigoríficos, a Sadia deve R$ 1,5 bilhão; a Distribuidora de Carnes de São Paulo, R$ 1,2 bilhão; e a Grandes Lagos, R$ 620 milhões. A cobrança dessas três empresas seria suficiente para garantir o reajuste dos professores dois anos.

Já a ministra Cármen Lúcia poderia demonstrar que sua preocupação com as contas públicas também alcança o Poder Judiciário. Para permitir o descumprimento de uma lei federal e autorizar o arrocho o salarial de uma categoria já tão desvalorizada como o magistério, ela não pensou duas vezes. Quem dera ela tivesse a mesma presteza no sentido de acabar com os "penduricalhos" que elevam os salários dos juízes acima do teto constitucional.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247