Temos ódio à ditadura, ódio e nojo

Hoje, após 57 anos, a vasta historiografia sobre o tema nos mostra que o golpe não foi apenas contra “as reformas”, o “populismo” ou o “comunismo”, mas sim para derrotar as esquerdas, aniquilar suas lideranças e impedir a realização de qualquer projeto político que buscasse incluir o povo através de um modelo democrático e popular



A ditadura militar, iniciada com o golpe ocorrido na madrugada do dia 31 de março para o dia 1º de abril de 1964, foi um grande atraso político, econômico, social e cultural para o Brasil. As manifestações populares que à época pediam a ampliação da cidadania (direito de voto ao analfabeto, elegibilidade de todos os brasileiros etc) e a realização das reformas de base (agrária, urbana, administrativa etc) foram propositalmente chamadas de “comunistas” por grupos conservadores e reacionários – classes médias, profissionais liberais, igreja católica, mídia, grupos de extrema-direita -, contando com o apoio das Forças Armadas que em sua história jamais hesitaram em matar brasileiros para manter a miséria, ampliar a desigualdade social e garantir seus privilégios de casta.

No contexto da Guerra Fria, o objetivo aparente do golpe que destituiu o presidente João Goulart era combater o “comunismo”. Através da mídia e outros espaços de convivência, a população recebeu uma impressão aterrorizante dos comunistas com o intuito de levantar a indignação popular e angariar apoio à solução autoritária. Para tanto, atribuiu-se ao comunismo uma posição de força muito maior que a real. Toda a esquerda foi classificada como “comunista” e a derrubada de Jango (latifundiário que jamais foi comunista nem aqui, nem quando esteve na China) foi vista como “ação preventiva” com o intuito de barrar o avanço dos vermelhos.

Hoje, após 57 anos, a vasta historiografia sobre o tema nos mostra que o golpe não foi apenas contra “as reformas”, o “populismo” ou o “comunismo”, mas sim para derrotar as esquerdas, aniquilar suas lideranças e impedir a realização de qualquer projeto político que buscasse incluir o povo através de um modelo democrático e popular. Os resultados foram desastrosos e trágicos: assassinatos, corrupção, violência e concentração de renda. Opositores políticos foram sequestrados, torturados e mortos, muitos desapareceram. Uma carnificina: centenas de estuprados, submetidos a choques elétricos, tiveram ratos e baratas inseridos nas genitais e outras práticas violentas executadas por agentes do estado, dentro dos quartéis, com consentimento e aval do Poder Executivo. Até crianças, filhas de “subversivos”, foram torturadas e mortas. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por se tratar de uma ditadura, não havia qualquer mecanismo de fiscalização e controle. A corrupção era a regra. As imensas obras de infraestrutura superfaturadas e os benefícios concedidos aos donos das grandes mídias corporativas em troca de um tratamento jornalístico brando, sem críticas ao governo, são apenas alguns dos inúmeros casos capazes de ilustrar a indecência que guiou a gestão pública da ditadura militar. O “milagre econômico” significou o crescimento vertiginoso dos centros urbanos e o consequente surgimento das grandes favelas. A concentração de renda foi explosiva, a desigualdade social subiu como um foguete enquanto a inflação beirou 300%. A censura impôs o atraso cultural, perseguiu artistas, intelectuais, jornalistas e chegou a atingir até mesmo os grandes jornais que apoiaram o golpe. A violência física, política e social resultou num verdadeiro “terrorismo de estado” que tem no episódio do Atentado ao Riocentro mais um exemplo do seu retumbante fracasso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nos anos 1980, o retorno dos civis ao poder foi marcado por acordos de conciliação e acomodação que mantiveram a estrutura política e social intactas. Os torturadores e assassinos da ditadura jamais foram punidos e, até a realização da Comissão Nacional da Verdade, os militares negaram a prática de torturas e assassinatos nos quartéis. O ensino militar e mesmo as corporações não sofreram qualquer ingerência do poder civil, de maneira que as casernas continuaram (de)formando militares com ideias contra a esquerda e as demandas populares, mantendo as Forças Armadas a serviço da extrema-direita e de fanáticos armados que acreditam em fantasias políticas (comunismo) para justificar sua violência ideológica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao promulgar a Constituição Cidadã, em 1988, Ulysses Guimarães bradou “temos ódio à ditadura. Ódio e nojo!”. O “documento da liberdade, da dignidade, da democracia e da justiça social do Brasil” foi um divisor de águas entre o atraso autoritário e o novo período que se apresentava como democrático e republicano. Na prática, muito ficou por fazer e este processo segue inconcluso em nosso país. Após superarmos o atual governo militar, que elogia torturadores e celebra ditaduras, teremos mais uma oportunidade de dar continuidade ao aprofundamento democrático iniciado nos anos 1980 e freado com o golpe de 2016. Para tanto, caberá à sociedade civil deixar claro, por meio das instituições, que lugar de genocida, adorador de torturadores e assassinos é na prisão. Ditadura nunca mais!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email