Tiros na memória

O massacre no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, com a execução de pelo menos 20 pessoas, sob o comando do governador Cláudio Castro, junta a fome e a vontade de comer com a política de eliminação de setores da população. Falta de memória e aniquilação, como se verifica, não apresentam estruturas incompatíveis. Em Brasília ou no Rio, a natureza dos acontecimentos não revela sentidos diferentes.

www.brasil247.com - Cláudio Castro e chacina no Salgueiro
Cláudio Castro e chacina no Salgueiro (Foto: Reprodução)


A recente nomeação do Sr. Ricardo Borda D’Água de Almeida Braga para a direção do Arquivo Nacional, com a única qualificação de ser bom atirador e haver trabalhado na Secretaria de Segurança Pública do DF, além de causar espanto, nos leva a uma reflexão sobre o governo. O Arquivo Nacional é o órgão no qual se guardam importantes documentos da República, representando um ponto de reunião de pesquisadores e historiadores. É, por excelência, o seu local de trabalho. A nomeação provocou uma carta de protesto de mais de 60 entidades, voltadas para a nossa memória e sua pesquisa, com advertências sobre os inconvenientes de um indivíduo sem currículo para as funções. 

Ao final da II Guerra, em virtude dos horrores do nazifascismo, ocupou a mente do público a tendência ao esquecimento. Ninguém desejava reviver a noção de um terrorismo de estado e suas pregações em favor do massacre. Ainda nos anos cinquenta, intelectuais começaram a ver com preocupação esse comportamento. Apesar das dores, era necessário estudar os documentos para, pelo menos, tentar entendê-los. Alain Resnais, em dois de seus filmes (Toute la mémoire du monde, 1956 Toda memória do mundo; e Nuit e brouillard, 1955 – Noite e neblina), causou impacto, com a exibição de fotos e filmes dos campos de concentração. Erguia ali indagações implícitas sobre aquilo tudo, e uma delas em particular: como fomos capazes? O primeiro documentário citado, girando a câmara no interior de uma biblioteca, investia na inteligência de se debruçar sobre livros e sua função, compreendendo a importância da memória para o presente e o para futuro.

Não espanta que um governo inseguro, pisando em ovos cada vez que emite opiniões, tema a força dos tempos pretéritos, como se antevisse o que estes terminarão por fazer. Sua inclinação, nomeando o Sr. Borda D’Água, talvez aponte exatamente para a vontade de queimar o acervo de documentos como quem, em mais um gesto de assassinato cultural, queima a memória. Observadores da administração pública, nos últimos dois anos, já não se chocam diante do desinteresse frente a um projeto de eliminar a cultura e a ciência, e buscar dirigentes medíocres e pobres de espírito para geri-las.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O massacre no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, com a execução de pelo menos 20 pessoas, sob o comando do governador Cláudio Castro, junta a fome e a vontade de comer com a política de eliminação de setores da população. Falta de memória e aniquilação, como se verifica, não apresentam estruturas incompatíveis. Em Brasília ou no Rio, a natureza dos acontecimentos não revela sentidos diferentes. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os brasileiros eram vistos como um povo alegre e criativo, o oposto da imagem que, de repente, começa a criar em torno de si. Os eventos recentes, com traumas de toda sorte, maculam a velha imagem. Logo, aos olhos do mundo, não passaremos de uma nação de gente frustrada e violenta. Esperemos que isso não se confirme e que voltemos a nos escandalizar com a crueza dos noticiários. Colocar a memória num armário e fechá-la, pode enganar por algum tempo, mas não para sempre. Amanhã teremos o que contar e um dia saberemos punir os responsáveis.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email