Trégua entre Lula e Ciro muda cenário de 2022

Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia, avalia que a trégua entre o ex-presidente Lula e o ex-ministro Ciro Gomes "não implica que a chapa em 2022 seja obrigatoriamente" formada pelos dois, mas sim que "um e outro, e seus respectivos partidos, e aliados de seus partidos – PT, PDT, PSB, PSOL e PCdoB - disputem juntos, façam campanha juntos e governem juntos"

Ciro Gomes e Lula
Ciro Gomes e Lula (Foto: RICARDO STUCKERT)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Não sei se o ex-marqueteiro do PT, João Santana, sabia que tinha havido um encontro entre Lula e Ciro, em setembro, no Instituto Lula, quando declarou, no Roda Viva, que a chapa ideal para derrotar Bolsonaro em 2022 seria Ciro na cabeça e Lula, vice, tal como ocorreu na Argentina com Cristina Kirchner.

Desconfio que não, pois ele próprio afirmou que seria uma chapa “impossível”.

PUBLICIDADE

Primeiro, porque Lula ainda não recuperou seus direitos políticos, por mais absurdo que seja.

Segundo, porque tanto eles quanto seus seguidores viviam às turras desde que, em 2018, Ciro foi passar o segundo turno em Paris, o que desencadeou uma enxurrada de acusações pesadas de um lado e de outro.

O fato é que, três dias depois disso, “O Globo” dá o furo que pode mudar o cenário das eleições presidenciais, e desanuviar o clima belicoso na esquerda, que se divide pró e contra Ciro.

PUBLICIDADE

A trégua não implica que a chapa em 2022 seja obrigatoriamente Ciro-Lula, mas que um e outro, e seus respectivos partidos, e aliados de seus partidos – PT, PDT, PSB, PSOL e PCdoB - disputem juntos, façam campanha juntos e governem juntos.

A chapa pode ser Ciro-Flávio Dino, por exemplo. Ou Ciro - Haddad ou Lula -Flávio Dino ou alguma outra.

É um dos assuntos mais comentados nas redes sociais.

PUBLICIDADE

A direita não esconde seu ódio, está mais raivosa do que nunca, preocupada, porque finalmente os progressistas unem forças contra o inimigo comum que tenta transformar o Brasil num imenso quartel e ameaça a democracia.

Na esquerda há alguns refratários à ideia, há os que duvidam, os que detonam, como sempre, mas a maioria aplaude.

Já estava mais que na hora de encerrar o capítulo de 2018. Não fazia bem às esquerdas o clima de beligerância entre os dois maiores líderes e seus respectivos partidos.

PUBLICIDADE

Se disputassem juntos as eleições municipais, revelam pesquisas, os cinco partidos liderados por Lula e Ciro poderiam estar à frente nas intenções de voto, com alta possibilidade de vitória nas duas principais cidades do país, São Paulo e Rio.

Sugiro que o marqueteiro dessa coalizão seja João Santana.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email