Temer não está na lista, mas está

"Em virtude de uma formalidade da Constituição de 1988, que impede que um presidente da República seja investigado por atos anteriores ao mandato, Temer não está na lista de Janot ou lista da Odebrecht. No entanto, mesmo sem estar fisicamente na lista, ele está nela implicitamente por meio de seus principais colaboradores, seja do PMDB, do PSDB e do ministério", diz o colunista do 247 Alex Solnik; ele lembra que os nomes que vieram à luz até agora estão no topo da pirâmide do PMDB e do PSDB e questiona: "Como é que a reforma da Previdência vai seguir em frente com as negociações comandadas por Eliseu Padilha, por Maia na Câmara e Eunício e Jucá no Senado, todos no listão e, portanto, suspeitos?"

"Em virtude de uma formalidade da Constituição de 1988, que impede que um presidente da República seja investigado por atos anteriores ao mandato, Temer não está na lista de Janot ou lista da Odebrecht. No entanto, mesmo sem estar fisicamente na lista, ele está nela implicitamente por meio de seus principais colaboradores, seja do PMDB, do PSDB e do ministério", diz o colunista do 247 Alex Solnik; ele lembra que os nomes que vieram à luz até agora estão no topo da pirâmide do PMDB e do PSDB e questiona: "Como é que a reforma da Previdência vai seguir em frente com as negociações comandadas por Eliseu Padilha, por Maia na Câmara e Eunício e Jucá no Senado, todos no listão e, portanto, suspeitos?"
"Em virtude de uma formalidade da Constituição de 1988, que impede que um presidente da República seja investigado por atos anteriores ao mandato, Temer não está na lista de Janot ou lista da Odebrecht. No entanto, mesmo sem estar fisicamente na lista, ele está nela implicitamente por meio de seus principais colaboradores, seja do PMDB, do PSDB e do ministério", diz o colunista do 247 Alex Solnik; ele lembra que os nomes que vieram à luz até agora estão no topo da pirâmide do PMDB e do PSDB e questiona: "Como é que a reforma da Previdência vai seguir em frente com as negociações comandadas por Eliseu Padilha, por Maia na Câmara e Eunício e Jucá no Senado, todos no listão e, portanto, suspeitos?" (Foto: Alex Solnik)

Em virtude de uma formalidade da Constituição de 1988, que impede que um presidente da República seja investigado por atos anteriores ao mandato, Temer não está na lista de Janot ou lista da Odebrecht.

A constituição não diferencia mandato conquistado nas urnas do obtido no tapetão, o que excluiria Temer dos beneficiados pelo artigo.

No entanto, mesmo sem estar fisicamente na lista, ele está nela implicitamente por meio de seus principais colaboradores, seja do PMDB, do PSDB e do ministério.

Temer está na lista porque seu principal braço-direito, no partido e no governo, Eliseu Padilha, está na lista; assim como Rodrigo Maia, pessoalmente colocado por Temer na presidência da Câmara dos Deputados e que não faz outra coisa senão o que seu chefe (Temer) mandar; assim como Moreira Franco, sogro de Maia, para quem Temer criou um ministério só para ele ganhar foro privilegiado; assim como Romero Jucá, seu regra três provisório na presidência do PMDB, ex-ministro e líder do governo no Senado; assim como Eunício de Oliveira, que Temer colocou na presidência do Senado; assim como Renan Calheiros, seu principal escudo contra as investidas de Eduardo Cunha; assim como Bruno Araújo que Temer colocou no Ministério das Cidades; assim como Gilberto Kassab que Temer colocou no Ministério da Ciência e Tecnologia; assim como Aécio Neves que Temer transformou em principal sócio do governo; assim como José Serra que tentou na última jogada desvincular-se do governo, mas esteve nele, pelas mãos de Temer; assim como Aloysio Nunes Ferreira, que correu para ocupar a cadeira vazia de Serra.

Temer está na lista porque todos os seus amigos menos graduados do que ele estão.

Temer está na lista porque todos os conspiradores-chefes que derrubaram a presidente Dilma estão. Essa é a maior ironia. Os conspiradores que acusaram Dilma de crime de responsabilidade estão na linha de frente das relações criminosas com a Odebrecht.

Falta mais alguma prova para deduzir que os conspiradores a derrubaram porque ela jamais os defenderia da Lava Jato, o que esperavam que Temer fizesse?

Embora as consequências jurídicas não sejam imediatas, os danos políticos são. Os nomes que vieram à luz até agora são os do topo da pirâmide do PMDB e do PSDB, ainda não sabemos quem são os deputados e senadores menos badalados que lhes fazem companhia.

Os desdobramentos tanto podem unir os atingidos – "corruptos unidos jamais serão vencidos" – como provocar um motim ainda maior nas linhas governistas.

Às vésperas das eleições de 2018 muitos parlamentares "aliados", que não entraram na lista, poderão concluir que permanecendo ao lado do governo tão identificado com corrupção, principalmente nas votações mais polêmicas, dificilmente vão se reeleger. Vão correr o risco de aprovar a reforma da Previdência e perder o mandato nas urnas?

E mais: como é que a reforma da Previdência vai seguir em frente com as negociações comandadas por Eliseu Padilha, por Maia na Câmara e Eunício e Jucá no Senado, todos no listão e, portanto, suspeitos?

Temer pode continuar dizendo que está tranquilo, mas os brasileiros não estão.

Temer não está na lista, mas está na boca do povo.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247