Treze de Maio

As escrituras sagradas dizem que o trabalhador é digno do seu salário, mas isso sempre foi negado aos escravizados, e continuou a ser negado a seus descendentes

www.brasil247.com -


Treze de Maio é a data em que da assinatura da Lei Áurea pela Princesa Isabel.  

Deveria ser uma data festiva, uma vez que deveria ser a data da  libertação dos escravizados. Entretanto, isso não é verdade, não houve libertação. Entenda-se, por libertação, não só a quebra do vínculo anterior, mas a criação das condições necessárias para emancipação humana. E isso, de fato, não aconteceu.

Para começar, não houve, indenização. O que se esperaria, depois de tantos anos de escravização, de fato, de séculos de escravização, é que a ex-escravizados fosse reconhecida, minimamente, o direito de recuperar a dignidade, por meio da recuperação de condição de vida, portanto, de condição econômica suficiente e necessária para  sobrevivência com dignidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao invés disso, logo veio a lei da vadiagem, que forçava o ex-escravizado a ter uma moradia. Caso não tivesse endereço era tido como vagabundo. O ex-escravizado foi, portanto, submetido ao que veio a ser conhecido como  sub-moradia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não bastasse isso, os pretensos senhores de escravizados, latifundiários e demais, sentindo-se traídos pela realeza, dormiram monarquistas e acordaram republicanos, o que levou a proclamação da República a ser um arremedo de transformação sócio-política, uma vez que a lógica feudalista foi mantida.

A nação, portanto, ficou com uma dívida moral, e econômica, e social para com os ex-escravizados e seus descendentes. Desenvolveu-se no Brasil um não confessado, e mal disfarçado, e cruel preconceito racial não admitido e, portanto, não tratado. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O preconceito continua não tratado, continua não admitido. Mas, a dívida econômica teve o primeiro movimento de resgate através das chamadas cotas, o que reconhece o direito dos descendentes de escravizados. É pouco para indenizar 380 anos de escravização, mas, já é um começo, pois graças a ausência de medidas indenizatórias, por meio de políticas públicas, os descendentes de escravizados foram mantidos na pobreza, e sem acesso aos meios necessários para sua emancipação sócio-econômica.

A maioria da população brasileira é composta por descendentes dos povos que vieram da África, na condição de escravizados. Mas, como se pode, facilmente, constatar, essa maioria não é vista nos postos chaves, seja na atividade pública seja na iniciativa privada.

Então, vejo a data de Treze de Maio, como um desafio à sociedade brasileira, para que a justiça seja feita àqueles que, por meio da força, contribuíram para o enriquecimento do Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As escrituras sagradas dizem que o trabalhador é digno do seu salário, mas isso sempre foi negado aos escravizados, por razões óbvias, porém continuou a ser negado a seus descendentes, após a lei chamada de áurea.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email