Temer, o enquadrador-geral da República

Recordista histórico nacional e conjuntural mundial em impopularidade, contrariou o wishful thinking permanente à esquerda, conspirações midiáticas à direita e se manteve no Palácio do Planalto derrotando não uma, mas duas denúncias da Procuradoria-Geral da República

Presidente Michel Temer no Palácio do Planalto 15/12/2017 REUTERS/Adriano Machado
Presidente Michel Temer no Palácio do Planalto 15/12/2017 REUTERS/Adriano Machado (Foto: Leopoldo Vieira)

O ano de 2017 tem três grandes vencedores: o ex-presidente Lula, o deputado Jair Bolsonaro e o presidente Michel Temer.
 
Lula manteve-se líder em todos os cenários eleitorais para o ano que vem, apesar da desvantagem no noticiário, denúncias, condenação em primeira instância e marcação da data de sua condenação em segunda. Na verdade, além da resiliência na liderança presidencial, reduziu sua rejeição ao patamar histórico dela e aumentou sua aprovação. Não será nenhuma surpresa se aparecer, no primeiro semestre, exatamente após 24 de janeiro, em hipótese de vitória no primeiro turno.
 
Jair Bolsonaro resistiu a todas as bolhas de outsiders e, sendo o mais autêntico deles, segurou sua segunda colocação nas intenções de voto, com inteligentes movimentos ao centro, colocando o radicalismo populista de direita onde nunca esteve.
 
Mas Michel Temer não ficou atrás.
 
Recordista histórico nacional e conjuntural mundial em impopularidade, contrariou o wishful thinking permanente à esquerda, conspirações midiáticas à direita e se manteve no Palácio do Planalto derrotando não uma, mas duas denúncias da Procuradoria-Geral da República.
 
A despeito deste cenário, aprovou uma reforma trabalhista inédita (sem entrar no mérito), alterou o sistema informal de escolha da PGR, indicou um político para a suprema corte, exonerou o mais longevo diretor da Polícia Federal e negociou com o Congresso Nacional, às claras, com todos os detalhes que o sistema político nacional permite.
 
Temer colocou sob suas rédeas o PSDB e não perdeu o protagonismo para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, mesmo após as denúncias. Administrou politicamente os interesses do mercado, mantendo-o dependente da gestão. Do alto de condições muito adversas, nomeou ministro da articulação política um deputado abertamente ligado a Eduardo Cunha, prócer do Impeachment de Dilma Rousseff, Carlos Marun, e segue em marcha para aprovar a Reforma da Previdência no retorno do ano legislativo.
 
Ela é uma questão decisiva para a estratégia de Temer e seu núcleo, pois disputam a condição de interlocutor central para reger o candidato do governismo e da centro-direita. Acreditando firmemente na hipótese de vencer as eleições de 2018, já deixou claro, por meio do ministro Meirelles e do senador Jucá, que um tucano só terá chance a esta vaga se defender o governo.
 
Mas o mais inusitado e ousado apareceu em reportagem Temer se encontrou com cúpula da Globo para discutir delação e reforma, da Folha de São Paulo deste dia 21.
 
Em encontro reservado com João Roberto Marinho, em São Paulo, propôs que o sistema da emissora mudasse sua maneira de cobrir o governo federal, haja vista que, segundo o presidente, muitas coisas nas delações são "inconclusivas" e citou como exemplo o caso em que a Globo foi envolvido de suposto pagamento de propinas para transmissão de jogos da FIFA, juntamente com cartolas da CBF em delicada situação penal.
 
Como se sabe, a Globo não conseguiu ver deposto o governo Michel Temer, pelo que fez campanha aberta em seus veículos após o áudio controverso dos donos da J&F, parte da delação premiada que também complicou a vida do ex-PGR Rodrigo Janot que, por pouco, não teve sua prisão pedida pela CPI da JBS.
 
E o argumento presidencial é semelhante, haja vista que Raquel Dodge enviou para o RJ um pedido de investigação da emissora carioca protocolado pelos partidos de oposição, mas nada impede que uma comissão parlamentar em Brasília queira investigar o veículo, a partir do que os resultados, após uma sequência de prováveis escândalos, teriam de ser apurados pela PF e pelo MPF.
 
Um xeque-mate, em mais uma façanha inacreditável de Temer.
 
Por isso que se diz que impossível é aquilo que ninguém foi lá e fez.
 
O exemplo vale para os 6% que aprovam a gestão e todo o resto que a desaprova, principalmente para os que preferem racionar politicamente na zona de conforto, terreno conhecido e dentro da caixinha de sua predileção.
 
Temer só não consegui enquadrar a recessão e o desemprego, duas coisas que terão muita voz e voto em 2018, reduzindo drasticamente a margem para um candidato reformista liberal.
 
Um Feliz Natal e Próspero Ano Novo a todas e todos.
 
PS: Aqui vai um glossário que julgo imprescindível para 2018: 1) Outsiders = não players do establishment até a ascensão; biografias legitimadas fora do sistema político e seu modus operandi; 2) Centro =  os mais moderados à direita e à esquerda.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247