“The Great Reset”: rumo a um mundo pós-pandemia mais verde, mais racional e mais justo?

A redefinição global do capitalismo não seria uma “resposta” à crise pós-pandemia, mas a “causa” do colapso que enfrentamos, um desastre que atende aos interesses econômicos das elites

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Uma redefinição do capitalismo e um novo contrato social é o que pretende o plano lançado pelos gigantes da economia global para o pós-crise de Covid-19.

A “grande reinicialização”, sintetizada no artigo Now is the time for a ‘great reset’ de Klaus Schwab, fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial, é uma proposta para enfrentar o impacto econômico de longo prazo causado pela pandemia, que “deve exacerbar as crises social e climática que já estavam em curso”.

Como nos lembra o jornalista Brandon Smith, a expressão “reinicialização da economia global” não é inédita. A primeira vez que o termo surgiu na mídia foi em 2014, em uma declaração de Christine Lagarde, então presidente do FMI. “Novo multilateralismo”, “ordem global multipolar” ou “nova ordem mundial” teriam o mesmo significado da “grande reinicialização”.

Para Smith, a “reinicialização” recolocada agora é apresentada como solução para a crise econômica atual, que tem sua origem em 2008. Após uma década de emissões de moeda pelos bancos centrais e elevação de dívidas públicas, a situação de hoje é ainda mais grave. Como sempre, o “remédio” dos bancos é pior que a doença, e o colapso que enfrentamos agora é ainda mais devastador.

Smith adverte que o banco central mais poderoso do planeta (o FED, dos EUA) não pretende “salvar o sistema financeiro”. Na verdade, o FED estaria disposto a se “autodestruir como instituição para explodir a economia americana e abrir caminho para um novo sistema global, único e centralizado”. Daí a reinicialização.

A redefinição global do capitalismo não seria uma “resposta” à crise pós-pandemia, mas a “causa” do colapso que enfrentamos, um desastre que atende aos interesses econômicos das elites.

A “grande reinicialização” seria sustentada pelo seguinte tripé: (1) redirecionar o mercado, visando resultados que levem em conta riscos e oportunidades ambientais e sociais, e não apenas o lucro no curto prazo; (2) garantir que os investimentos tenham objetivos compartilhados, baseados em critérios de igualdade e sustentabilidade; (3) aproveitar as novas tecnologias da chamada 4ª Revolução Industrial (inteligência artificial, internet da coisas, nanotecnologia, biotecnologia, etc.) em prol do bem comum, especialmente em relação à saúde pública.

“Temos apenas um planeta e sabemos que a mudança climática pode levar à próxima catástrofe mundial, com consequências ainda mais dramáticas para a humanidade”, declara o autor de A Quarta Revolução Industrial (2016), Klaus Schwab. A crise do Covid-19 acelerou a transição rumo à quarta revolução industrial, diz o economista.

Uma retórica politicamente correta, e não poderíamos esperar outra coisa dos grandes atores do capitalismo global, no cenário que se avizinha após meses de uma pandemia que sacudiu os pilares da economia mundial.

No campo das finanças, a inovação apresentada pelo great reset é a criação de uma “rede de bancos centrais para esverdeamento do sistema financeiro” (NGFS, na sigla em inglês). A NGFS tem como objetivo o intercâmbio de boas práticas de bancos, fundos de pensão, seguradoras etc., que levem em conta a mudança climática em suas diretrizes.

A grande questão é saber que mecanismos e recursos serão empregados para colocar em prática o novo paradigma de ordem econômica e social planetária, proposto pelos porta-vozes mais poderosos do capitalismo.

Em janeiro de 2021, os grupos que estarão reunidos em Davos (Suíça) para sacramentar a proposta do great reset são os que sempre exerceram um enorme poder sobre governos e formuladores de políticas nacionais e internacionais.

Dito isso, fica evidente o caráter não democrático desse tipo de fórum, dominado pelos mesmos grupos de pressão que sempre deram as cartas dos rumos da economia global. São grupos representados pelas pessoas mais ricas do planeta.

De fato, a ideia de uma intensificação da chamada 4ª revolução industrial, triunfo da era digital e da globalização, pode não passar de uma roupagem nova do neoliberalismo econômico vigente, agora com viés mitigador de desigualdades sociais e da mudança climática.

A redefinição do capitalismo pós-pandemia atenderá às demandas de uma agricultura justa e sustentável, priorizando o desenvolvimento econômico e social de pequenos produtores, em detrimento de grandes latifundiários e do agronegócio multinacional?

Os países que mais sofrem com a pandemia, como EUA, Brasil, Reino Unido e Índia, fomentarão seus sistemas públicos de saúde e programas sociais, garantindo ao conjunto de suas populações acesso a bens comuns, como água potável e saneamento básico?

Os atores principais do Fórum Econômico Mundial empreenderão esforços concretos para frear a destruição de biomas, reduzir as emissões de carbono por incêndio nas florestas tropicais, limitar o avanço das fronteiras do agronegócio e coibir a mineração ilegal em reservas indígenas?

Os maiores poluidores do clima, Estados Unidos, China e União Europeia, intensificarão suas transições energéticas em prol de fontes renováveis? Ou usarão o freio imposto às economias pela pandemia de Covid-19 como pretexto para acelerar uma retomada a custo de um maior uso de carvão e derivados de petróleo?

O Green Deal da União Europeia –um ambicioso projeto, que visa impulsionar o uso de energias limpas e a agricultura orgânica, proteger a biodiversidade e limitar o uso de pesticidas– sairá do papel?

São perguntas que só poderão ser respondidas em um horizonte muito além do próximo fórum de Davos.

Fontes: https://www.weforum.org/agenda/2020/06/now-is-the-time-for-a-great-reset/

https://ncrenegade.com/editorial/brandon-smith-globalists-reveal-that-the-great-economic-reset-is-coming-in-2021/

http://www.entreleslignes.be/humeurs/zooms-curieux/%C3%A9conomie-mondiale-la-grande-r%C3%A9initialisation

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email