Tite deveria chamar Daniel Borges para a Seleção

Achado do Botafogo é uma máquina de assistências e um jogador versátil. O técnico da Seleção deveria dar mais chances a quem disputa o Campeonato Brasileiro

www.brasil247.com - Daniel Borges
Daniel Borges (Foto: Vítor Silva / Botafogo)


Por Juca Simonard

Eu sei que o complexo de vira-lata que a imprensa brasileira, vendida ao estrangeiro, estimula nos faz acreditar que o atleta que joga no Brasil é inferior a qualquer um que joga na Europa. Mas isso não é verdade, principalmente nos últimos anos.

Seria verdade se estivéssemos falando do período que vai do início dos anos 2000 até 2018, mais ou menos. Os bons jogadores iam todos para fora e o Brasil, que revelava a maioria destes, ficava com jogadores medianos para a disputa nacional.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A situação era ruim para o futebol brasileiro em vários pontos de vista. O campeonato nacional, e seus times, ficavam capengas e muitos possíveis e futuros craques se perdiam em times secundários de campeonatos não competitivos, como o espanhol, o francês e o alemão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas a situação está mudando. Nos últimos anos, o investimento geral (tema para outro artigo) tem fortalecido o trabalho na base dos clubes brasileiros e muitos times têm conseguido segurar estes jogadores – com destaque ao Palmeiras. Também tem ocorrido um processo de repatriação dos jogadores brasileiros. Inicialmente vieram jogadores mais velhos, mas agora estão vindo alguns entre 25 e 29 anos. 

(Claro, ainda não dá para competir com os bilionários europeus que pegam estrelas como Vini Jr., Raphinha, Paquetá, Gerson, Antony...)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A soma disso tudo é que o futebol brasileiro, enquanto campeonato nacional, voltou a ter times fortes consolidados (Palmeiras, Flamengo, Atlético) e tem alguns se consolidando (São Paulo, Botafogo, Athlético).

Por isso, a Seleção deveria olhar mais para o campeonato nacional. Sem preconceitos. O fato de um jogador estar na Europa (ou em outro continente) não significa que ele é melhor do que os que jogam no Brasil. Esses preconceitos fazem com que o jogador brasileiro, para ser chamado à Seleção, tenha que jogar cinco vezes mais do que se estivesse lá fora.

Mas tudo bem. A Seleção de Tite é sensacional. Uma das melhores que eu, sendo um jovem torcedor, já vi. O único ponto fraco, na minha opinião, são as laterais. Na esquerda, acho que dá para manter Alex Telles e Arana (mais um que joga no Brasil). 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Agora, na direita… Tite escalou Danilo e Daniel Alves. 

Mais velho, Daniel Alves não joga mais como antes. Mas, ok, ele é uma liderança importante e pode dar moral ao time mesmo no banco. 

Já Danilo, nunca vi grande coisa nele. Joga no campeonato italiano, que não é muito disputado, e os números não são lá grande coisa. Pode ser uma boa opção na defesa, mas ofensivamente deixa a desejar. Nunca entendi direito seu espaço na Seleção. Tite deve ter suas razões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por outro lado, Daniel Borges, lateral do Botafogo, é um achado e tanto. Desde o ano passado, quando foi campeão da Série B, até agora, evoluiu muito e se tornou uma peça fundamental da equipe. Bom defensivamente e ofensivamente. É o garçom do time, uma máquina de assistências. A maior parte das jogadas de gol ou ameaças do alvinegro passam por ele. Sem contar que é bom nas bolas paradas.

Versátil, começou a jogar na lateral-esquerda no time do técnico Luis Castro, com a chegada de Saravia. E se deu bem, sendo elogiado pelo 'Maestro' Júnior, que jogava desta forma no Flamengo e na Seleção.

Meu apelo, no entanto, não é apenas para que Tite dê uma chance a Daniel. Na minha opinião, o técnico da Seleção deveria olhar mais para o Brasil. Fazer alguns testes de “aspirantes” – talvez no formato de jogos-treinos – para os jogadores que jogam no Brasil. Tem muita gente comendo a bola. Falou-se muito no Raphael Veiga, e ele merece uma chance, mas também temos Dudu, do Palmeiras, por exemplo, e tantos outros.

Uma Seleção com jogadores que jogam no Brasil tem mais identificação com o povo brasileiro e, portanto, terá mais apoio. Claro, o país é a maior máquina de produzir craques no mundo, e por isso é difícil colocar todos os bons em apenas 26 vagas. Mas dar uma chance a quem disputa o Campeonato Brasileiro, a competição nacional mais difícil do mundo, pode surpreender.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email