Testemunha diz que terrorista que jogou bomba no comício de Lula é morador de área de atuação do Escritório do Crime

"De acordo com informação de uma pessoa que presenciou o ataque, André Stefano declarou, 'aos berros', que era morador da comunidade de Muzema", relata Miola

www.brasil247.com - André Stefano Dimitriu Alves de Brito
André Stefano Dimitriu Alves de Brito (Foto: Divulgação)


Por Jeferson Miola, para o 247

De acordo com a informação de uma pessoa que presenciou o ataque à bomba contra o comício do ex-presidente Lula na Cinelândia e que testemunhou a identificação de André Stefano Dimitriu Alves de Brito na 5ª Delegacia de Polícia, o autor do atentado declarou, “aos berros”, que era morador da comunidade de Muzema.

A comunidade de Muzema, localizada na zona oeste do Rio, é uma área de atuação com negócios ilícitos do Escritório do Crime, a milícia que era comandada pelo ex-capitão da PM Adriano da Nóbrega, um comparsa de Fabrício Queiroz.

Durante anos a ex-esposa e a mãe do miliciano Adriano da Nóbrega foram funcionárias do gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembléia Legislativa do Rio. Elas participavam das “rachadinhas”, como ficou conhecido o esquema de corrupção dos Bolsonaro gerenciado por Queiroz.

Muzema ganhou as manchetes do noticiário nacional em abril de 2019 devido à queda de dois prédios construídos irregularmente e comercializados pelo Escritório do Crime.

Chama atenção que na busca realizada pelo nome completo do autor do atentado no google – André Stefano Dimitriu Alves de Brito – encontram-se cinco páginas com menções a ele, porém praticamente somente com referências ao atentado ao evento petista no Rio. É como se André não tivesse existência anterior na internet.

A exceção são dois ou três registros de André como sócio da empresa Wimari Locação Cursos e Vagas Náuticas, aberta em 2015 e inativa desde março de 2021.

Este atentado ocorre na esteira da escalada da violência política promovida pelo bolsonarismo e matilha fascista contra a candidatura do ex-presidente Lula.

É fundamental, neste grave contexto de terrorismo político, que além da OAB, partidos políticos, MP, judiciário e Congresso, instituições e organismos internacionais acompanhem a apuração rigorosa deste atentado e do processo eleitoral brasileiro.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email