Tiros contra as eleições

Para o jornalista Alex Solnik, "às vésperas de Primeiro de Maio de 2018 tiros disparados contra o acampamento de apoio a Lula evoca os episódios" dos atentados da época da ditadura, quando bombas nas bancas de jornais acompanhadas de recados exigiram que não se vendesse mais jornal nanico contra o regime militar;  "Os três atentados políticos deste ano – Marielle, tiros nos ônibus e tiros no acampamento – têm o mesmo objetivo dos atentados do passado: querem impedir a continuação da democracia, querem impedir as eleições", compara

Para o jornalista Alex Solnik, "às vésperas de Primeiro de Maio de 2018 tiros disparados contra o acampamento de apoio a Lula evoca os episódios" dos atentados da época da ditadura, quando bombas nas bancas de jornais acompanhadas de recados exigiram que não se vendesse mais jornal nanico contra o regime militar;  "Os três atentados políticos deste ano – Marielle, tiros nos ônibus e tiros no acampamento – têm o mesmo objetivo dos atentados do passado: querem impedir a continuação da democracia, querem impedir as eleições", compara
Para o jornalista Alex Solnik, "às vésperas de Primeiro de Maio de 2018 tiros disparados contra o acampamento de apoio a Lula evoca os episódios" dos atentados da época da ditadura, quando bombas nas bancas de jornais acompanhadas de recados exigiram que não se vendesse mais jornal nanico contra o regime militar;  "Os três atentados políticos deste ano – Marielle, tiros nos ônibus e tiros no acampamento – têm o mesmo objetivo dos atentados do passado: querem impedir a continuação da democracia, querem impedir as eleições", compara (Foto: Alex Solnik)
Siga o Brasil 247 no Google News

Os jornais de oposição à ditadura militar, os chamados nanicos, começavam a incomodar; ensaiavam fazer sucesso nas bancas; o Ex-, de São Paulo, vendia 30 mil exemplares; o "Repórter", no Rio, vendeu 100 mil jornais no carnaval; crescia a imprensa que furava a cortina da censura.

O regime reagiu dentro das leis que criou. Dificultava ao máximo a produção. Matérias e fotos tinham que ser submetidos à censura, em Brasília. Nada disso, porém, desanimava aos jornalistas e aos leitores.

Tudo foi nessa toada até estourarem as primeiras bombas nas bancas acompanhadas de recados: é pra não vender jornal nanico.

A polícia não investigou, nem precisava. Em 1981, uma bomba estourou no colo de um capitão do Exército dentro de um carro, no estacionamento do Riocentro, onde se realizava um show de Primeiro de Maio em protesto contra a ditadura.

PUBLICIDADE

Às vésperas de Primeiro de Maio de 2018 tiros disparados contra o acampamento de apoio a Lula evocam os episódios daqueles atentados.

O que pretendiam aqueles setores da linha dura do Exército estourando bancas de jornais e shows de artistas de esquerda era impedir a abertura do regime rumo às eleições, era a continuação da ditadura, cujo fim se aproximava.

PUBLICIDADE

Os três atentados políticos deste ano – Marielle, tiros nos ônibus e tiros no acampamento – têm o mesmo objetivo dos atentados do passado: querem impedir a continuação da democracia, querem impedir as eleições.

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email