Temer joga pesado contra a mais combativa defensora de Dilma

"A intenção evidente foi atingir Gleisi, talvez a mais combativa militante pro-Dilma na comissão do impeachment. Não foi uma operação simplesmente policial, mas política. A primeira missão de Moraes em prol à permanência de Temer. Missão cumprida", afirma Alex Solnik, colunista do 247; ele lembra que, "não por acaso, na entrevista a Roberto D'Ávila, Temer afirmou que a onda de acusações a seus ministros iria parar"

"A intenção evidente foi atingir Gleisi, talvez a mais combativa militante pro-Dilma na comissão do impeachment. Não foi uma operação simplesmente policial, mas política. A primeira missão de Moraes em prol à permanência de Temer. Missão cumprida", afirma Alex Solnik, colunista do 247; ele lembra que, "não por acaso, na entrevista a Roberto D'Ávila, Temer afirmou que a onda de acusações a seus ministros iria parar"
"A intenção evidente foi atingir Gleisi, talvez a mais combativa militante pro-Dilma na comissão do impeachment. Não foi uma operação simplesmente policial, mas política. A primeira missão de Moraes em prol à permanência de Temer. Missão cumprida", afirma Alex Solnik, colunista do 247; ele lembra que, "não por acaso, na entrevista a Roberto D'Ávila, Temer afirmou que a onda de acusações a seus ministros iria parar" (Foto: Alex Solnik)

Sempre que num caso policial havia dúvida a respeito do autor, Mino Carta costumava perguntar à redação: Qui prodest? (A quem interessa?)
A resposta, no caso dessa prisão de Paulo Bernardo e busca e apreensão em seu apartamento, que é uma residência oficial, pois sua mulher é a senadora Gleisi Hoffmann é uma só: interessa a Temer.

A visita do ministro da Justiça à sede da Lava Jato, em Curitiba, na terça-feira, é muito suspeita. E misteriosa, porque não havia motivo, a não ser passar ou receber informações sigilosas.

A desculpa de Alexandre de Moraes - de que foi até lá oferecer apoio - é uma história da carochinha. Para fazer isso ele não precisaria ir até lá. Poderia enviar um ofício, diretamente de seu gabinete.

Encontro pessoal dá ensejo a especulações de que o assunto era sigiloso. O ministro da Dilma jamais fez esse tipo de visita.

O fato de a iniciativa partir de São Paulo é outro indício de que a operação tem as digitais de Moraes, que foi secretário da Segurança Pública de São Paulo e tem fortes ligações com agentes da repressão do estado.

A intenção evidente foi atingir Gleisi, talvez a mais combativa militante pro-Dilma na comissão do impeachment. Não foi uma operação simplesmente policial, mas política. A primeira missão de Moraes em prol à permanência de Temer. Missão cumprida.

Não por acaso, na entrevista a Roberto D'Ávila, Temer afirmou que a onda de acusações a seus ministros iria parar.

É o caso de fazer uma investigação a respeito dessa investigação.

Temer não pode usar a polícia para influenciar a votação do impeachment, que foi a consequência evidente do que aconteceu hoje.

Além de cabalar votos, o governo está jogando pesado contra os senadores da comissão. Gleisi foi a primeira vítima.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247