Tigrão com tuiteiros, tchutchuca com o latifúndio

A votação do Marco Temporal mostrou que Alexandre de Moraes, ao contrário do que diz a setores da esquerda frente ampla, não tem nada de democratico

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

Alexandre de Moraes

Nesta segunda-feira, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, devolveu o processo sobre a apreciação da tese do Marco Temporal. O Ministro foi o responsável pelo novo adiamento em setembro da votação da Tese do Marco Temporal. Tese esta que foi elaborada pelo próprio STF, para beneficiar o latifúndio.

Essa não foi a primeira vez que Alexandre de Moraes, e muito menos o STF, atuou para adiar mais uma vez a votação do Marco Temporal para desmobilizar os indígenas e dar tempo para as manobras dos latifundiários no ataque às terras indígenas.

PUBLICIDADE

Esse mesmo Alexandre de Moraes está sendo colocado, por setores da esquerda pequeno burguesa como um elemento democrático e combatente da luta contra o fascismo, por estar perseguindo e prendendo elementos da extrema direita sem nenhuma significância política.

O ministro Alexandre de Moraes pediu investigação e prendeu pessoas porque deram depoimentos nas redes sociais ou vazamentos de áudios no aplicativo WhatsApp contra o STF, pedindo intervenção ou coisa parecida.

Na lista de Alexandre de Moraes estão figuras sem nenhuma importância política e muito menos com uma grande base para dar um golpe de Estado e fechar o STF. Na lista estão o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), Roberto Jeferson, o cantor Sérgio Reis, e blogueiros e tuiteiros ligados a Jair Bolsonaro. Cogitou-se até a investigação do humorista Batoré devido às críticas que realizava contra o Supremo Tribunal Federal.

PUBLICIDADE

Observe que todos esses elementos perseguidos por Alexandre de Moraes são figuras secundárias da política nacional ou fazem parte de blogs sem nenhuma influência e de restrito alcance de público.

Fica evidente que as “ameaças” dessas figuras sem nenhuma importância são realizadas de maneira eleitoreira e não representam nenhuma ameaça real. É como queimar a estátua do Borba Gato contra o genocídio dos indígenas: sem nenhum resultado prático de defesa dos indígenas, apenas propaganda eleitoral de setores da esquerda pequeno burguesa que se recusa a fazer qualquer coisa. No caso de Alexandre de Moraes é uma tentativa de propaganda política da terceira via, como os tucanos João Doria e Eduardo Leite.

Quando o assunto é latifúndio, o “skinhead de toga” fica mansinho.

PUBLICIDADE

Ao contrário das figuras citadas acima sem nenhum poder de mobilização real e secundários da política nacional, quando está em jogo os interesses dos latifundiários, Alexandre de Moraes fica extremamente manso e cede rapidamente aos interesses desse setor contra os indígenas.

Alexandre de Moraes pediu pela segunda vez “vistas” na votação da Tese do Marco Temporal. A primeira foi em junho e agora o adiamento ficou mais escancarado como uma pressão dos latifundiários. A decisão do tchutchuca do latifúndio Alexandre de Moraes  que “fala fino” contra esse setor foi evidenciada na entrevista do vice-presidente da Bancada Ruralista no Congresso Nacional, o deputado Neri Gueller, ao Portal Notícias Agrícolas. Na entrevista, Neri Gueller disse que estavam em negociação com os ministros do STF, incluindo reunião marcada, para que houvesse o adiamento da votação do Marco Temporal para que o latifúndio ganhasse tempo para tentar aprovar antes o PL 490, que é outro grande ataque aos indígenas e suas terras, e que poderia forçar a aprovação do Marco Temporal.

Ao contrário do que setores da esquerda pequeno burguesa em mostrar o STF com “parceiro” contra a direita e o governo Bolsonaro, de serem ministros defensores da democracia ou coisa parecida, é preciso mostrar o STF e seus ministros como realmente são: uma ditadura de toga para defender os interesses dos latifundiários e da burguesia nacional contra a população explorada.

PUBLICIDADE

No caso de Alexandre de Moraes, o qual a esquerda aponta como um novo herói nacional (parece que essa esquerda ainda não aprendeu nada com as lições da operação Lava Jato e do ex-juiz Sérgio Moro), é um representante do latifúndio contra os interesses do povo e dos indígenas.

Como ficou evidente, Moraes atua de maneira incisiva e ditatorial contra figuras de pouca importância política, mas quando o assunto é defender o latifúndio se torna cortês e defensor. Parafraseando Zeca Dirceu (PT) que chamou o ministro Paulo Guedes de “tigrão com os trabalhadores e tchuthuca com os banqueiros”, Alexandre de Moraes é “tigrão com tuiteiros e tchutchuca do latifúndio”.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email