Temer “ri por dentro” com prisão de Joesley

Michel Temer 'ri por dentro' porque ganha fôlego para continuar dilapidando o patrimônio público brasileiro e arrancando direitos dos trabalhadores. Além das privatizações de 57 empresas, o Tinhoso almeja o fim da aposentadoria dos que labutam

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Michel Temer (PMDB) já sabia, em junho, que o ex-procurador Marcelo Miller era homem da "mais estrita confiança do procurador-geral" antes de deixar o cargo para reforçar a equipe de advogados do grupo JBS.

Pois bem, a prisão do poderoso dono da JBS, Joesley Batista, e seu braço direito Ricardo Saud, neste domingo (10), é mais um desdobramento daquele episódio da gravação de Temer no Palácio Jaburu e, consequentemente, da prisão do ex-deputado Rocha Loures (PMDB-PR).

Em pronunciamento no dia 27 de junho, o peemedebista atacou o procurador geral da República, Rodrigo Janot, que fez a denúncia contra ele, chamou o empresário Joesley Batista, da JBS, de "bandido" e afirmara que não havia provas concretas contra ele.

"O autor do grampo está livre e solto passeando pelas ruas de Nova York", dissera naquela época um acuado Michel Temer.

Agora, 75 dias depois do pronunciamento do peemedebista, o próprio Janot acusa o seu ex-faz-tudo na PGR de "participação em organização criminosa, obstrução às investigações e exploração de prestígio". Entretanto, o ministro do STF Edson Fachin negou o pedido de prisão de Miller.

Michel Temer 'ri por dentro' porque ganha fôlego para continuar dilapidando o patrimônio público brasileiro e arrancando direitos dos trabalhadores. Além das privatizações de 57 empresas, o Tinhoso almeja o fim da aposentadoria dos que labutam.

Sobre essas prisões sem-fim da lava jato? É de uma bobagem incrível. Não passa de um fetiche de procuradores e juízes que querem holofotes. Se resolvesse alguma coisa o Brasil já seria outro, pois desde o "Mensalão", há 12 anos, nunca se prendeu tanto e as condições econômicas (que realmente interessam ao povo) se degradam cada vez mais neste país.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247